Se você gosta de música, deve conhecer o Shazam, aplicativo que reconhece que canção está tocando no ambiente. No ano passado, a Apple o comprou por US$ 400 milhões. O negócio foi concluído nesta segunda-feira (24) e, em breve, o app não terá mais propagandas.

• Spotify agora permite baixar até 10 mil músicas para ouvir offline
• Amazon Music deve chegar ao Brasil até o primeiro trimestre de 2019

Em um comunicado à imprensa, Oliver Schusser, vice-presidente do Apple Music, relembrou o histórico do aplicativo, um dos primeiros a entrar na App Store, e disse que estão “empolgados para reunir nossas equipes e oferecer aos usuários ainda mais maneiras de descobrir, experimentar e curtir músicas”.

Ainda não está claro qual o interesse da Apple em comprar o Shazam, mas é bem provável que ele passe a integrar algum produto da Apple. O Apple Music poderia ganhar uma função de reconhecimento musical, a exemplo do que o Deezer já oferece. A Siri já recorre ao aplicativo quando você pergunta a ela qual a música que está tocando.

O que se sabe é que ele deixará de exibir anúncios. “O aplicativo em breve oferecerá sua experiência livre de anúncios para todos os usuários, para que todos possam aproveitar o melhor do Shazam sem interrupções”, diz o comunicado da Apple.

De qualquer forma, o interesse certamente não é financeiro. A empresa nunca chegou a obter lucro com o app. Apesar de seus números expressivos — mais de 1 bilhão de downloads e 20 milhões de músicas reconhecidas por dia —, a companhia registrou perdas de £ 4 milhões em 2016 e de £ 16,6 milhões em 2015.

O Shazam existe desde 1999. Na época, ele era oferecido como um serviço por telefone, já que não havia internet móvel nos moldes de hoje. Você ligava do seu celular, o software do outro lado da linha ouvia a música, reconhecia e respondia por SMS com o nome da canção. Segundo o TechCrunch, além da Apple, Snap e Spotify estavam interessados na compra, mas o Shazam acabou mesmo nas mãos da maçã.

[Apple via TechCrunch]

Imagem do topo: Apple