A matemática brasileira está em festa: Artur Ávila, doutor pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada, acaba de ser anunciado com um dos vencedores da Medalha Fields, prêmio que é chamado de Nobel da matemática.

Artur_Ávila



Em comunicado feito em seu site, a União Internacional de Matemática, responsável pelo congresso e pela premiação, justifica a escolha do brasileiro por “suas profundas contribuições à teoria dos sistemas dinâmicos, que mudaram a face do campo, usando a poderosa ideia da renormalização como um princípio unificador.” Além disso, a entidade diz que “a abordagem colaborativa de Ávila é uma inspiração para a nova geração de matemáticos”.

A revista Piauí, que já havia publicado um perfil sobre Ávila em 2010 (acesso disponível apenas para assinantes), dá a dimensão do feito:

Avila é o primeiro ganhador da medalha formado numa instituição do hemisfério Sul. A Fields é o maior prêmio já conquistado por um cientista brasileiro de qualquer área do conhecimento. (Avila também tem nacionalidade francesa e vínculo com o CNRS, Centro Nacional de Pesquisa Científica daquele país, e divide seu tempo entre o Rio e Paris.)

O jornal O Globo também nota o talento de Artur Ávila, que recebeu seus primeiros prêmios ainda cedo e concluiu seu doutorado com apenas 21 anos de idade:

Ex-aluno de duas escolas tradicionais do Rio, os colégios Santo Agostinho e São Bento, o calculista coleciona medalhas desde os 13 anos, quando ganhou um bronze na Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM) de 1992. De lá até receber a sonhada Fields, Ávila conquistou alguns ouros em outras edições da olimpíada e concluiu seu doutorado no Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), em 2001, aos 21 anos.

Ávila foi premiado juntamente com o canadense Manjul Bhargava, da Universidade de Princeton (EUA); o austríaco Martin Hairer, da Universidade de Warwick (UK) e e a iraniana Maryam Mirzakhani, da Universidade de Stanford (EUA) — esta, a primeira mulher a vencer o prêmio.

A Medalha Fields foi instituída em 1936, sobre o legado do matemático canadense John Charles Fields. O prêmio é entregue a quatro matemáticos abaixo dos 40 anos no Congresso Internacional de Matemáticos, evento realizado a cada quatro anos, por sua contribuição para este campo da ciência. Ela é um dos prêmios frequentemente chamados de Nobel da matemática — não há uma categoria no Nobel para a disciplina. O outro é o Prêmio Abel, oferecido pelo Rei da Noruega a um matemático e mais voltado a um único trabalho do que a uma trajetória.

Você pode ver a cerimônia de entrega do prêmio às 21 horas (horário de Brasília) no site do Congresso Internacional de Matemáticos. Parabéns, Artur Ávila!

[International Math Union via Piauí e O Globo]

Imagens via WikiCommons