Ciência

Clima mais quente está forçando migração em massa da vida marinha

Estudo, publicado na revista Trends in Ecology and Evolution, destaca que as espécies tropicais estão migrando do equador em direção aos polos
Imagem: Solarisys/Reprodução

Um estudo realizado pela Universidade de Southampton, no Reino Unido, revela que a vida marinha global está migrando em massa devido ao aumento da temperatura dos oceanos, provocado pelas mudanças climáticas.

O fenômeno, conhecido como “tropicalização”, está redefinindo os ecossistemas marinhos, com implicações profundas para a biodiversidade e, potencialmente, para a economia global.

O estudo, publicado na revista Trends in Ecology and Evolution, destaca que as espécies tropicais estão migrando do equador em direção aos polos à medida que a temperatura do mar se eleva.

Já as espécies temperadas enfrentam declínio devido à competição por habitat e à chegada de novos predadores. Ou seja, esse deslocamento está alterando drasticamente a paisagem ecológica dos oceanos.

A pesquisa revisa a literatura dos últimos 20 anos. De acordo com Suzanne Williams, coautora do artigo, existe uma falta de compreensão das consequências evolutivas a longo prazo quando novas espécies coexistem.

“Responder a perguntas sobre como as espécies evoluem e interagem com seu ambiente envolve o emprego de uma variedade de métodos. Incluindo registros históricos e, claro, coleções de museus”, disse à Phys.

Mapa mostra a migração em massa das espécies marinhas. Imagem: Trends in Ecology and Evolution/Reprodução

Consequências da migração em massa da vida marinha

Na prática, as consequências evolutivas da tropicalização podem incluir a evolução de novas características ou comportamentos em resposta às alterações nas interações entre espécies.

Exemplos incluem a adaptação de cracas vulcânicas temperadas para afastar predadores tropicais e a modificação de comportamentos alimentares e sociais em donzelas tropicais e peixes de recifes temperados.

Por outro lado, além das implicações ecológicas, o estudo destaca as consequências socioeconômicas do fenômeno. A substituição de pântanos salgados por ecossistemas de mangais pode beneficiar a captura de carbono, auxiliando na redução dos níveis de CO².

Além disso, os pesquisadores reforçam a importância da monitorização contínua dos ecossistemas para compreender melhor o que tem gerado essa migração e a dinâmica desse fenômeno global.

Assine a newsletter do Gizmodo

Gabriel Andrade

Gabriel Andrade

Jornalista que cobre ciência, economia e tudo mais. Já passou por veículos como Poder360, Carta Capital e Yahoo.

fique por dentro
das novidades giz Inscreva-se agora para receber em primeira mão todas as notícias sobre tecnologia, ciência e cultura, reviews e comparativos exclusivos de produtos, além de descontos imperdíveis em ofertas exclusivas