A surpreendente descoberta de uma estrutura monumental de 2.800 anos em Tabasco, no México, está abalando nossas concepções da civilização maia e seu surgimento como uma força cultural.

Usando uma tecnologia chamada Lidar, na qual lasers são usados para mapear as características ocultas da superfície, os arqueólogos descobriram uma estrutura monumental anteriormente desconhecida em Aguada Fénix, no México. Esta plataforma artificial — presumivelmente usada para astronomia a olho nu — agora é a maior e mais antiga estrutura cerimonial  pertencente à civilização maia. Detalhes desta descoberta foram publicadas nesta semana na revista Nature.



A plataforma e suas estruturas de apoio, incluindo reservatórios, pontes e montes em formato de pirâmide, foi encontrada em planícies maias, e o teste radiocarbono data a região entre 2.800 e 3.000 anos atrás. O fato de um complexo cerimonial tão grande e sofisticado ter aparecido há muito tempo é uma grande surpresa, e sua presença inicial desafia as noções tradicionais de quando a civilização maia começou a surgir.

De fato, há muito a aprender sobre os maias, pois grande parte de seu legado permanece oculto sob uma enorme manta de árvores. Há dois anos, por exemplo, uma pesquisa aérea abrangente descobriu 61.480 estruturas maias antigas distintas nas exuberantes florestas tropicais da Guatemala. O uso do Lidar levou a descobertas semelhantes em Angkor Wat, no Cambodja, nas quais o laser penetrava na selva e acabou descobrindo uma capital antiga do Império Khmer.

Ao escrever sobre o assunto em um artigo na seção News and Views, da Nature, Patricia McAnany, antropóloga da Universidade da Carolina do Norte e que não participou do novo estudo, disse que o Lidar se tornou um “divisor de águas” para os arqueólogos, nos quais os dados coletados durante um único voo de avião pode oferecer mais informações do que décadas de pesquisas arqueológicas tradicionais no solo.

“Como veterana das técnicas de pesquisa pré-Lidar e como arqueóloga que trabalha nos trópicos úmidos associados às antigas civilizações maias, passei milhares de horas de trabalho de campo andando atrás de um homem local que usava facões que cortaria linhas retas através da floresta”, escreveu McAnany. “Esse processo cria uma grade dentro da qual nós, arqueólogos, procedemos a pé para localizar quaisquer estruturas presentes. Depois, após mais cortes de facão para revelar os cantos, a forma e a altura das construções antigas, as estruturas poderiam finalmente ser mapeadas”.

Imagem 3D de Aguada Fénix feita com o LidarImagem 3D de Aguada Fénix feita com o Lidar

O Lidar, por outro lado, permite que os arqueólogos gerem mapas 3D de alta resolução da superfície, permitindo a rápida identificação de estruturas artificiais, que podem ser à prova de terra e estudadas para análises superiores.

Neste caso, a recém-identificada estrutura monumental maia foi descoberta a partir de pequisas do Lidar realizadas pelo Centro Nacional de Mapeamento a Laser Aerotransportado e pelo Instituto Nacional de Estatística e Geografia.

No total, essas duas pesquisas resultaram na descoberta de 21 centros cerimoniais distintos em Aguda Fénix. O novo artigo foi liderado pelo arqueólogo Takeshi Inomata, da Universidade do Arizona.

A característica mais dramática do local é a enorme plataforma artificial, ou platô principal, que mede 1.413 metros de comprimento e 399 metros de largura. A estrutura foi feita de terra e argila e repousa cerca de 10 a 15 metros acima do nível do solo circundante. Um total de nove vias se estendem da plataforma. Duas estruturas notáveis foram construídas no topo do platô principal: o monte ocidental, uma estrutura tipo pirâmide medindo mais de 15 metros de altura, e a plataforma leste, medindo 400 metros de largura. Outra grandes construção, chamada platô oeste, foi encontrada a pouco mais de 1 km do platô principal.

“Este local não era conhecido antes de nossa pesquisa, provavelmente porque é difícil reconhecer uma construção horizontal nessa escala a partir do nível do solo”, escreveram os autores do estudo. “Para nosso conhecimento, esta é a construção monumental mais antiga já encontrada na área maia e a maior em toda a história pré-hispânica da região”.

À esquerda: mapa 3D criado com dados de Lidar. À direita: ilustração mostra uma estrutura monumental e como ela provavelmente era usada. Crédito: Nature News & ViewsÀ esquerda: mapa 3D criado com dados de Lidar. À direita: ilustração mostra uma estrutura monumental e como ela provavelmente era usada. Crédito: Nature News & Views

A civilização maia, como sugere essa descoberta, cresceu e se desenvolveu mais rapidamente do que se pensava anteriormente. A nova pesquisa também brinca com nossas concepções de como e por que grandes comunidades se formam em primeiro lugar, com antropólogos especulando sobre o que ocorreu primeiro: vida estacionária em habitações fixas ou reuniões periódicas em massa. O novo artigo sugere o último caso, como explicou McAnany:

Os antepassados humanos podem primeiro ter se unido para marcar a mudança de estação observável no movimento do Sol ou de outros corpos celestes no céu ou no horizonte. [A configuração de Aguda Fénix contém] um monte baixo ou pirâmide no lado oeste de um complexo arquitetônico com uma plataforma alongada no lado oeste. Olhar da estrutura ocidental ajuda o espectador a testemunhar o nascer do Sol durante os solstícios de inverno e verão, que são visíveis nos cantos norte e sul, respectivamente, da plataforma leste (que é alongada de norte a sul). De design brilhantemente simples, esse tipo de construção foi feito repetidas vezes na região de Usumacinta e nas planícies maias a leste.

Essas reuniões rituais provavelmente forneceram a oportunidade de fazer novos contatos, encontrar-se com líderes da comunidade e realizar festas luxuosas. Os britânicos pré-históricos, por exemplo, viajavam para locais monumentais como Stonhenge para assistir às estrelas e participar do que só pode ser descrito como banquete de porco.

De maneira fascinante, não foram identificados sinais de desigualdade social em Aguada Fénix, como esculturas de indivíduos de alto escalão. A civilização olmeca, um dos primeiros grupos mesoamericanos que antecedia os maias, é famosa por suas estátuas de cabeça colossais, por exemplo. Como os autores apontam em seu estudo a descoberta de Aguada Fénix aponta para “a importância do trabalho comunitário no desenvolvimento inicial da civilização maia”.

Olhando para o futuro, a equipe gostaria de aprender mais sobre os primeiros maias e as razões dessas estrutura, incluindo o motivo de ter sido abandonada apenas algumas centenas de anos após sua construção.