Mais duas cidades na China estão sendo isoladas em uma tentativa das autoridades chinesas de controlar a propagação de um novo vírus mortal chamado 2019-nCoV e evitar uma epidemia global. O coronavírus (do tipo SARS, sigla para síndrome respiratória aguda grave) matou pelo menos 17 pessoas e adoeceu mais de 570, espalhando-se por pelo menos quatro países fora da China até agora.

Huanggang, uma cidade de 7,5 milhões de pessoas no centro da China, suspenderá o transporte público e fechará todos os cafés e cinemas a partir da meia-noite de hoje à noite, horário local (11:00 da manhã ET), segundo a BBC. Ezhou, uma cidade vizinha de 1 milhão de habitantes, também está encerrando as viagens de trem, com base em um novo relato do New York Times.

Wuhan, a suspeita fonte do vírus e uma cidade de 11 milhões de pessoas, foi a primeira cidade a ser isolada às 10h, horário local, mais cedo hoje, após um anúncio surpresa às 2h que permitiu que algumas pessoas saíssem de avião. A Reuters relata que várias companhias aéreas estavam operando além do prazo das 10h.

As viagens de trem e de avião a partir de Wuhan agora são proibidas, embora ainda não esteja claro exatamente quantas pessoas estão autorizadas a entrar e sair da cidade de carro. Vídeos apareceram online durante a noite mostrando a polícia interrompendo as viagens nas estradas que saem de Wuhan, e há vários relatos de que as viagens de carro estão sendo rigidamente controladas.

O bloqueio de três cidades com milhões de pessoas é “sem precedentes na história da saúde pública”, disse um porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS) à Reuters e não foi feito sob a direção da agência.

As cidades chinesas de Pequim, Wuhan, Zhejiang e Macau cancelaram todas as comemorações do Ano Novo Lunar neste fim de semana, o maior feriado da China. Prevê-se que milhões de pessoas viajem para o início das festividades do Ano Novo, realizando cerca de 3 bilhões de viagens, no que é frequentemente chamado de maior migração humana do mundo.

Especialistas observam que qualquer bloqueio semelhante ao que estamos vendo na China provavelmente seria inconstitucional nos Estados Unidos. O presidente Donald Trump disse a uma equipe de notícias de TV em Davos, na Suíça, ontem que tudo estava “totalmente sob controle“, em relação aos preparativos dos EUA para uma possível pandemia. Até agora, apenas uma pessoa testou positivo para o vírus nos EUA, embora haja relatos conflitantes sobre se o homem, atualmente em Seattle, está em boas condições.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) está ajudando cinco cidades dos EUA a realizar exames de saúde para passageiros que chegaram de viagens da China: Hartsfield-Jackson International de Atlanta, Aeroporto Internacional O’Hare de Chicago, Aeroporto Internacional de San Francisco, Aeroporto Internacional de Los Angeles e Aeroporto Internacional John F. Kennedy em Nova York.

Os compradores de Wuhan, na China, abastecendo-se de comida em um supermercado local em 23 de janeiro de 2020. Foto: Getty Images

A Comissão Nacional de Saúde da China informou na quinta-feira que está começando a ver casos de pessoas infectadas com o vírus que nunca viajaram para Wuhan, de acordo com a mídia estatal chinesa CGTN, confirmando ainda mais a teoria de que esse vírus pode ser transmitido de pessoa para pessoa. As autoridades de saúde acreditam que o vírus foi contraído pela primeira vez através de um animal – talvez uma cobra, segundo os pesquisadores.

Os relatos de pessoas de dentro de cidades como Wuhan estão cada dia mais tensos. Há vídeos aparecendo nas redes sociais que mostram brigas em supermercados, onde as pessoas estão tentando estocar alimentos e suprimentos.

Os profissionais de saúde da região também estão preocupados, principalmente porque pelo menos 14 profissionais de saúde já adoeceram. Os sintomas do vírus incluem febre e tosse, não muito diferentes de outras doenças que afetam o sistema respiratório.

“O vírus agora está se espalhando a um ritmo alarmante. Os hospitais estão lotados com milhares de pacientes, que esperam horas para consultar um médico – você pode imaginar o pânico deles”, disse hoje à BBC um médico anônimo de Wuhan.

“Normalmente, Wuhan é um ótimo lugar para se viver e estamos orgulhosos de nosso trabalho – os especialistas aqui desenvolveram um guia para diagnóstico e tratamento do coronavírus. Mas estou com medo porque esse é um vírus novo e os números são preocupantes”.

Um painel de especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) convocou ontem uma reunião de emergência para determinar se o surto deve ser considerado uma “emergência de saúde pública de interesse internacional”, abreviada como PHEIC. O painel não chegou a uma decisão e explicou que se reunirá novamente na quinta-feira para chegar a um consenso.

“Declarar ou não o novo #coronavírus como uma emergência de saúde pública de preocupação internacional é uma decisão que levo muito a sério”, tuitou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, na quarta-feira. “E uma decisão que eu só estarei preparado para tomar com a devida consideração de todas as evidências”.