Por mais que as fake news sejam uma novidade no mundo digital atual, os mitos e crenças existem há anos, inundando a internet com informações falsas, mas que muita gente acredita como sendo algo real.

Até mesmo o mundo da tecnologia coleciona uma longa lista de informações pré-concebidas e conclusões errôneas, como, por exemplo, que o 5G causa Covid, celulares carregando à noite podem explodir ou que vírus não infectam Macs.

Por isso, confira abaixo cinco exemplos de crenças do mundo digital que você precisa parar de acreditar agora.

1. Streaming é mais barato que a TV paga

É fato que muita gente está trocando os tradicionais pacotes da TV paga pela assinatura de plataformas de streaming. O preço baixo e a vantagem de não estar atrelado a um contrato de um ano de permanência é um grande atrativo para o consumo de conteúdos sob demanda.

Porém, é um engano pensar que o streaming é mais barato que a TV paga. Isso porque se você quiser assistir “Stranger Things”, terá que assinar a Netflix. Caso goste das séries e filmes de “Star Trek”, é preciso de uma assinatura no Paramount+. Ansioso por “House of the Dragon”? Acesse o HBO Max! “Marvel”? Disney Plus!

O mercado de entretenimento está se tornado tão fragmentado, com conteúdos segregados em diversas plataformas, que, muito em breve, será mais barato contratar um tradicional pacote de TV por assinatura do que assinar todos os serviços de streaming disponíveis.

2. Modo anônimo é totalmente privado

Outro mito! Para quem busca um pouco de privacidade na internet, é natural usar a aba anônima do navegador para apagar cookies, histórico de navegação e outros dados de rastreamento. Entretanto, isso não significa que a navegação é totalmente privada. Os sites e os provedores de internet ainda saberão por onde você anda no ambiente online.

Até mesmo utilizando serviços de VPN, o usuário ainda não conseguirá ter uma navegação totalmente anônima.

Uma solução é utilizar navegadores focados em segurança, como o Brave ou o Tor Browser, porém, eles podem acabar interferindo na experiência do usuário no acesso à internet.

3. Starlink substituirá internet fixa

Muita gente está esperançosa que a rede Starlink –o serviço de internet via satélite do bilionário Elon Musk– tem potencial para substituir a banda larga fixa ou mesmo o 5G. Nos Estados Unidos, por exemplo, a maioria dos entrevistados de uma pesquisa da PCMag estão propensos a acreditar nisso.

Entretanto, mesmo que os prometidos 12 mil satélites da Starlink fossem lançados ao espaço, a constelação conseguirá atender apenas 485 mil usuários em todo mundo. Atualmente, um pouco mais de 1.000 satélites estão em órbita, sendo que a empresa já recebeu pedidos de 500 mil usuários para utilizar a Starlink.

Por isso, se você não quiser utilizar uma rede congestionada, ainda é cedo para apostar todas as fichas na Starlink.

4. Hackers não se interessam por usuários individuais

O argumento “eu não tenho nada a esconder” é muito usado por aqueles que acreditam que não seriam alvos de eventuais ataques hackers. Entretanto, com a ascensão do Big Data, informações pessoais privadas se tornaram em uma verdadeira mina de ouro para as empresas, principalmente aquelas que buscam vender produtos e serviços de maneira mais customizada.

Utilizando-se de ferramentas automatizadas, hackers podem arruinar a vida de uma pessoa, caso consiga acessar redes sociais ou descobrir senhas de bancos. Além disso, a informação pode ser utilizada para praticar crimes ou ser vendida para terceiros.

5. Baterias tem memória

Antigamente, quando ainda eram utilizadas baterias de níquel-cádmio, muitos usuários de celulares temiam que a bateria ficasse viciada. Para evitar isso, surgiu a crença de que era necessário descarregar a bateria até zero, para que ela não adquirisse uma espécie de “memória”.

Hoje em dia, as baterias utilizam uma nova tecnologia, a de íons de lítio, mas, ainda assim, muita gente ainda acredita que elas podem ficar viciadas. Na verdade, se você esperar chegar a zero por cento para fazer o carregamento, o desgaste na bateria será muito mais rápido.

Por isso, a melhor estratégia é nunca deixar o telefone ficar abaixo de 20% e carregá-lo até cerca de 80%. Além disso, opte pela carga lenta ou carregamento sem fio. Assim, é possível garantir uma vida útil maior para a sua bateria.