Um cemitério de índios americanos com 4.500 anos de existência, um dos mais ricos e mais bem preservados na Califórnia, foi pavimentado para dar lugar a um conjunto habitacional multimilionário. Toda a situação, no entanto, é mais complicada do que uma disputa arqueólogos x construtoras.

Seguindo a Lei de Qualidade Ambiental da Califórnia, a construtora primeiro consultou arqueólogos para inspecionar o cemitério, mas todos eles tiveram que assinar acordos de confidencialidade. Foi tudo mantido em segredo até ser revelado em conversas numa recente conferência de arqueologia.

Por milhares de anos, este conjunto habitacional em Larkspur foi um local de sepultamento, contendo cerca de 600 conjuntos de ossos humanos, bem como instrumentos, ferramentas, armas, ossos de urso e um cemitério cerimonial de condores-da-califórnia extremamente raro. “Em meus 40 anos de profissão, eu nunca ouvi falar de um sítio arqueológico tal como este,” disse E. Breck Parkman, arqueólogo sênior dos parques estaduais da Califórnia, ao San Francisco Chronicle, que revelou inicialmente a história.

No entanto, tudo o que havia no cemitério foi enterrado de novo em outro local, que aparentemente foi asfaltado. Por quê? Para respeitar a vontade dos índios de Graton Rancheria, os descendentes mais prováveis ​​dos povos indígenas da região.

É que a tribo não estava interessada em transformar o cemitério em um sítio arqueológico. “Como é que os judeus e cristãos se sentiriam, se quiséssemos desenterrar restos de esqueletos em um cemitério comum e estudá-los? Ninguém tem esse direito”, disse um representante da tribo ao Chronicle.

Os arqueólogos estão furiosos, afinal a realocação “destruiu o registro geológico e acabou com qualquer chance de estudos futuros”. E um dos arqueólogos teve isso a dizer ao Chronicle:

“A construtora estava relutante em chamar a atenção para isso, porque, bem – sejamos sinceros – por causa de ‘Poltergeist’ “, disse [o arqueólogo Dwight] Simons, referindo-se ao filme de 1982 sobre uma família atormentada por fantasmas e demônios, porque sua casa foi construída em cima de um cemitério.

Então, é, talvez haja esse probleminha.

Em última análise, o desenvolvimento em Larkspur fica na intersecção desconfortável de interesses conflitantes entre construtoras, arqueólogos e índios americanos. É tarde demais para desfazer as decisões em Larkspur: o terreno de 22 hectares está a caminho de se tornar um conjunto de casas multimilionárias. Mas poderia haver uma solução para satisfazer todas as partes? [San Francisco Chronicle]

Foto: construção de casas (não é em Larkspur) via Helen’s Photos/Shutterstock