Usando técnicas modernas de datação, os cientistas limitaram drasticamente a era dos fósseis do Homo erectus encontrados em Java no início dos anos 30. Confirmados como os fósseis mais jovens do Homo erectus, eles estão fornecendo informações importantes sobre o capítulo final desses humanos arcaicos.

Quando nossas espécies surgiram na África, há cerca de 300.000 anos, uma espécie humana separada já vagava por aqui por mais de um milhão de anos. Essa é a incrível história do Homo erectus, um dos hominídeos mais bem-sucedidos que já existiram. Esses humanos arcaicos ostentavam a maior disseminação geográfica de qualquer hominídeo até que chegássemos, uma faixa que incluía África, China, Índia, Europa e Java.

Eles também eram uma espécie com tempo de vida excepcionalmente longo, embora a duração exata de sua existência tenha sido motivo de um debate considerável. Sabemos que eles surgiram há cerca de 2 milhões de anos atrás, mas o seu fim permaneceu incerto. Novas pesquisas publicadas na Nature estão fornecendo algumas das datas mais precisas ainda para os fósseis mais novos de H. erectus no registro arqueológico, mostrando que esses hominídeos ainda estavam por aqui entre 117.000 e 108.000 anos atrás e que provavelmente viveram pela última vez na região do rio Solo de Java central, na Indonésia.

O sítio arqueológico de Ngandong, em Java central, mostrando o rio Solo e seus terraços expostos, nos quais os fósseis de H. erectus foram encontrados no início dos anos 30. Imagem: Kira Westaway

Nossa história começa no sítio de Ngandong, em Java, no início dos anos 30, quando os cientistas encontraram 14 fósseis pertencentes ao H. erectus , uma descoberta importante que incluía 12 crânios (calotas cranianas sem a mandíbula) e dois ossos inferiores da perna.

Continua sendo o maior conjunto de fósseis de H. erectus encontrados em um único sítio, mas a geologia complexa do local, além de vários erros e omissões cometidos pelos pesquisadores originais (como não documentar onde eles localizavam os ossos), dificultava datar adequadamente o leito ósseo em que foram encontrados. Isso resultou em uma enorme variedade de datas possíveis, com estimativas variando de 550.000 a 27.000 anos atrás. Essa janela inaceitavelmente grande tem sido uma grande dor de cabeça para os cientistas, como explicou ao Gizmodo Kira Westaway, coautora do novo estudo e geocronologista da Universidade Macquarie, na Austrália.

“Saber quando uma espécie estava viva e quando ela desapareceu é importante para entender onde elas se encaixam na árvore evolutiva, com quem elas interagiram e por que foram extintas”, disse ela em um email. “Se a evidência fosse jovem, o Homo erectus poderia ter interagido com os humanos modernos e ter sido eliminado pela competição, mas se fosse mais antigo, é mais provável que eles pudessem ter interagido com outra espécie humana – os Denisovanos – e as mudanças das condições ambientais poderiam ter causado sua extinção…O timing é realmente tudo nesta história humana”.

Paleoantropólogo Russell Ciochon com uma coleção de réplicas de fósseis do Homo erectus de Ngandong. Imagem: Tim Schoon/Universidade de Iowa

O trabalho braçal deste novo estudo, liderado por Russell Ciochon, da Universidade de Iowa, começou em 2008 quando uma expedição revisitou o local de Ngandong.

Equipado com um mapa de 1934 usado pelos pesquisadores originais e com a intenção de entender melhor esses fósseis de imensa importância, Ciochon e seus colegas realocaram a camada original do leito ósseo em um terraço de rio que se estende 20 metros (66 pés) acima do rio Solo adjacente e em dois pontos distintos dos quais os ossos provavelmente foram coletados. Além de extrair inúmeras amostras do local e da região circundante, os pesquisadores também estudaram a geologia e a topografia da área, o que permitiu uma nova visão do local e uma melhor compreensão de seu contexto geológico.

O próximo passo foi datar os sedimentos em que os fósseis foram enterrados, juntamente com outras camadas estratigráficas e pistas encontradas no local. No total, os pesquisadores usaram cinco técnicas diferentes de datação.

Caso você esteja se perguntando, os ossos do Homo erectus não podem ser datados diretamente, pois a datação por radiocarbono funciona apenas para materiais orgânicos com menos de 60.000 anos. É por isso que os arqueólogos têm que datar os materiais em que esses fósseis mais antigos são encontrados, mas métodos diferentes de datação requerem diferentes tipos de material datável.

“Nosso estudo datava diretamente fósseis de mamíferos do leito ósseo e sedimentos dos terraços fluviais”, disse Ciochon. “Os diferentes métodos de datação também têm limitações diferentes, como alguns produzem idades máximas ou idades mínimas, enquanto outros produzem faixas etárias”.

Duas das cinco técnicas envolvem datação por luminescência, em que datas são determinadas para materiais enterrados sensíveis à luz, como o quartzo. Westaway, que é uma das principais especialistas mundiais em datação por luminescência, disse que ela e seus colegas estavam determinados em acertar.

“Houve tantas idades inconclusivas e insatisfatórias presentes para Ngandong que estávamos determinados a finalmente definir a cronologia”, disse Westaway ao Gizmodo.

Os resultados dos vários métodos foram consistentes, de acordo com Ciochon, o que permitiu à equipe combiná-los com uma técnica matemática conhecida como modelagem bayesiana, resultando no intervalo de datas entre 117.000 e 108.000 anos.

Escavações em Ngandong em 2010. Imagem: Russell L. Ciochon Univ. de Iowa

“Esta é uma parte da ciência muito sólida”, disse John Kappelman, antropólogo da Universidade do Texas em Austin, em um e-mail para o Gizmodo. “Datar fósseis costuma ser um trabalho árduo, e os autores chegaram à questão da idade do sítio de várias direções diferentes”.

Kappelman, que não estava envolvido com a nova pesquisa, ficou muito impressionado com a forma como os autores se concentraram em datar a paisagem regional e a geologia associada ao rio Solo e seus terraços.

“Este estudo é um excelente exemplo do que é a colaboração”, disse ele. “Ninguém poderia ter completado este estudo individualmente…a ciência como um todo é maior que a soma das peças individuais”.

Westaway estava empolgada com a nova linha do tempo do sítio de Ngandong, mas ela disse que “a idade do local não foi surpreendente, pois todos suspeitávamos que seria neste campo devido à idade de outro sítio em Java chamado Punung”.

De fato, a datação de Punung – uma antiga floresta tropical – sugere que foram as mudanças climáticas e as mudanças ambientais associadas que contribuíram para a eventual extinção do H. erectus. Esses humanos arcaicos estavam vivendo e prosperando em um ambiente de floresta aberta, mas quando a região passou para uma floresta tropical quente e úmida, a população de H. erectus sofreu e não conseguiu se adaptar rapidamente. Como Westaway apontou, as novas datas mostram uma sobreposição distinta entre os sítios de Punung e Ngandong.

“Suspeitávamos que a população de Ngandong tivesse sido exterminada…no início dessa mudança ambiental, mas a nova linha do tempo sugere que o vale do rio Solo, que contém o sítio de Ngandong, provavelmente perseverou por mais tempo do que o esperado”, explicou Westaway, que disse que esses últimos sobreviventes encontraram refúgio em uma área um pouco mais seca, em um local alto no interior. Eventualmente, no entanto, mesmo essa população “relíquia” de H. erectus desapareceu, pondo fim a um reinado que durou aproximadamente 2 milhões de anos.

Como uma demonstração impressionante de como as mudanças climáticas estavam afetando essa população, o grande conjunto de fósseis de Ngandong parece ter sido o produto de uma morte em massa.

“Uma grande inundação fez com que os restos do Homo erectus e os outros mamíferos encontrados em Ngandong fossem arrastados para o rio”, disse Ciochon ao Gizmodo. “As evidências indicam que [os indivíduos Homo erectus] morreram pouco antes do dilúvio, e pouco tempo se passou entre [suas mortes] e o dilúvio que transportou os restos mortais para Ngandong”.

É importante ressaltar que, como Ciochon apontou, o novo estudo fornece a idade da última aparição conhecida de H. erectus, que não necessariamente indica o momento de sua extinção. Pequenos grupos podem ter vivido mais tempo sem deixar evidências fósseis, disse ele.

Kappelman disse que essa suposta última existência de H. erectus pode ser “testada por datação de outros sítios fósseis, mas Ngandong tem sido o melhor candidato para a forma mais anatomicamente avançada dessa espécie há quase 90 anos”. Por “mais anatomicamente avançado”, ele refere-se a características distintivas do H. erectus tardio, como crânios grandes e testas longas. “O tempo dirá se outras populações isoladas do Homo erectus viveram ou não por mais tempo. Ainda há muitas surpresas por aí e, se fosse eu, focaria em regiões geograficamente isoladas. As ilhas são um bom lugar para começar”.

Como Westaway sugeriu anteriormente, as novas datas também se sobrepõem a outra coisa: a presença de outros seres humanos na Terra, conhecidos como Homo sapiens, Neandertais e Denisovanos. Desses grupos, os denisovanos eram mais propensos a interagir com H. erectus, pois nossa espécie ainda estava confinada à África e os neandertais não se aventuravam no sul da Ásia.

Para esclarecer, não existem evidências que sugiram que o H. erectus se misturou com denisovanos ou qualquer outro hominídeo, mas agora permanece uma possibilidade tentadora – porém difícil de provar.