O estado de vigilância agora está entrando nos esgotos. A polícia chinesa estaria testando água residual em busca da presença de substâncias ilegais, usando os dados para encontrar fabricantes de drogas ilegais no país. À medida que as drogas passam pelos corpos das pessoas, elas podem estar deixando um rastro para a polícia seguir.

• Drogas psicodélicas podem ajudar na recuperação do cérebro, diz estudo
• Milhões em criptomoedas são apreendidos em operação que desmantelou quadrilha europeia de LSD

Li Xiqing, um químico ambiental da Universidade de Pequim que está ajudando as autoridades na empreitada, disse à Nature que a polícia começou a usar epidemiologia à base de água (WBE) em Zhongshan para rastrear o uso de drogas pela cidade e prender fabricantes de substâncias ilícitas. “Dúzias” de cidades chinesas também estão usando a técnica para rastrear o uso de drogas, segundo a Nature.

A tecnologia WBE mede a quantidade de droga presente na água residual e é, geralmente, um indicador confiável de uso de tóxicos nos bairros.

Li e os cientistas da Universidade de Pequim compararam os dados de WBE para metanfetamina e cetamina ao longo de um período de dois anos depois de uma nova repressão federal às populares drogas em 2013. Conforme Li disse à Nature, o uso de metanfetamina caiu em 42%, e o de cetamina, em 67%.

Li credita a queda ao maior número de intervenções policiais, mas também aponta que a vigilância policial não era o propósito original da tecnologia de WBE. Os cientistas, em vez disso, a usavam para ajudar governos a medirem a eficácia geral de programas de redução de drogas.

Evidentemente, dados de prisões da polícia não ilustrariam toda a situação, já que existem enormes discrepâncias entre o uso de drogas e a taxa de prisões com base em quais bairros são policiados e para buscar que tipos de drogas.

Usando a WBE, uma comunidade poderia ver se, digamos, o aumento de programas de divulgação ou a duplicação de patrulhas policiais diminuíram o uso geral de drogas em um nível mais granular.

Embora a Nature tenha destacado a China, a tecnologia de WBE está sendo testada também nos Estados Unidos. Dois estudantes de pós-graduação do MIT, por exemplo, esperam levar a WBE para cidades que estão enfrentando dificuldades com o vício em opioides.

Li disse à Nature que o governo chinês está investindo 10 milhões de yuan (US$ 1,5 milhão) em projetos de WBE. Ele espera que a tecnologia se torne um novo padrão na supressão de traficantes de drogas.

“A experiência e as lições da aplicação de WBE e sua adoção pela polícia chinesa de narcóticos em seu trabalho diário serão muito relevantes para outros países”, afirmou.

[Nature]

Imagem do topo: Shutterstock