Uma nova pesquisa examinou os micróbios que habitam as rochas Chicxulub, onde acredita-se que caiu um asteroide há 66 milhões de anos, matando a maior parte da vida no planetam principalmente dinossauros.

O evento serviu como uma espécie de botão de reset, resultando em uma biosfera distinta e isolada que ainda existe hoje. Além disso, o asteroide criou condições que acabaram se revelando benéficas para as comunidades microbianas que vivem nas profundezas do local do impacto. A pesquisa, publicada na Frontiers in Microbiology, foi co-liderada por Bettina Schaefer, da Curtin University, na Austrália. De acordo com os especialistas, os resultados são do interesse de astrobiólogos que buscam de sinais de vida em outros planetas.

O asteroide atingiu onde é hoje a Península de Yucatan, liberando o equivalente a 10 bilhões de bombas atômicas na escala de Hiroshima. O impacto devastou os ambientes superficiais, resultando na extinção de todos os dinossauros não aviários e de três quartos de todas as espécies na Terra. Uma cratera medindo cerca de 240 quilômetros de largura formou-se no local, que desde então foi soterrada.

“O calor e a pressão do impacto criaram uma área esterilizada que causou uma extinção localizada dos micróbios residentes”, disse Schaefer, em um comunicado. “No entanto, cerca de um milhão de anos após o impacto, a cratera esfriou a temperaturas baixas o suficiente para que a vida microbiana retornasse e evoluísse isolada da vida na superfície da Terra nos últimos 65 milhões de anos.”

Dito isso, não se sabe muito sobre como esse cataclismo afetou a vida abaixo da superfície, especificamente a área abaixo do ponto de impacto. Como os autores escrevem em seu estudo, a “biosfera microbiana profunda tem um papel importante a desempenhar nos ciclos biogeoquímicos globais, como o ciclo do carbono”, portanto, é de “considerável interesse investigar como foi moldada por eventos geológicos catastróficos em o passado.”

Para a investigação, a equipe analisou amostras de núcleo provenientes de uma expedição de perfuração liderada pelo International Ocean Discovery Program e International Continental Scientific Drilling Program, que as retirou em profundidades que chegam a 1.335 metros abaixo do fundo do mar. Elas vieram diretamente do anel de pico da Chicxulub, permitindo à equipe estudar sua biosfera microbiana profunda nos dias de hoje. Para fazer isso, os cientistas realizaram sequenciamento de genes, contagens de células e experimentos de incubação.

“Os dados sobre a microbiologia da atual cratera de impacto Chicxulub nos permitiram fazer as primeiras observações de como o impactador que causou a extinção em massa do fim do período Cretáceo levou a uma biosfera moderna”, escreveram os cientistas no estudo. Para ser claro, o asteroide não trouxe micróbios alienígenas para a Terra (pelo menos, não que saibamos), mas preparou o terreno para uma nova comunidade de micróbios se mover, e eles basicamente têm evoluído em relativo isolamento desde então.

Na verdade, os cientistas descobriram que as bactérias que vivem nessas rochas são significativamente diferentes das bactérias encontradas na camada diretamente acima, ou seja, os escombros que eventualmente preencheram a cratera. Esses micróbios foram encontrados vivendo em condições pobres em nutrientes e em rochas que ainda são bastante quentes, com temperaturas atingindo 70 graus Celsius. Descobriu-se que um número substancial de micróbios estava envolvido na oxidação do enxofre e com “diversas capacidades metabólicas”, escreveram os autores.

Notavelmente, o asteroide, que atingiu tantos milhões de anos atrás, continua a moldar a vida sob a cratera. A “abundância e diversidade da biosfera profunda na cratera Chicxulub ainda é estruturada pelas mudanças geológicas forjadas nas primeiras horas e dias do Cenozóico”, segundo o jornal.

Um tanto contra-intuitivamente, o impacto acabou resultando em melhor habitabilidade na camada imprensada entre as regiões quentes inferiores e o sedimento pós-impacto que se reuniu acima. O aumento resultante na canalização de fluidos e no transporte de nutrientes e energia “causou uma melhoria a longo prazo no potencial de colonização de microrganismos subterrâneos profundos”, escreveram os cientistas.

Astrobiólogos em busca de sinais de vida em outros planetas devem tomar conhecimento dessas descobertas. Planetas como Marte podem não ser capazes de hospedar vida na superfície, mas a situação pode ser diferente abaixo da crosta. O mesmo processo, no qual um grande asteroide atinge um corpo planetário, poderia facilitar condições semelhantes às vistas abaixo da cratera Chicxulub, como esses cientistas especulam. Assim, as crateras de impacto no Planeta Vermelho são “locais propícios para focar missões de exploração científica para investigar ambientes habitáveis ​​e para testar a hipótese da presença de vida em Marte”, concluem os pesquisadores.

Assine a newsletter do Gizmodo

Como Schaefer apontou, micróbios que vivem em rochas profundas eventualmente retornaram a Chicxulub após o impacto — talvez cerca de 1 milhão de anos depois, mas a linha do tempo permanece incerta. A pesquisa do ano passado mostrou que uma gigantesca câmara de magma se formou abaixo da cratera e durou potencialmente milhões de anos. Ainda temos muito que descobrir sobre o impacto do Chicxulub e como ele remodelou o planeta e suas várias biosferas, mas estamos aprendendo coisas novas em um ritmo rápido.