A empresa espacial privada Blue Origin anunciou que planeja vender passagens de voos espaciais suborbitais para aspirantes a turistas espaciais a partir do próximo ano. Nenhum preço foi revelado, mas a companhia disse que espera conduzir os primeiros testes com passageiros do sistema de lançamento New Shepard “em breve”.

• Vídeo feito a partir de dados de sonda da NASA mostra como seria sobrevoar a superfície de Marte
• Os planos de Jeff Bezos de transformar a Blue Origin em uma espécie de Amazon da Lua

Como informa Jeff Foust no SpaceNews, o vice-presidente sênior da Blue Origin, Rob Meyerson, fez o anúncio durante sua apresentação na Amazon Web Services Public Sector Summit, realizada no início desta semana em Washington, D.C.

“Planejamos começar a voar com nossos primeiros passageiros de teste em breve”, ele contou à plateia, acrescentando: “Esperamos começar a vender ingressos em 2019”. Não foram revelados preços para um passeio a bordo do sistema de lançamento reutilizável New Shepard, mas provavelmente não será barato. As estimativas vão de US$ 50 mil a US$ 250 mil por passageiro.

Aqueles que puderem bancar têm algo bem legal os esperando. A cápsula New Shepard acomoda seis astronautas e tem um interior razoavelmente espaçoso, com 49,2 m² — um espaço dez vezes maior do que a cápsula Mercury, da NASA. O foguete reutilizável New Shepard é impulsionado por um único motor BE-3, que fornece 49,8 mil quilos de empuxo. Uma vez que a cápsula atravessa a Linha de Kármán — a fronteira que separa a atmosfera da Terra do espaço (cerca de 96,5 quilômetros acima da Terra) —, os passageiros poderão desafivelar seus cintos e experimentar a ausência de peso. A missão termina com uma descida assistida por paraquedas e um pouso suave no deserto do Texas.

Em abril, Bob Smith, diretor-executivo da Blue Origin, disse que a empresa estava no processo de garantir que a nave seja “boa, estável e pronta para voar”, para na sequência a equipe “ter a conversa internamente sobre quais seriam os preços e como todo esse processo seria”.

Imagen: Blue Origin

Agora, é completamente possível que a empresa fundada por Jeff Bezos vá começar a vender passagens para voos suborbitais no ano que vem, mas isso não é garantia de que os voos vão acontecer em breve.

A Virgin Galactic, por exemplo, começou a coletar depósitos para passagens mais de uma década atrás, muito antes de que a SpaceShipTwo estivesse sequer perto de estar pronta para partir rumo ao espaço; a empresa liderada por Richard Branson conseguiu reunir cerca de US$ 66.428.500 em depósitos, vendendo as passagens por US$ 200 mil. É importante apontar também que empresas que visam aspirantes a companhias de turismo espacial são conhecidas por exagerar nas promessas de datas. Como a SpaceX, que adiou seu plano de enviar um par de turistas espaciais, que também já havia feito o depósito, até a Lua e de volta à Terra neste ano.

Criticamente, a Blue Origin ainda não realizou um teste do sistema New Shepard com ocupantes humanos. Até o momento, a empresa conduziu oito testes, o mais recente acontecendo em 29 de abril. Este último teste teve decolagem bem-sucedida, separação da cápsula da tripulação e pouso suave com paraquedas. Mas o módulo de propulsão do veículo foi perdido devido a um problema hidráulico.

Nenhuma data foi dada para o próximo voo de teste, mas espera-se que a Blue Origin conduza um no final deste verão no hemisfério norte. A empresa também gostaria de começar a testar o sistema de lançamento com passageiros humanos ainda neste ano.

[SpaceNews]