Um asteroide fictício está vindo em nossa direção e um grupo real de especialistas está fazendo o possível para lidar com a terrível situação. O exercício de uma semana, agora em seu quarto dia, visa descobrir se nossas tecnologias, sistemas e instituições atuais poderiam lidar com a crise se um asteroide real ameaçasse a Terra em breve.

Durante o desastre nuclear de Fukushima em 2011, caminhões de bombeiros foram desesperadamente solicitados na usina. Parecia um pedido simples, exceto por uma questão — as estradas foram bloqueadas no caminho para a instalação devido aos tremendos danos causados ​​pelo tsunami. Foi um lapso compreensível, mas talvez algo que pudesse ter sido previsto.

De fato, os desastres podem ser notoriamente imprevisíveis, mas isso não significa que devemos nos abster de tentar prevê-los. Daí a importância desses exercícios. Ao seguir os movimentos de um desastre, podemos prever como uma situação pode realmente se desdobrar e avaliar as várias respostas a uma emergência real.

Um dos cenários de desastre mais assustadores é o impacto de um asteroide. Pelo o que sabemos até agora, nenhum asteroide conhecido representa uma ameaça significativa para o nosso planeta em qualquer momento no futuro próximo, mas isso pode mudar rapidamente se um desses objetos potencialmente perigoso aparecer de repente.

Com essa possibilidade sombria em mente, o Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa está atualmente conduzindo uma simulação de um cenário de impacto. Ao longo deste evento de cinco dias, os participantes assumem várias funções, como governo nacional, agência espacial, astrônomo, autoridade de proteção civil e assim por diante. O grupo recebe briefings diários sobre a situação que se desenrola, exigindo que eles reflitam sobre cada situação e respondam de acordo.

Como a Nasa aponta em um comunicado à imprensa, esta simulação, que inclui parceiros dos EUA e internacionais, está sendo feita para “investigar como observadores de objetos próximos à Terra (NEO), oficiais de agências espaciais, gerentes de emergência, tomadores de decisão e cidadãos podem responder e trabalhar juntos para uma previsão de impacto real e simular as informações em evolução que se tornam disponíveis no caso de uma ameaça de impacto de asteroide ser descoberta.”

O evento começou na última segunda-feira, 26 de abril, e está acontecendo na Conferência de Defesa Planetária IAA , organizada pelo Escritório das Nações Unidas para Assuntos do Espaço Exterior em cooperação com a Agência Espacial Europeia (ESA). Estamos no dia quatro de cinco, e os detalhes do exercício estão sendo disponibilizados no site do CNEOS. Este é o sétimo exercício desse tipo, que é feito a cada dois anos. Em 2019, os planejadores destruíram acidentalmente a cidade de Nova York na tentativa de salvar Denver, então sim, pode ficar um pouco intenso.

Antes do início da simulação, os participantes receberam uma descrição preliminar da ameaça inventada: um asteroide chamado “2021 PDC” foi descoberto em 19 de abril de 2021 por astrônomos no Havaí. O objeto está a 57 milhões de km de distância, e sua abordagem mais próxima da Terra acontecerá em 20 de outubro de 2021 — apenas seis meses a partir de agora. A probabilidade de impacto foi avaliada inicialmente em 1 em 2.500, o que é relativamente baixo. É importante ressaltar, no entanto, que essa estimativa foi baseada em apenas dois dias de observações. O tamanho do 2021 PDC não pôde ser discernido, com estimativas entre 35 m e 700 m.

Uma resposta organizada real a um asteroide potencialmente perigoso seria acionada quando a ameaça fosse de 1 em 100. Isso é significativo porque o cenário piorou drasticamente no Dia 1 do exercício, quando os participantes foram informados de que as chances de uma colisão foram reavaliados em 1 em 20, ou 5%. Além disso, o grupo observou mapas da Terra, identificando uma possível área de impacto que se estendia por dois terços de todo o planeta.

O Cenário de Impacto Hipotético do Asteroide 2021 PDC, Dia 2, mostrando a possível faixa de impacto. Imagem: Nasa/JPL

Na terça-feira (27), dia 2 do exercício, os participantes foram informados de que o asteroide tem 100% de chance de colidir com a Terra em 20 de outubro. Ele atingiria algum lugar na Europa ou no norte da África, mas o tamanho do objeto permaneceu obscuro, tornando as avaliações dos danos potenciais difíceis de prever.

Equipada com esse conhecimento, a equipe começou a pensar em estratégias de mitigação, como interceptar o asteroide para desviá-lo do curso ou destruí- lo com armas nucleares. Depois de pensar bem, no entanto, a equipe concluiu que, se isso fosse real, “não seríamos capazes…de lançar qualquer espaçonave em tão curto prazo com as capacidades atuais.” De fato, o plano mais viável previa o lançamento em 1º de maio, o que não funcionaria.

Este foi um momento propício de aprendizado. Em seu relatório do Dia 2, a equipe declarou que habilidades aprimoradas de detecção, como o próximo telescópio espacial NEO Surveyor da Nasa, “podem prevenir cenários de alerta rápido”. Até mesmo uma nave espacial de reconhecimento de passagem teria ajudado, já que tal missão poderia “reduzir significativamente as incertezas enfrentadas pelo planejador de resposta a desastres”.

O Cenário de Impacto Hipotético do Asteroide 2021 PDC, Dia 3, mostrando uma estimativa atualizada da faixa de impacto na Europa. Imagem: Nasa/JPL

No dia 3, a equipe recebeu uma gama geográfica mais precisa para o impacto iminente: uma área na Europa central que se estende por 800 km de comprimento por 250 km de largura. (O dia 3 assume que dois meses se passaram desde que o asteroide foi detectado pela primeira vez.) Os países ameaçados incluem Alemanha, República Tcheca, Áustria, Eslovênia e Croácia. Felizmente, a estimativa do tamanho do asteroide foi reduzida para cerca de 140 m de largura, “o que reduz significativamente o pior tamanho possível e as piores energias de impacto correspondentes”, de acordo com o relatório de quarta-feira (28).

Mas isso não quer dizer que o asteroide falso não causará danos sérios. Como afirma o relatório de quarta-feira, há 21% de chances de que mais de 1 milhão de pessoas sejam afetadas e 74% de chances de mais de 100.000 pessoas serem afetadas. Na pior das hipóteses, 6,6 milhões de pessoas seriam afetadas em uma região que mede 250 km do ponto de impacto. Os riscos primários incluem uma explosão de ar, o próprio impacto e “dano térmico”.

Um slide dos relatórios de quarta-feira, mostrando o caso em que a maior população seria afetada. Imagem: Nasa/Ames Research Center

Muitas incertezas ainda existem sobre a situação, incluindo o tamanho real e as propriedades físicas do asteroide e o tamanho da área ameaçada. Mas, visto que nenhuma “opção de mitigação no espaço é possível — a resposta de emergência civil é crítica”, de acordo com o relatório. Será interessante saber dos desenvolvimentos programados até o fim do exercício, e como a equipe irá responder. Pessoalmente, estou curioso sobre os esforços de evacuação em massa e como os funcionários do governo planejam fazer isso de maneira ordeira e segura. Definitivamente, é um tipo de situação em que é mais fácil de falar do que fazer.

Assine a newsletter do Gizmodo

Novamente, tudo isso é hipotético e nada disso é real. Mas este exercício nos lembra que precisamos manter uma vigilância cuidadosa no céu noturno. Felizmente, estamos desenvolvendo as ferramentas para fazer isso. Além do próximo telescópio NEO Surveyor da Nasa, há o segundo Telescópio Test-Bed da ESA, denominado TBT2, no Chile, que acabou de entrar em operação, e o Flyeye Telescope da ESA atualmente em construção na Itália.

Também estamos desenvolvendo as ferramentas para evitar que um impacto realmente aconteça, ou seja, o Double Asteroid Redirection Test (DART) da Nasa, que está programado para se tornar a primeira demonstração de uma deflexão de asteroide real. O DART será lançado ainda este ano e colidirá com o asteroide Dimorphos no final de 2022 para mudar sua órbita no espaço.