Os gigantes gasosos Saturno e Júpiter são orbitados por algumas luas que chegam a ser parecidas com planetas. Uma dessas luas é Encélado, uma esfera de gelo que supostamente contém um oceano de águas subterrâneas muito profundas abaixo de uma espessa crosta de gelo.

Encontrar moléculas orgânicas em Encélado é bem animador, uma vez que água somada a energia e somada a moléculas orgânicas podem ser os ingredientes para o surgimento de vida.

Encélado liberou esse material em plumas a partir de rachaduras em sua crosta polar sul. As plumas carregam uma mistura de material do núcleo rochoso da lua e do oceano subterrâneo.

A missão Cassini voou entre essas plumas em 2004 e 2008, coletando dados sobre o material com dois de seus instrumentos: o Espectrômetro de massa neutra e iônica (INMS, na sigla em inglês) e o Analisador de Poeira Cósmica (CDA).

Para o novo estudo, os pesquisadores baseados na Alemanha e nos Estados Unidos investigaram profundamente os dados do CDA e encontraram novos compostos orgânicos, conforme mostra o artigo publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Entre elas estavam aminas, que são moléculas orgânicas que contêm azoto e oxigênio, semelhantes às da Terra e que se transformam em aminoácidos.

Vale lembrar que “orgânico” neste caso significa simplesmente “contendo carbono”, embora estes sejam os tipos de compostos que podem produzir as moléculas complexas encontradas na vida na Terra.

Os compostos orgânicos são animadores. Os cientistas postulam que, uma vez que a vida se desenvolveu no oceano profundo da Terra, sem luz solar e com a ajuda do calor vulcânico, talvez o mesmo possa ocorrer nos oceanos profundos de luas geladas como Encélado ou a lua Europa, de Júpiter.

Os pesquisadores relataram anteriormente ter encontrado grandes moléculas orgânicas nos dados da missão Cassini. Esse artigo apresenta um novo tipo de molécula, que interessa para os cientistas em busca de sinais de vida.

Cassini já mergulhou na atmosfera de Saturno e morreu, mas a missão continua a fornecer novas informações para os cientistas. Infelizmente, os dados da sonda não revelam a presença de vida. Para isso, os cientistas precisarão de uma missão nova e dedicada a esse fim.

A NASA está desenvolvendo uma missão para voar através das plumas da Europa, mas não dá para assegurar que essa missão vai encontrar sinais evidentes de vida.

De qualquer forma, essa é uma era incrível para quem se interessa em alienígenas. Talvez não precisemos procurar muito além do nosso próprio sistema solar para encontrá-los.