O aplicativo de encontros The League – que filtra os usuários para garantir que eles estejam na “liga” certa – decidiu apostar em speed dating por vídeo.

Desde que foi lançado em 2015, o app The League conquistou a reputação de ser uma ferramenta de namoro para esnobes focados em status social. “Embora sua mãe possa chamá-lo de exigente, nós o chamamos de autoconsciente”, explica o site do aplicativo.

Agora, o aplicativo está lançando um recurso que atende a pessoas que estão ocupadas demais envolvidas em atividades sociais para ir a encontros físicos reais.

A partir de 1º de dezembro, alguns usuários do The League poderão experimentar o League Live. O recurso conecta automaticamente pares de usuários participantes, com base em suas preferências mútuas, para encontros de dois minutos de bate-papo por vídeo.

Segundo o Verge, cada pessoa recebe três desses encontros, com cada sessão sendo iniciada por um quebra-gelo. Se os dois usuários gostarem um do outro, o aplicativo os conectará e permitirá que eles continuem conversando. O League Live só acontecerá às 21h aos domingos.

A CEO Amanda Bradford disse ao Verge que os primeiros testes mostraram que o recurso era popular entre usuários de 35 a 40 anos de idade – possivelmente porque eles têm menos tempo para saírem por uma noite com alguém que pode não ser capaz de manter uma conversa. Ela também disse que o recurso é útil para usuários que não moram em cidades densamente povoadas e podem precisar viajar mais longe para ir a encontros.

Bradford disse ao Verge que apenas os usuários que possuem uma boa “Pontuação da liga” – que é baseada na atividade do aplicativo, no preenchimento completo do perfil e se o usuário foi ou não denunciado – poderão usar o League Live.

O The League não respondeu a um pedido do Gizmodo para comentar seus planos de expandir os recursos de namoro por vídeo.

No início deste ano, quando o principal site de namoro online da China, Jiayuan, começou a testar streaming de vídeo, dissemos que era apenas uma questão de tempo até que os aplicativos de namoro nos EUA começassem a fazer os usuários ficarem cara a cara com possíveis conexões. Com aplicativos como Bumble, Tinder e Hinge tentando novas maneiras de manter as pessoas conectadas, é cada vez mais provável que o futuro do namoro online comece a se parecer com o Chatroulette.