Arqueólogos que trabalham em um local perto da Cidade do México desenterraram uma armadilha de 15 mil anos construída por humanos para capturar mamutes. É a primeira descoberta desse tipo.

Os primeiros habitantes da Bacia do México subjugavam mamutes gigantes. Eles cavavam trincheiras profundas e largas e depois levando os animais para as covas, de acordo com um comunicado do Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH). Cientistas do INAH trabalharam nessas covas nos últimos 10 meses, retirando mais de 800 ossos de mamute, alguns dos quais exibiram sinais de caça e possivelmente o que deve ser um rearranjo ritualístico.

Dois poços com ossos de mamute (e possivelmente um terceiro) foram encontrados no local Tultepec II, que fica a cerca de 40 quilômetros ao norte da Cidade do México. Os ossos foram descobertos em janeiro passado por uma equipe de trabalho que desenterrou um aterro municipal. A datação do sedimento leva o local a aproximadamente 14.700 anos atrás. No total, os cientistas retiraram 824 ossos pertencentes a 14 indivíduos.

“Essas são duas armadilhas artificiais de mamute”, disse o arqueólogo e líder da equipe do INAH, Luis Córdova Barradas, ao Yucatan Times. “Esta é uma descoberta histórica, não apenas no país, mas no mundo, porque nunca houve outras armadilhas desse tipo em nenhuma outra parte do mundo.”

Por “armadilhas artificiais de mamute”, Córdoba Barradas se refere a armadilhas deliberadamente construídas, em oposição a armadilhas naturais, como pântanos ou falésias. Este é o primeiro uso registrado de armadilhas para capturar mamutes — uma estratégia conhecida por ter sido empregada por caçadores africanos para prender elefantes, conforme descrito em um artigo de 2018 publicado na revista científica Quaternary:

O uso de armadilhas na caça de elefantes é combinado com o uso de lanças. Embora os Khwe (Namíbia) não cacem mais elefantes, seus antepassados caçavam. Um fazendeiro citou uma história contada por seus antepassados, descrevendo o uso de armadilhas com objetos pontiagudos.

O uso de armadilhas também é [documentado entre os] primeiros bosquímanos de Ghanzi, e (…) os pigmeus da floresta de Ituri no Congo [que] capturaram um elefante em uma armadilha e o mataram usando lanças curtas.

Os gigantescos caçadores do Pleistoceno norte-americano podem não ter caçado suas presas gigantescas dessa maneira exata, mas esses relatos mais modernos não parecem estar muito longe.

Representação artística de uma armadilha usada para caçar elefantes na África. Ilustração: Dana Ackerfeld/A. Agam et al., 2018/Quaternary

As armadilhas em Tultepec II tinham aproximadamente 1,7 metros de profundidade e cerca de 25 metros de diâmetro. As paredes eram penhascos escarpados, caindo em um ângulo de quase 90 graus. Os caçadores poderiam facilmente acabar com um mamute quando ele caísse em um buraco desses.

Córdoba Barradas estimou que eram necessários de 20 a 30 caçadores para separar um mamute de seu rebanho e conduzi-lo para as covas. Acredita-se que eles faziam isso usando tochas e gravetos. Esses poços foram organizados como uma “linha de armadilhas”, uma “estratégia que permitiria aos caçadores reduzir a margem de erro na captura do espécime”, de acordo com o comunicado do INAH.

“Havia pouca evidência antes de que os caçadores atacassem mamutes. Pensa-se que eles os amedrontam e ficam presos em pântanos e depois esperam que eles morram”, disse Córdoba Barradas a repórteres na quarta-feira, como publicado no Guardian. “Isso é evidência de ataques diretos a mamutes. Em Tultepec, podemos ver que havia a intenção de caçar e fazer uso dos mamutes.”

Imagem: Edith Camacho, INAH.

De fato, a descoberta mostra que a caça de mamutes não foi apenas um encontro casual com um indivíduo perdido, como é frequentemente retratado em recriações artísticas. Nesse caso, foram necessárias coordenação social e manipulação do meio ambiente, segundo o INAH.

Os restos de oito mamutes foram encontrados nos dois primeiros poços. Outros seis estavam no terceiro poço suspeito. No total, os arqueólogos do INAH encontraram cinco mandíbulas, oito crânios, 100 vértebras, 179 costelas, 11 omoplatas, cinco úmeros (o osso longo da perna) e muitos restos de mamutes menores.

Alguns dos restos exibiam sinais de caça, como uma ferida de lança na frente de um crânio gigantesco. Também foram descobertas evidências sugerindo que as costelas foram usadas como instrumentos de corte e que os ossos das pernas foram usados ​​para raspar a gordura subcutânea. Os gigantescos crânios foram posicionados de cabeça para baixo, o que pode ter sido feito para obter acesso fácil ao delicioso cérebro de 12 kg, especularam os arqueólogos do INAH.

O sítio arqueológico Tultepec II, perto da Cidade do México. Imagem: Edith Camacho, INAH.

Além disso, alguns dos ossos de mamute parecem ter sido deliberadamente reposicionados, como se isso tivesse sido feito para um propósito ritualístico. Um mamute tinha a omoplata empilhada e posicionada à esquerda do crânio e um segmento da coluna vertebral colocado entre as presas. As presas de um segundo mamute estavam cuidadosamente dispostas nas proximidades. Curiosamente, uma das presas deste mamute era mais curta que a outra, sugerindo que estava voltando a crescer após uma lesão anterior. Os arqueólogos do INAH supuseram que os caçadores haviam alvejado esse mamute antes, e essa disposição de seus restos era um sinal de respeito ou algum tipo de ritual elaborado.

Essa é obviamente uma grande inferência, e devemos ressaltar que todas essas descobertas e conclusões ainda precisam ser examinadas pelos revisores e publicadas em uma revista científica.

Estranhamente, nenhum ombro esquerdo foi recuperado no local — apenas os direitos. Os arqueólogos não sabem ao certo o motivo, mas uma possível explicação ritualística ou cultural pode explicar essa estranha observação. Os pesquisadores também encontraram evidências de um camelo e um cavalo no local, mas nenhum sinal direto de caça ou uso da carne desses animais.

Córdoba Barradas e seus colegas dizem que as evidências geológicas apontam para o uso contínuo do local por mais de 500 anos. Se isso for verdade, é provável que haja mais restos na área, o que é uma perspectiva muito interessante. Esperamos que mais evidências dessas armadilhas notáveis ​​nos digam ainda mais sobre como os primeiros habitantes da América do Norte conseguiram subjugar essas enormes bestas.