Apesar de ainda não serem tão difundidos, carregadores sem fio não são nenhuma novidade — a Samsung oferece a tecnologia há um bom tempo e a Apple prometeu lançar sua própria versão ainda este ano.

Mas agora, em vez de carregar a bateria de dispositivos com uma base de indução elétrica, cientistas descobriram uma maneira de carregá-los de um jeito muito mais futurista: com raios lasers. Um artigo com detalhes sobre o processo foi publicado na Proceedings of the Association for Computing Machinery on Interactive.

• AirPower, o carregador sem fio da Apple, chega ano que vem e provavelmente custará caro
• É mesmo a hora da Apple adicionar carregamento sem fio ao iPhone?

Desenvolvido por pesquisadores do Centro de Ciência da Computação e Engenharia Paul G. Allen da Universidade de Washington em Seattle, o método permite que um celular seja carregado por um raio laser cujo emissor se encontra do outro lado da sala – e ele pode carregar o aparelho de maneira tão rápida quanto um cabo USB conectado a uma tomada.

A inovadora técnica de carregamento foi testada com uma pequena bateria montada na traseira de um smartphone que recebia o laser e carregava o celular.

Shyam Gollakota, coautor do projeto e professor associado do Centro, explica que o principal foco do sistema é a segurança. “Nós projetamos, construímos e testamos um sistema de carregamento à base de lasers com um mecanismo de segurança de resposta rápida, que garante que o emissor cesse o disparo do laser antes de uma pessoa atravessar o seu caminho”.

Segurança

Segundo Gollakota, o sistema de segurança consiste em outros raios lasers inofensivos que servem como sensores, detectando movimentos e conseguindo agir de maneira mais rápida que humanos porque eles são refletidos de volta para o emissor na velocidade do som.

“Como resultado, quando um raio de segurança é interrompido pelo movimento de alguém, o emissor o detecta com a fração de um segundo e desliga o raio laser de carregamento antes da pessoa entrar em contato com ele”, explica o cientista.

Inclusive, os cientistas acreditam que a próxima geração de dispositivos ópticos em nanoescala devem operar em frequências ainda maiores, o que poderia reduzir a resposta do bloqueador de segurança para nanosegundos.

Além de garantir a segurança das pessoas em uma sala com a emissão do laser, os cientistas também instalaram no celular testado um dissipador de calor de metal para evitar que o laser causasse um possível superaquecimento na bateria e no aparelho.

“Essas funções dão ao nosso sistema de carregamento sem fio robustos padrões de segurança necessários para aplicá-lo em uma variedade de configurações comerciais e caseiras”, disse Arka Majumdar, também coautor do projeto e professor assistente de física e engenharia elétrica na Universidade de Washington.

Apesar de promissora, a tecnologia ainda engatinha: o artigo do projeto afirma que ele é capaz apenas de fornecer 2 watts por hora em uma área de 9cm² e 4,3m de distância. É possível, no entanto, modificar o emissor laser para expandir a área dos raios para 100cm² e 12m de distância.

Entretanto, visto como as empresas têm demorado para implementar tecnologias de carregamento sem fio por indução (estou falando de você, Apple), eu não acho que este método por raio laser esteja tão próximo de chegar a nós, mas, ainda assim, é muito legal poder imaginar que um dia não precisaremos mais nos preocupar com cabo algum.

[The Next Web via Phys.org]

Imagem de topo: Mark Stone/University of Washington