Pesquisadores da Universidade de Tecnologia de Sydney, na Austrália, anunciaram um grande avanço na área de ciência forense, que pode ajudar a resolver décadas de casos criminosos ao tirar digitais de quase qualquer superfície.

As técnicas tradicionais para coleta de impressões digitais foram criadas para detectar suor de glândulas sudoríparas na pele, que é deixado nas superfícies. No entanto, se a impressão digital for antiga ou secar, estas técnicas podem não obter uma impressão que possa ser usada.

O novo método emprega nanotecnologia para detectar os rastros de aminoácidos presentes no suor, que permanecem nas superfícies mesmo depois que o restante da impressão digital tenha degradado. A nova técnica é tão promissora que os pesquisadores acreditam que ela poderia, um dia, permitir que investigadores obtenham impressões digitais de qualquer época, em qualquer superfície – até da pele humana. Saiba mais no Nanowerk: [Nanowerk via BBC News via Popsci]

Foto por Chad Miller/Flickr