Um pesquisador da Northeastern University, nos EUA, encontrou uma relação curiosa entre velas e Covid-19. Enquanto navegava nas redes sociais, Nicholas Beauchamp percebeu um aumento de reclamações sobre o cheiro dos produtos da Yankee Candle, vendida na Amazon. 

Basicamente, os compradores estavam questionando a empresa de Massachusetts pois não conseguiam sentir o cheiro das velas. O grande leque de aromas é o carro-chefe da Yankee Candle, e por isso a ausência de perfume se torna algo frustrante para os consumidores. 

Mas será que a culpa era da empresa ou da pandemia que se instaurou pelo mundo? Para comprovar a correlação, o cientista analisou 9.837 avaliações da Amazon voltadas as quatro principais velas da companhia. Os comentários compreendiam os anos de 2018 até 2021. 

E lá estava a prova: surtos de Covid-19 previam mais avaliações citando a ausência de cheiro. Se nesta semana fossem registrados 100 mil novos casos da doença, na próxima o número de avaliações negativas aumentaria um quarto de ponto percentual. Os resultados foram apresentados pelo pesquisador em junho na Conferência Internacional sobre Web e Mídias Sociais. 

Na maior parte do estudo, os casos aparecem antes das avaliações negativas, o que exclui a possibilidade de usar os dados da Amazon para rastrear novos surtos. Isso mudou apenas com a chegada da variante ômicron, nos último seis meses. Neste cenário, os comentários parecem dar um leve aviso do que está acontecendo no campo da saúde.

Beauchamp não foi o único a observar a relação entre velas e Covid. A pesquisadora Katie Petrova, da Universidade de Harvard, nos EUA, mostrou que as avaliações dos produtos caíram quase uma estrela completa em 2020, no ápice da pandemia. Além disso, a cientista também havia observado um aumento acentuado nas avaliações que mencionavam a ausência de cheiro das velas.