Os cartões com anuidade zero aparentemente vieram para ficar. De fintecs a grandes empresas, todas querem atingir o público ~millennial~/jovem. Nesse ramo, temos o Nubank, o Neon e o Next, do Bradesco, para citar algumas opções. A Credicard, que lançou o Credicard Zero no ano passado, anunciou novidades nesta quinta-feira (10) que devem acirrar ainda mais a concorrência.

Basicamente, o cartão da financeira passou a ser internacional — antes só era nacional —, além de ter ganhado um programa de parceiros com benefícios (como cupons de desconto) e um novo formato vertical.

O novo cartão de crédito da Mastercard usa a sua impressão digital para dispensar a senha
Como são criados os números de cartão de crédito

Começando pelo fato de ser internacional, o Credicard informou que este era um pedido dos seus clientes. Quem já tem o Credicard Zero, que é apenas nacional, poderá solicitar a versão internacional via aplicativo — a partir da tarde desta quinta, uma atualização para iOS e Android já deve conter a opção em uma aba. A emissão do cartão, de acordo com a companhia, é relativamente rápida, porém a entrega depende dos Correios.

Sobre a loja de benefícios, o aplicativo que centraliza as operações do cartão contará com uma área em que será possível gerar cupons de desconto em diferentes lojas virtuais. Por ora, fazem parte do rol de parceiros: Natura, Casas Bahia, Extra, Ponto Frio, Netshoes, Zattini, entre outros. O cliente do cartão também consegue um desconto de R$ 20 na 11ª corrida feita no Uber e ainda recebe desconto ao comprar ingressos para apresentações no Credicard Hall.

Se você sentiu falta de algum tipo de programa de pontuação, o Credicard Zero não tem mesmo. Segundo Fabiano Dourado, diretor do Itaú Unibanco, pesquisas com clientes indicaram que “eles preferem descontos imediatos em vez de uma mecânica de longo prazo”. No entanto, como lembra o comentarista Felipe, é possível se cadastrar no programa Mastercard Surpreenda, que oferece algumas recompensas.

Já sobre a mudança do design para vertical, a Credicard diz que não é só pela forma como ele é colocado no ponto de venda. A nova disposição tem relação com segurança. Isso porque os dados do cartão ficam atrás, o que torna um pouco mais difícil o processo de clonagem. Na frente, só fica aparente o chip, o nome da pessoa e o logo do cartão.

Taxas e outras características

Como nas outras opções do mercado, quem quiser ter um Credicard Zero precisa fazer um cadastro via aplicativo ou pelo site e passar pela análise de crédito da administradora de cartão. O limite obtido pelo dono do cartão pode variar entre R$ 1.000 e R$ 35 mil.

Sobre as taxas, os juros no rotativo são de 9,9%. A taxa para saque no Brasil é de R$ 10, enquanto no exterior é de R$ 20 (podendo ter variação conforme a administrador do caixa eletrônico).

Todo processo de administração é feito via app, em que é possível ver uma “timeline” dos seus gastos (o bom e velho extrato, se você não curte anglicismos) e ainda gerar um cartão virtual — para quem tem medo de colocar os dados do cartão em compras pela internet. Além disso, o Credicard Zero é compatível com o Apple Pay.

Imagem do topo por Guilherme Tagiaroli