A internet é um dos grandes dilemas com que pesquisadores, governos e empresas tentam lidar atualmente. Para cada vantagem que ela oferece, existem outras dezenas de riscos associados. Dos escândalos do Facebook e Cambridge Analytica aos vazamentos de Edward Snowden e polêmicas envolvendo o YouTube, já está mais do que claro que o atual modelo de internet está longe de ser o ideal. Diante disso, a China afirma ter a solução para tais problemas e o seu plano é tão ambicioso quanto controverso, conforme revela uma reportagem do Financial Times.

Durante uma conferência em Geneva em setembro do ano passado, alguns engenheiros chineses, sendo a maioria da gigante de telecomunicações Huawei, apresentaram uma proposta para o chamado Novo IP. O encontro ocorreu na International Telecommunications Union (ITU), uma agência da ONU responsável por estabelecer padrões globais para tecnologias.

Basicamente, o argumento defendido foi que o modelo atual da internet está ultrapassado e deve ser substituído por uma nova rede global controlada pelos governos. E a China seria a responsável pela construção dessa nova solução.

De acordo com o jornal britânico, a apresentação da proposta mostra, por exemplo, imagens de como seria o mundo em 2030: dominado por realidade virtual, comunicação holográfica e cirurgia remota. A nossa rede atual, segundo os engenheiros chineses, é incapaz de oferecer suporte a tal tecnologia.

Considerando que a proposta foi apresentada em uma reunião restrita e que os documentos vazados ao Financial Times não contêm muitos detalhes, não há como saber como a China pretende executar tal plano. No entanto, uma certeza é o teor radical do projeto, que poderia implantar na internet um sistema de aplicação da lei centralizado.

De acordo com os documentos vazados, a nova internet deveria ter um design “do topo para a base”, promovendo o compartilhamento de dados entre governos e alimentando tecnologias como inteligência artificial e Big Data. As consequências disso para os usuários é que eles não terão mais a liberdade de navegar livremente pela internet e o governo teria um poder muito maior de monitorar de perto as pessoas, bloqueando certas atividades de acordo com suas próprias regras.

Fontes ouvidas pelo Financial Times, e que teriam estado presentes em reuniões do ITU, informaram que países como Arábia Saudita, Irã e Rússia já manifestaram apoio ao novo modelo de internet proposto pela China. Além disso, o projeto já estaria desenhado e prestes a ser colocado em prática, sendo que qualquer país que se interessasse poderia adotá-lo. Os criadores do Novo IP ainda afirmam que partes da nova tecnologia estariam prontas para serem testadas já no ano que vem.

Para que o Novo IP seja oficialmente “padronizado”, no entanto, o projeto precisa ser aprovado pelo ITU dentro de um ano – a decisão será tomada caso a maioria dos representantes dos países concordem com a proposta. Caso não haja um consenso, a votação ocorrerá apenas entre membros dos países, sem consultar a indústria ou a sociedade civil.

Preocupações com o projeto

Shoshana Zuboff, autora do livro The Age of Surveillance Capitalism e cientista social da Universidade de Harvard, afirmou ao Financial Times que o projeto é assustador pois evidencia o desejo da China de criar uma infraestrutura tecnológica capaz de conferir ao país um controle absoluto.

Um membro do ITU da delegação do Reino Unido também demonstrou preocupações com o projeto Novo IP. “Você está colocando o controle nas mãos das operadoras [de telecomunicações] estatais. Então, [significa que] agora você não pode apenas controlar o acesso a certos tipos de conteúdo online ou rastrear esse conteúdo online, mas também pode controlar o acesso de um dispositivo a uma rede”.

O argumento da Huawei, obviamente, apresenta uma imagem muito mais neutra e otimista do projeto. O Novo IP estaria sendo desenvolvido apenas para atender aos requisitos técnicos de um mundo que está passando por uma rápida evolução digital, sendo que nenhum modelo específico de governança foi incluído no projeto ainda. A empresa está trabalhando com um grupo do ITU focado em tecnologias de rede futuras que serão necessárias até o ano de 2030. Segundo uma declaração de um porta-voz da empresa ao Financial Times, o Novo IP está sendo desenhado para atender a essas demandas.

Apesar da característica descentralizada da internet, não podemos dizer que ela é realmente neutra e democrática atualmente. O poder da rede está nas mãos principalmente de grandes corporações norte-americanas, como Google, Facebook e Amazon. E por mais que você ache que tem controle total sobre o que faz, diz e pensa, essas empresas conseguem exercer seu poder de forma assustadora e sutil, manipulando o diálogo público, enfraquecendo a democracia e reforçando a vigilância online, conforme aponta o Financial Times.

Zuboff também levantou essa questão em entrevista ao jornal. “No momento, temos duas versões da internet – uma versão capitalista liderada pelo mercado, baseada em vigilância, que é exploradora; e uma versão autoritária também baseada em vigilância. A questão é: a Europa e a América do Norte se unirão para construir as estruturas legais e tecnológicas para uma alternativa democrática?”

É com base nesses mesmos argumentos que outros especialistas acreditam que a proposta da China não sinaliza exatamente uma ameaça, mas uma mudança necessária. Niels ten Oever, um ex-representante holandês do ITU, por exemplo, observa que a internet já está sendo cada vez mais usada para reprimir as pessoas econômica e fisicamente. Em entrevista ao Financial Times, ele fala sobre criticar uma possível soberania da China enquanto os EUA já domina grande parte da rede:

A internet é dominada por empresas americanas, todos os dados fluem para lá. Então, é claro, eles querem manter esse poder. Temos medo da repressão chinesa. Estamos fazendo caricaturas dos chineses de uma maneira imperialista e racista. Mas a governança da internet hoje não está funcionando. Há espaço para uma alternativa.

No mundo ideal, a alternativa seria um modelo centrado nos usuários, capaz de fortalecer a democracia e a transparência online, reduzindo o poder tanto das empresas como dos governos. Porém, não há nenhuma proposta do tipo à vista, o que pode tornar os países mais propensos a adotarem o modelo da China no caso de um colapso do sistema atual.

Bilel Jamoussi, diretor dos grupos de estudo do ITU,  afirmou ao Financial Times que não cabe à agência julgar se as propostas para um novo modelo de internet são hierárquicos ou se poderiam ser utilizados de forma indevida por governos autoritários. “Claro que qualquer coisa que você constrói é uma faca de dois gumes. Você pode usar qualquer coisa para o bem ou para o mal, e é a decisão soberana de todos os estados membros. No ITU, não entramos nesse potencial uso indevido da tecnologia, apenas nos concentramos em ‘aqui está um problema de tecnologia de comunicação, aqui está uma aspiração, vamos, como comunidade, construir uma solução para alcançar isso’. Mas como as pessoas as utilizam depende totalmente delas”.

[Financial Times]