O ano já está quase acabando, e não temos mais lançamentos de smartphones — o que era pra ser lançado já foi, e novidades sobre futuros aparelhos só devem aparecer na CES 2019 em janeiro e olhe lá. E é nesse momento do noticiário que a Qualcomm aproveita para mostrar o seu chip que estará presente na maioria dos aparelhos topo de linha de 2019.

Trata-se do Snapdragon 855, que foi exibido nesta quarta-feira (5) em evento anual da companhia, realizado em Maui, no Havaí (EUA).

De modo geral, ele é quase 50% mais rápido que seu antecessor, o 845 (presente no Galaxy S9 e Xperia XZ2, por exemplo), vai ter suporte à 5G (aí vai depender de o fabricante querer implementar ou não), melhoria em processamento de inteligência artificial e contará com adições interessantes no processamento e armazenamento de foto e vídeo.

A ideia aqui é falar do que o novo Snapdragon 855 promete e o que devemos ver na nova geração de aparelhos topo de linha a ser lançada no próximo ano.

Processamento mais esperto e inteligência artificial

O Snapdragon 855 é um chip de 7 nm, como o A12 Bionic (da Apple), e sua CPU Kyro 485 é 45% mais rápida que a do seu antecessor, o Snapdragon 845, lançado no ano passado. A companhia disse que essa melhoria, além de tornar tarefas mais rápidas, vai implicar em um uso mais eficiente de bateria.

Trata-se de um chip com CPU octa-core: quatro núcleos de eficiência de 1,8 GHz; três núcleos de performance de 2,4 GHz e um núcleo principal de 2,84 GHz.

A GPU Adreno 640 está 20% mais rápida que no ano passado. Com isso, você pode esperar games rodando ainda mais rápido.

No que diz respeito à inteligência artificial, a empresa gastou um bom tempo falando da quarta evolução de sua engine, que pode fazer mais de sete trilhões de operações por segundo. Para isso, a companhia conta com o Hexagon 690, um chip específico para processamento de tais tarefas.

Na prática, isso deve melhorar consideravelmente o processamento de funções no dispositivo, como processamento de voz, câmera (como modo noturno), games e experiência de realidade virtual e realidade aumentada.

Crédito: Divulgação

A Qualcomm ainda mencionou que o Snapdragon 855 conta com algo que eles chamam de Snapdragon Elite Gaming Experience. A promessa aqui é de que o chip conseguirá executar PBR (renderização baseada em recursos físicos), que calcula texturas baseada em escaneamento de objetos reais; além de oferecer suporte à biblioteca de gráficos Vulcan 1.1 e algoritmos personalizados que podem aumentar a taxa de quadros de games em até 90%.

Pós-processamento de fotos e vídeos

Os aparelhos equipados com o Snapdragon 855 devem inaugurar um novo paradigma no que diz respeito a formato de imagem. Em vez de gravar arquivos JPEG, as imagens estarão no formato HEIF (High Efficiency Image File Format).

Esse formato conta com uma série de possibilidades, como a compressão de imagens (em até 50% comparado com o JPEG) e o armazenamento de mais informações da cena capturada. Por mais dados, entenda características como diferentes exposições, mapa de profundidade da imagem e ainda o suporte a RAW.

Com mais informações de uma foto, será possível fazer algumas coisas que, inclusive, vimos na última apresentação do iPhone, em setembro, como ajustar posteriormente o nível de desfoque de uma foto ou mesmo editar o fundo e tirar objetos de uma cena. A diferença é que isso poderá ser feito em qualquer telefone que ofereça suporte a tal tecnologia.

Na parte de vídeo, o processador de sinal de imagem Spectra 380 possibilita gravar vídeos em 4K HDR+10. Se os aparelhos gravarem vídeos como os demonstrados aqui no Qualcomm Summit, o chip pode elevar a um novo patamar a captação multimídia, dado o nível de detalhes. Além disso, será possível fazer efeito bokeh em vídeos — imagine travar o foco no rosto de uma pessoa e ainda movimentar a câmera; tudo isso enquanto o fundo é desfocado.

5G e nova geração do Wi-Fi

Independentemente do roadmap de 5G ao redor do mundo, a empresa informa que os aparelhos lançados com o chip Snapdragon 855 terão suporte à nova tecnologia, mas aí cabe às fabricantes incluírem um chip (no caso o X50) e antena dedicados.

É importante ressaltar que a companhia diz que será possível usar 5G tanto em ondas milimétricas (com espectro entre 30 GHz e 300 Ghz) como Sub-6 (abaixo de 6 GHz) — as duas formas de implementar 5G mais usadas em testes. Então, diferentemente do que aconteceu com o 4G, parece que os primeiros aparelhos 5G serão compatíveis com as diferentes formas de oferecer a tecnologia.

“Ah, mas, no Brasil, a gente não fez nem leilão das frequências. Como vai ser isso de 5G?”. Bem, não tem muito jeito, temos de esperar. De qualquer forma, o SoC conta com o modem X24, da Qualcomm, que possibilita conexões 4G LTE que oferecem até 2 Gbps — óbvio que isso depende da operadora oferecer.

Além disso, ele já conta com Wi-Fi 6 e suporte à WPA3, o novo padrão de rede sem fio que vai permitir conectar a redes sem fio sem senha que contenham criptografia. Também chama a atenção o suporte à Wi-Fi em 60 GHz. Isso aqui é meio doido, pois as redes sem fio têm frequência de 2,5 GHz e 5 GHz. Se você estiver em redes compatíveis com 60 GHz, poderá mover arquivos com velocidade de até 10 Gbps.

Por ter Wi-Fi super rápido, será possível transmitir jogos do smartphone para TV sem atraso. Crédito: Guilherme Tagiaroli/Gizmodo Brasil

A versão do Bluetooth que o chip proporciona é a 5.0, o que pode entregar velocidades de transmissão de 2 Mbps.

Desbloqueio de digital 3D sob a tela

O Snapdragon 855 conta com uma nova tecnologia que a companhia chama de 3D Sonic Sensor. Trata-se de um sistema que captura a impressão digital do dedo em 3D em um sensor sob a tela. Na prática, diz a Qualcomm, mesmo com o dedo molhado ou sujo, o sensor vai conseguir ler e desbloquear seu dispositivo. Além disso, por usar ondas sonoras, esse processo consegue identificar, por exemplo, se existe circulação no dedo que está tentando desbloquear o telefone.

Crédito: Guilherme Tagiaroli/Gizmodo Brasil

É interessante esse movimento, pois podemos esperar um 2019 cheio de aparelhos (pelo menos os topos de linha) com sensor sob a tela, como o do OnePlus 6T.

O que esperar para os aparelhos topo de linha de 2019

Bem, o chip tem uma série de capacidades, e cabe às fabricantes escolherem o que vão colocar ou não em seus aparelhos. Pela apresentação da Qualcomm, a questão da conectividade (5G ou Wi-Fi gigabit), vídeos em HDR+10, a possibilidade de ter uma boa performance em games e as novas funcionalidades de câmera podem ser os grandes chamarizes para a nova plataforma da companhia. Mesmo assim, a gente só vai ter uma noção se a companhia entregará esse desempenho prometido ao colocar as mãos em dispositivos com o novo chip. E, olha, acho que deve vir uma boa leva deles ainda no primeiro semestre de 2019.

* O jornalista viajou para Maui (Havaí) a convite da Qualcomm