Arqueólogos no Camboja usaram laser para confirmar a localização e o layout de uma antiga capital associada aos estágios iniciais do Império Khmer.

Pesquisadores do Instituto Francês de Estudos Asiáticos e APSARA, autoridade administrativa do Camboja para o Parque Arqueológico de Angkor, usaram o sistema LIDAR (Light Detection and Ranging) para identificar a localização exata de Mahendraparvata – uma cidade antiga de Angkorian e uma das primeiras capitais associadas ao Império Khmer. A cidade antiga, que remonta aos séculos 8 e 9 d,C., foi vista nas densas florestas das montanhas Phnom Kulen, no Camboja. Detalhes da descoberta foram publicados hoje na revista científica Antiquity.

O Império Khmer dominou grande parte do sudeste da Ásia do século 9 ao 15, estabelecendo as bases do Camboja moderno. Entre suas muitas realizações, o Império Khmer é famoso por Angkor Wat – um complexo elaborado de templos localizado na antiga cidade de Angkor, no noroeste do Camboja. Mahendraparvata foi construída antes de Angkor, e é possivelmente a primeira cidade de grande escala, projetada centralmente e com planta em grade construída pelo Império Khmer, de acordo com a nova pesquisa.

Mapa mostrando as principais linhas de grade de Mahendraparvata. Imagem: J. Chevance et al., 2019/Antiquity

Inscrições e outras evidências arqueológicas apontaram para a montanha Phnom Kulen como a provável localização de Mahendraparvata, mas os cientistas só conseguiram descobrir santuários pequenos e aparentemente isolados. A cidade permaneceu praticamente indetectável devido ao crescimento denso da vegetação no local e devido à presença de guerrilhas do Khmer Vermelho que permaneceram na área até os anos 90; a selva permanece cheia de minas terrestres e engenhos não detonados, tornando-o um espaço não seguro para os arqueólogos.

Para superar esses obstáculos, Damian Evans, coautor do novo estudo e pesquisador do Instituto Francês de Estudos Asiáticos, conduziu uma pesquisa com o LIDAR na área em 2012. Uma segunda pesquisa mais extensa foi feita em 2015. Esses escaneamentos a laser produziram mapas 3D de alta resolução do chão da floresta, apontando para a presença de características arqueológicas não detectadas anteriormente, que foram exploradas e confirmadas pelos arqueólogos que trabalham no terreno.

Mapa LIDAR mostrando a orientação das características arquitetônicas em Mahendraparvata e o reservatório. Imagem: J. Chevance et al., 2019/Antiquity

As varreduras do LIDAR revelaram uma área urbana medindo aproximadamente 40 a 50 quilômetros quadrados, consistindo em milhares de características arqueológicas distintas. Um ponto importante é que os mapas em 3D mostraram aterros elevados organizados nas direções norte-sul e leste-oeste e grades quadradas da cidade contendo restos de um centro urbano outrora vibrante. Dentro dessa grade central, os pesquisadores descobriram pequenos santuários, montes, lagoas, um palácio real, um templo em forma de pirâmide e “outros elementos de infraestrutura que são consistentes com – e exclusivos para – todas as outras capitais conhecidas do Império Khmer”, escreveram os autores no estudo.

De fato, este não era um centro urbano comum, como explicaram os pesquisadores no artigo.

A existência de um palácio, uma rede de ruas e santuários e bairros locais indicam que uma corte real estava localizada aqui e era apoiada por uma população substancial de funcionários especializados em rituais, administrativos e outros, provenientes de uma comunidade mais ampla que habitava uma área construída extensa e bem definida. Claramente, essa área não era de caráter rural, pois não possui sistemas agrícolas identificáveis; além disso, seu extenso sistema de bairros divididos indica que não era apenas um centro cerimonial desocupado.

A datação de Mahendraparvata ainda é preliminar, mas parece coincidir com o tempo de Jayavarman II (770 a 835 dC), o primeiro governante do Império Khmer.

Os pesquisadores também encontraram remanescentes de um sistema de gerenciamento de água em larga escala que consistia em uma barragem e um reservatório artificial inacabado. Sua condição inacabada significava que a cidade não era capaz de apoiar a agricultura irrigada de arroz e que Mahendraparvata provavelmente não durou muito tempo como o centro político do Khmer, segundo o artigo.

De fato, Mahendraparvata não era para ser uma capital, devido à sua localização montanhosa e à falta de terras agrícolas viáveis. Angkor, a eventual capital do Império Khmer, provou ser uma escolha muito melhor, principalmente devido às suas planícies de inundação favoráveis ​​ao arroz. Dito isto, o reservatório inacabado em Mahendraparvata pode ser visto como um precursor dos extensos reservatórios vistos em Angkor centenas de anos depois.

Mapa anotado de Mahendraparvata. Imagem: J. Chevance et al., 2019/Antiquity

“Isso colocaria o local entre as primeiras paisagens projetadas da época, oferecendo pistas importantes sobre a transição do período pré-angkoriano, incluindo inovações em planejamento urbano, engenharia hidráulica e organização sociopolítica que moldariam o curso da história da região nos próximos 500 anos”, escreveram os autores.

Perto de Mahendraparvata, os pesquisadores também encontraram 366 montes individuais dispostos em padrões geométricos e construídos em grupos de 15. O objetivo desses montes não é claro, mas a falta de evidências arqueológicas associadas sugere que não eram estruturas funerárias, antigos habitats ou fundações arquitetônicas. Será necessário mais pesquisa para discernir o propósito desses montes estranhos, bem como formações semelhantes encontradas em outras partes do Camboja.