Com a COVID-19 espalhada pelos Estados Unidos, não é surpresa que as operações normais na NASA também estejam sendo interrompidas. Dois funcionários da agência espacial americana já deram positivo para o novo coronavírus, e alguns trabalhadores estão tendo que priorizar apenas as missões mais essenciais. Apuramos o que a NASA planeja fazer com seus projetos durante a crise de saúde.

Aqui está o que estamos aprendendo sobre como a NASA planeja avançar com seus projetos durante esta crise de saúde sem precedentes.

Até agora, a NASA não anunciou grandes cancelamentos ou atrasos, ao contrário da Agência Espacial Europeia, que na semana passada anunciou o adiamento da sua missão ExoMars para 2022, citando o novo coronavírus como um fator contribuinte.

Em 8 de março de 2020, um funcionário do Centro de Pesquisa Ames da NASA, na Califórnia, testou positivo para a COVID-19. Pouco tempo depois, um segundo trabalhador do Centro de Voo Espacial Marshall da NASA, no Alabama, também teve a confirmação de que contraiu o novo coronavírus.

Em ambos os casos, a NASA respondeu elevando cada instalação a uma classificação de Fase 3 de sua Estrutura de Resposta, que exige trabalho não presencial para o pessoal não essencial à missão, fechamento de creches das crianças dos funcionários e a restrição de viagens a funcionários essenciais à missão, entre outras provisões.

Estrutura de Resposta da NASA, do Estágio 1 ao 4. Estrutura de Resposta da NASA, do Estágio 1 ao 4. Até o momento, a NASA adotou as medidas somente até o Estágio 3. Imagem: NASA. Tradução: Gizmodo Brasil.

Em resposta à pandemia de COVID-19, a NASA também implementou uma classificação de Fase 2 em todos os níveis, que incentiva os funcionários a trabalhar remotamente, praticar distanciamento social e minimizar viagens não essenciais relacionadas ao trabalho, entre outras coisas. Até hoje, nenhum outro caso da doença foi relatado em qualquer outro centro da NASA, de acordo com o porta-voz da agência, Allard Beutel, que falou com o Gizmodo por email.

A NASA ainda não está na Fase 4 para nenhuma das suas instalações, que é a classificação mais alta ao longo de sua Estrutura de Resposta.

Caso seja necessária uma classificação na Fase 4 – uma possibilidade, dada a gravidade dos surtos na Itália e Espanha – a NASA teria que encerrar totalmente a atividade em suas instalações, limitando o acesso aos trabalhadores essenciais responsáveis pela proteção da vida e das infra-estruturas críticas.

Em termos dos projetos da NASA que podem ser afetados pela pandemia no curto prazo, alguns vêm imediatamente à mente. O lançamento do Rover Perseverance, da missão Mars 2020, programado para o terceiro trimestre do ano; a missão Demo-2 programada para abril que deveria testar um SpaceX Crew Dragon com dois astronautas da NASA a bordo e a já adiada construção do telescópio espacial James Webb. Porém, há muitos outros projetos além desses.

Devido à “situação do coronavírus nos Estados Unidos e seu potencial impacto nas viagens durante as próximas semanas, três campanhas científicas aéreas da NASA Earth Science, previstas para serem implantadas em todo o país a partir de março, remarcaram suas atividades de campo para o final do ano”, disse Beutel.

Estas campanhas incluem DeltaX (um levantamento aéreo e de campo do Delta do Rio Mississippi), DCOTTS (um projeto que utiliza aviões para estudar a química e composição da atmosfera superior) e o Sub-Mesoscale Ocean Dynamics Experiment, ou S-MODE (um projeto que estuda os efeitos dos oceanos no clima).

“Não se espera que os retornos científicos desses projetos sejam impactados por essa mudança de planos”, disse Beutel. “Em geral, o coronavírus não afetou significativamente as operações da NASA, e o trabalho continua nos trilhos.”

Os preparativos para os próximos lançamentos do Rover Mars Perseverance e o teste de voo da tripulação comercial da NASA (missão Demo-2 do SpaceX) para a Estação Espacial Internacional, juntamente com a construção do telescópio James Webb (que deverá ser lançado no próximo ano), estão indo como planeado, segundo ele.

“Conforme a situação do coronavírus continuar, faremos os ajustes necessários”, acrescentou Beutel.

Em notícias relacionadas, o Complexo de Visitantes do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, foi fechado até nova ordem.

Outra missão futura a considerar é o lançamento de um foguete russo Soyuz MS-16 programado para o dia 9 de abril de 2020, que deverá levar o astronauta da NASA Chris Cassidy e os cosmonautas russos Nikolai Tikhonov e Andrei Babkin à ISS. Normalmente, a NASA coloca os seus astronautas em quarentena durante 14 dias antes de uma missão, mas este período pode começar mais cedo do que o habitual, dadas as circunstâncias.

“Esperamos que [autoridades russas] tomem medidas adicionais para garantir que a quarentena seja um pouco mais longa”, disse Kirk Shireman, gerente do programa ISS da NASA, ao SpaceNews. “Estamos prontos para lidar com isso caso aconteça”, disse ele.

A NASA está conversando com a Casa Branca, o Departamento de Estado, e outras agências federais dos EUA, disse Beutel ao Gizmodo.

A agência espacial também criou um grupo de trabalho interno, com vários escritórios, para tratar de questões em andamento relativas ao surto. E, por fim, a NASA vai aderir às diretrizes fornecidas pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA e também pelo diretor de saúde e médico da NASA, disse ele.

Portanto, nada muito dramático, pelo menos por enquanto. Com a extrema fluidez da situação, tudo isso pode mudar em um dia.