Quando as mudanças climáticas chegarem ao nosso café e ao nosso vinho, vamos reclamar sobre isso no Twitter, ler a respeito em nossos sites favoritos e assistir a vídeos divertidos no YouTube para preencher o vazio em nossos corações. Faremos tudo isso até que os sites apaguem e as redes caiam, porque, eventualmente, a mudança climática também chegará à nossa internet.

A não ser que possamos preparar a web para as próximas intempéries.

Grandes mudanças serão necessárias porque, no momento, a internet é insustentável. Por um lado, o aumento do nível do mar ameaça inundar os cabos e estações que transmitem a rede para nossas casas; o aumento da temperatura pode tornar mais caro o funcionamento dos data centers que lidam com o crescente tráfego da web; incêndios florestais poderiam queimar tudo. Por outro lado, todos esses data centers, computadores, smartphones e outros dispositivos conectados à internet consomem uma quantidade prodigiosa de energia para serem construídos e funcionarem, contribuindo assim para o aquecimento global e acelerando nosso fim coletivo.

Para salvar a internet e nós mesmos, precisaremos fortalecer e realocar a infraestrutura que construímos, encontrar maneiras mais limpas de alimentar a web e reimaginar como interagimos com o mundo digital. Por fim, precisamos reconhecer que nosso tremendo consumo de conteúdo online não está livre de consequências – se não estamos pagando, o planeta está.

Para salvar a internet e a nós mesmos, precisaremos fortalecer e realocar a infraestrutura que construímos, encontrar maneiras mais limpas de alimentar a internet e reimaginar como interagimos com o mundo digital.

Infraestrutura afundando

Você provavelmente não pensa nisso quando curte uma foto ou lê um artigo, mas tudo o que você faz online é sustentado por um labirinto de infraestrutura física que atravessa o mundo. Existem data centers que hospedam a internet e gerenciam enormes fluxos de informações diariamente. Existem cabos de fibra transmitindo dados para nossas casas e escritórios, e até mesmo através dos oceanos. Existem torres de celular enviando e recebendo inúmeras ligações e mensagens diariamente.

De maneira geral, essa infraestrutura não foi construída pensando na mudança climática. Agora, pesquisadores e empresas estão começando a explorar o quanto ela está ameaçada e o que descobriram até agora é alarmante.

Por exemplo no estudo publicado no ano passado por pesquisadores da Universidade de Oregon e da Universidade de Wisconsin-Madison. Os autores decidiram examinar a vulnerabilidade da internet ao aumento do nível do mar, cobrindo projeções de inundações costeiras da Administração Nacional da Atmosfera Oceânica com dados de infraestrutura da internet compilados pelo Internet Atlas. Eles descobriram que, nos próximos 15 anos, em um cenário que projeta um aumento de quase trinta centímetros no nível do mar, é provável que 6.545 km de cabos de conduíte de fibra fiquem permanentemente debaixo d’água. Em Nova York, Los Angeles e Seattle, o aumento do mar poderia afogar cerca de 20% de todos os conduítes de fibra metropolitana. Estas são as linhas que transportam fisicamente o tráfego da internet de um lugar para outro. Além dos 1.101 centros de processamento de dados – prédios ou locais onde os cabos se erguem do chão, que costumam abrigar servidores, roteadores e comutadores de rede para mover nossos dados – também devem ser inundados.

E isso apenas nos Estados Unidos. Tanto quanto o autor principal do estudo Paul Barford sabe, essa vulnerabilidade não foi estudada sistematicamente em outros lugares. Mas ele espera encontrar uma situação semelhante em todo o mundo.

“Existe uma enorme quantidade de população humana que vive próxima das costas e a infraestrutura de comunicações foi implantada para atender às suas necessidades”, disse Barford ao Gizmodo.

Barford estava relutante em especular o tamanho de uma interrupção na internet que a inundação dos cabos poderia causar. Os conduítes são normalmente encapados em um tubo de polietileno resistente à água, e diferentemente dos fios elétricos as fitas de fibra dentro podem lidar com alguma intrusão de água. Mas, como o estudo afirma, “a maioria dos conduítes não é projetado para ficar permanentemente embaixo d’água”. Se as moléculas de água entrarem nas microfissuras das fibras, isso poderá causar a degradação do sinal. As conexões elétricas aos cabos de fibra podem entrar em curto e, se um cabo submerso congelar, as fibras poderão quebrar fisicamente.

Ninguém sabe quanto tempo levaria para o dano se desdobrar. Mas Barford suspeita que grande parte da infraestrutura em risco acabará por ser reforçada ou reimplantada em terreno mais elevado. “Vai ser uma quantidade imensa de trabalho”, disse ele.

O Gizmodo procurou as empresas de telecomunicações sinalizadas pelo estudo como tendo a infraestrutura mais vulnerável para saber se esse problema estava no radar delas. Várias não responderam, uma disse que não está fazendo nada a respeito da ameaça e outra indicou que suas redes estariam bem por causa da “redundância adequada e diversidade de rotas”.

Dave Schaeffer, CEO da empresa de telecomunicações Cogent, expressou confiança na firmeza dos cabos. Mas Schaeffer disse que há motivos para se preocupar com esses lugares onde os cabos saem do chão.

“Esses lugares seriam impactados diretamente se esses edifícios submergissem”, disse ele, acrescentando que, embora a maioria dos centros de processamento de dados em sua rede fique a pelo menos 6 metros acima do nível do mar, as tempestades mais poderosas podem representar uma ameaça crescente. A empresa teve uma ideia do que pode acontecer durante a tempestade Sandy, quando um centro de rede localizado em Nova York foi inundado por uma tempestade e a empresa foi forçada a mudar seu gerador e um tanque de combustível para um andar mais elevado, um processo que levou vários meses.

Pelo menos uma empresa de telecomunicações nos EUA agora está planejando explicitamente futuras interrupções climáticas. No início deste ano, a AT&T estabeleceu uma parceria com o Argonne National Labs para construir uma “Ferramenta de Análise de Mudança Climática”, que a diretora de sustentabilidade, Charlene Lake ,disse ao Gizmodo permitirá à empresa “visualizar os riscos da elevação do nível do mar – com a precisão de um bairro, daqui a 30 anos – podemos fazer as adaptações necessárias hoje para ajudar a garantir a força da rede”. Lake acrescentou que a AT&T também está liderando o desenvolvimento de uma ferramenta para ventos fortes e tempestades, e no futuro planeja incorporar outros impactos climáticos, como secas e incêndios florestais mais graves.

Barford também apontou a ameaça de incêndios e tempestades como duas áreas de investigação futura para seu grupo. Depois, há o fato de que as mudanças climáticas estão elevando as temperaturas, o que poderia aumentar a necessidade de resfriamento nos data centers, particularmente aqueles construídos em climas quentes.

Ironicamente, em um mundo em que essas instalações de uso intensivo de energia precisam consumir ainda mais energia para permanecer resfriadas durante, digamos, uma onda de calor, as redes locais podem ser potencialmente colocadas sob maior risco de quedas de energia, como o que afetou 50.000 clientes na cidade de Nova York em julho. E embora seja puramente hipotético, se um grande data center apagasse, isso poderia causar interrupções generalizadas nos serviços.

Como Barford colocou, “existem efeitos em cascata que são complicados e merecem atenção”.

Uso vertiginoso de energia

A internet pode estar ameaçada pelas mudanças climáticas, mas certamente não é uma vítima inocente. Nosso vício coletivo no mundo digital tem um enorme impacto climático.

“A mitologia digital é construída com palavras como nuvem, disse Maxime Efoui, engenheiro e pesquisador do grupo de reflexão francês Shift Project, ao Gizmodo. “Algo que não é verdadeiramente real. Mas é assim que a imaginamos”.

A realidade, porém, é que muita energia é necessária para transmitir todos os vídeos e fazer o backup de todas essas fotos na nuvem. Anders Andrae, especialista sênior em avaliação de ciclos de vida da Huawei, disse ao Gizmodo que a internet como um todo – incluindo a energia usada para alimentar data centers, redes e dispositivos individuais, assim como a energia usada durante a fabricação desses dispositivos – é responsável por cerca de 7% do consumo global de eletricidade, com demandas de energia crescendo em torno de 8% ao ano. Um relatório do Shift Project publicado em julho revelou que as tecnologias digitais agora representam 4% das emissões mundiais de gases de efeito estufa – mais do que todo o setor de aviação. E essa pegada pode dobrar para 8% até 2025.

“…as pessoas parecem surpresas pelo fato de os servidores funcionarem com eletricidade e com o fato da eletricidade frequentemente vir de combustíveis fósseis”.

Gary Cook, analista do setor de TI do Greenpeace, disse que essa pegada está sendo impulsionado por demandas vertiginosas de dados, particularmente em países mais ricos.

Existem inúmeros culpados aqui, incluindo a mudança para redes de próxima geração como o 5G, que permitirá maiores fluxos de dados, o aumento da inteligência artificial, a proliferação de uma internet das coisas, todas aquelas transações de bitcoin que consomem muita energia e transmissão de vídeo pela internet , que representaram 60% do tráfego global da web em 2018, de acordo com o Shift Project. Desde armazenar os vídeos nos data centers até transferi-los para nossos computadores e smartphones por meio de cabos e redes móveis, tudo o que envolve assistir vídeos online requer eletricidade, tanto que os nossos serviços de streaming coletivos emitiram tanto carbono quanto toda a Espanha no ano passado.

Se esses números parecem chocantes para você, bem, você não está sozinho. “Toda vez que falo com pessoas que trabalham com tecnologia, as pessoas parecem surpresas pelo fato de os servidores funcionarem com eletricidade e com o fato da eletricidade frequentemente vir de combustíveis fósseis”, disse Chris Adams, diretor do The Green Web Foundation, um grupo que ajuda as empresas a migrar para hospedagem renovável, ao Gizmodo.

Claramente, a dependência da internet em combustíveis fósseis precisa mudar para evitar os piores impactos das mudanças climáticas. Um lugar óbvio para começar a deixar o suprimento de energia mais verde é nesses data centers, um pedaço enorme e de rápido crescimento que atualmente representa cerca de 2% do uso global de eletricidade, de acordo com um artigo recente.

De forma encorajadora, algumas empresas de tecnologia começaram a fazer isso. A Apple agora administra todos os seus data centers com energias renováveis que possui ou compra nos mercados locais. Google e o Microsoft Azure, duas das maiores empresas de nuvem, estão comprando créditos de energia renovável para acompanhar o crescimento dos seus data centers.

Isso significa que, à medida que o uso de eletricidade aumenta, as empresas estão pagando por um quantidade igual de energia renovável para ser construída em outro lugar. Embora essa estratégia de compensação não elimine o uso de energia de combustíveis fósseis para alimentar os data fcenters diretamente, o Google e o Microsoft Azure dizem que têm um objetivo a longo prazo de chegar lá. O Google disse ao Gizmodo que muitos dos data centers da empresa já operam com “um forte grau de correspondência com a energia regional livre de carbono”, enquanto o Microsoft Azure disse que espera suprir 60% de suas necessidades de eletricidade do data center diretamente de fontes renováveis ​​até o final deste ano.

Por aumentar seus resultados, as empresas de tecnologia também estão melhorando constantemente a eficiência do uso de energia dos data centers, e não faltam idéias sobre como levar as coisas adiante. O Google agora está usando inteligência artificial para automatizar o resfriamento dos centros de processamento de dados, enquanto o Alibaba Cloud, um importante serviço de nuvem na China, possui uma “tecnologia de resfriamento por imersão líquida” que, segundo ele, pode reduzir as necessidades de resfriamento do data center em até 90%. Alguns pesquisadores até sugeriram que novos centros de processamento de dados sejam construídos na Groenlândia, onde as necessidades de resfriamento seriam mínimas e a energia hidrelétrica limpa é abundante.

Contudo, Anne Currie, uma engenheira, autora de ficção científica e defensora de data centers ecológicos, alertou que as melhorias de eficiência por si só não “limparão” a internet, porque quanto mais eficientes forem as coisas, mais nós as usamos. “Só precisamos tornar socialmente inaceitável hospedar a internet em combustíveis fósseis”, disse Currie.

E a maioria dos especialistas com quem o Gizmodo conversou concordou que o setor de tecnologia não está se movendo nessa direção com a rapidez necessária. Perturbadoramente, a AWS (Amazon Web Services), o maior provedor de nuvem do mundo, desde o final de 2014 triplicou suas operações de data center na Virgínia, um estado que recebe apenas um pequena fração de sua energia de energia eólica e solar renováveis, de acordo com relatório recente do Greenpeace. A AWS também foi criticada por sua falta de transparência em relação às questões climáticas, inclusive por não reportar números de consumo de energia e emissões de carbono. (A Amazon disse que vai começar a declarar sua pegada de carbono este ano).

Ao comentar a respeito, a Amazon Web Services classificou os dados do relatório do Greenpeace sobre seu consumo de energia e energias renováveis ​​como “imprecisos”, acrescentando que o relatório exagera “o uso de energia atual e projetado da AWS” e “não demonstra adequadamente ”os investimentos em projetos solares da empresa na Virgínia. (O Greenpeace afirma que o crescimento do data center da AWS na Virgínia “excede em muito” esses investimentos). A AWS acrescentou que continua “firmemente comprometida” em atingir sua meta de 100% de energia renovável para sua infraestrutura global, observando que excedeu 50% de energia renovável em 2018.

A AWS não declarou quando pretende atingir sua meta de 100% e não ofereceu uma data prevista, nem uma data em que uma poderia ser anunciada, quando o Gizmodo perguntou. Orion Stanger, engenheiro de software e membro da Amazon Employees for Climate Justice, organização liderada por funcionários que surgiu no final do ano passado para pressionar a Amazon a tomar medidas mais agressivas sobre as mudanças climáticas, disse que o fracasso contínuo da Amazon em estabelecer uma data para esse objetivo é um problema.

“Poderíamos até voltar para 20% [de renováveis] e, em algum momento posterior, atingir 100% e isso ainda se qualificaria de acordo com a meta que estabelecemos”, disse Stanger ao Gizmodo. Ele gostaria que sua empresa estabelecesse metas baseadas na ciência em torno de reduções de emissões ao longo de sua operação, inclusive em data centers.

“Nós realmente queremos que a Amazon seja líder na questão climática”, continuou Stanger. “Tem sido uma empresa atrasada nesse sentido”.

Paul Johnston, ex-funcionário da AWS e defensor do centro de processamento dados verde, acha que, a não ser que as empresas sejam multadas por seu impacto ou incentivadas a mudar até se tornarem renováveis, a transição energética não acompanhará o que a ciência diz ser necessário para evitar os piores impactos das mudanças climáticas.

“Acho que não há maneira de contornar isso”, disse ele quando perguntado se a regulamentação do governo será necessária para obrigar as empresas a fazer as mudanças necessárias.

Para alguns centros de processamento de dados, mais regulamentação pode finalmente estar chegando. Em julho, Amsterdã, supostamente o maior conglomerado de data center da Europa, colocou uma moratória temporária na construção de novos data centers até que algumas regras básicas pudessem ser estabelecidas em relação à sua operação. A cidade deseja definir requisitos para que os data centers usem energia limpa e deseja que as instalações capturem o prodigioso calor desperdiçado que produzem – mais uma maneira pela qual os data centers contribuírem para o aquecimento – e forneçam gratuitamente aos cidadãos locais.

A decisão de Amsterdã de acelerar os novos data centers ocorre depois que o consumo de energia dos centros de processamento de dados da cidade cresceu 20% no ano passado. Cook ficou satisfeito ao ver a cidade “parar para reavaliar como gerenciar o crescimento”.

“Ações voluntárias nos levam até certo ponto”, disse ele. “Em última análise, precisamos que o governo intervenha e nivele o campo”.

“Sobriedade” digital

Fornecer energia para os data centers, redes e cidades de fontes renováveis ajudaria muito em reduzir o impacto climático da internet. Mas a desconfortável realidade é que será difícil manter o ritmo de um mundo no qual passamos cada vez mais tempo assistindo a vídeos e jogando jogos online, navegando na internet e lendo os nossos feeds de mídia social (quatro atividades que, juntas, representam quase 90% do tráfego baixado da internet, de acordo com um Relatório de 2018 da empresa de rede Sandvine).

Alguns especialistas dizem que precisamos pisar no freio com todo esse consumo. Em seu recente relatório sobre vídeo online, o Shift Project nos convida para uma revolução de “sobriedade digital”, que Efoui descreveu como implementar políticas para restringir o crescimento da internet em um mundo de recursos finitos.

“Se realmente entendermos a gravidade das restrições que estão surgindo para nós e para os sistemas que construímos… temos que levá-los em conta”, disse ele.

Como realmente restringiríamos a internet é uma questão em aberto. Os governos devem impor limites de emissão aos servidores e data centers e às empresas que os ultrapassam? Serviços de streaming como o Netflix devem nos encorajar a assistir em definição padrão ao invés de HD? Surgirão campanhas ao redor do mundo incentivando que desconectemos, semelhante ao movimento emergente desista de voar? Efoui acha que precisaremos reunir “muitas soluções” e que lugares diferentes adotarão estratégias diferentes, dependendo de sua infraestrutura e das necessidades da sociedade.

Nem todas as mudanças precisam ser enormes. De fato, um campo crescente de pesquisa conhecido como design de interação sustentável está mostrando que pequenos ajustes nos aplicativos e sites podem ter um sério impacto no consumo. Um estudo recente do YouTube descobriu que simplesmente permitir que os usuários desativem o streaming de vídeo enquanto ouvem música pode reduzir a pegada de carbono de 11 milhões de toneladas por ano do serviço em até 5%. Como observam os pesquisadores, isso é “comparável em escala” aos benefícios climáticos que o Google alcançou ao comprar fontes renováveis ​​para alimentar os servidores do YouTube.

E é apenas uma intervenção. Uma notificação que incentive os usuários de mídia social a fazer uma pausa na rolagem do feed é outra possibilidade. Ou, os sites podem se livrar de todos os anúncios com reprodução automática que ninguém pediu pra começo de conversa. Kelly Widdicks, uma estudante de doutorado da Universidade de Lancaster, que estuda o impacto do uso de dispositivos com acesso à internet na sociedade e no meio ambiente, observou que a decisão do Facebook de começar a reprodução automática de anúncios em todos os lugares “aumentou bastante o tráfego” para muitos usuários.

“Antes você precisava interagir com a plataforma para assistir algo”, disse Efoui. “Agora você precisa interagir com a plataforma para parar de assistir. Na verdade, é uma grande mudança”.
Widdicks sente que as empresas poderiam fazer algumas mudanças voluntariamente se seus clientes fizessem bastante barulho, digamos, sobre os benefícios à saúde de assistir menos vídeos. Mas ela também vê valor em pensar que tipos de limites e restrições deveriam ser impostos. Mike Hazas, um professor da Universidade de Lancaster que estuda a relação entre tecnologia e sustentabilidade, concordou, observando que os pesquisadores estimaram que a internet poderia consumir mais de um quinto da eletricidade do mundo até 2030.

“Se dobrarmos o setor de transporte aéreo até 2030, esse seria um dos principais tópicos de discussão”, disse ele. (E de fato, tem sido, por anos).

Ninguém pode dizer qual será a forma da futura internet, mas as coisas não podem continuar como estão indo agora. E embora ações individuais sozinhas não nos tirem dessa bagunça, se um número suficiente de pessoas mudarem seu comportamento, isso fará diferença. E há muitos lugares onde começar.

Podemos diminuir o uso das mídias sociais. Podemos pensar duas vezes antes de deixar o próximo episódio ser reproduzido automaticamente, ou voltar à moda antiga e retornar à transmissão tradicional, que Hazas descreveu como “muito eficiente” em comparação com o streaming. Podemos garantir a hospedagem de sites e a compra de espaço na nuvem com empresas que demonstraram um compromisso real com a energia limpa.

Acima de tudo, disse Hazas, é importante que “tomemos uma decisão consciente” em vez de nos deixarmos levar por um buffet interminável de conteúdo. “Estes são serviços muito bem projetados”, disse ele. “Eles nos mantêm os consumindo”.
Maddie Stone é uma freelancer com sede na Filadélfia.