Segundo a Microsoft, o local será usado por ONGs, empresas e estudantes que estão participando de projetos da empresa. O centro tem 1.300 m² — o maior da América Latina — e servirá como espaço para “simular situações e cenários e, com a ajuda da tecnologia, chegar a soluções”, diz a Folha. Ainda segundo o jornal:

O espaço, apinhado de telões, computadores, tablets e smartphones, tem salas de reunião, laboratórios de desenvolvimento e salas de treinamento. Um datacenter com 700 Tbytes de capacidade e 260 processadores dá acesso a tecnologias atuais (e futuras, em versão beta) da Microsoft. Toda a estrutura custou US$ 10 milhões.



Além do centro, a Microsoft anunciou uma parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação para incentivar start-ups nacionais. Seis cidades terão “incubadoras” de pequenas empresas de tecnologia que querem crescer, mas ainda não sabem como. Quatro cidades já foram escolhidas — São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Salvador. Torcemos bastante para noticiarmos mais ideias animais criadas por aqui mesmo. [Folha e G1; foto: Paulo Pinto/Folhapress]