Vivemos em uma era de calor sem fim. Inverno ou verão, Ártico ou locais tropicais — não importa. As ondas de calor se tornaram uma característica da crise climática e da vida moderna.

Os Estados Unidos enfrentaram um calor recorde em 2021, incluindo o mês de junho que agora está no livro dos recordes como o mais quente de todos os tempos. As temperaturas em todo o país estavam 2,3 graus mais altas do que o normal, e o calor perigoso atingiu repetidamente parte do oeste dos EUA.

Os impactos do calor deste ano, sem falar do calor dos anos que ainda estão por vir, são profundos. Centenas de pessoas morreram na América do Norte, assim como cerca de 1 bilhão de criaturas marinhas, em meio a um calor recorde. Os reservatórios encolheram. A infraestrutura de alguns locais literalmente derreteu.

As futuras ondas de calor serão piores. Isso torna sua compreensão cada vez mais crucial: desde entender o que é uma onda de calor, até como identificá-la com antecedência para que as pessoas tenham avisos sobre o que está por vir.

O que é uma onda de calor?

Uma onda de calor é quando fica muito quente por um longo período de tempo, é claro. Mas isso não resolve tudo do ponto de vista meteorológico. “Apesar de ser uma pergunta simples, não há uma resposta tão simples assim”, disse Karen McKinnon, pesquisadora da Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

Ainda que o calor seja o principal “assassino” relacionado ao clima nos EUA, não existe uma definição ou limite padrão de onda de calor. Certos termômetros de temperatura podem disparar avisos de calor ou avisos ao Serviço Meteorológico Nacional em qualquer dia. Mas quando se trata explicar uma onda de calor, o glossário formal da agência nacional americana contém esta definição:

“Um período de tempo anormal e desconfortavelmente quente, úmido e incomum. Normalmente, uma onda de calor dura dois ou mais dias.”

McKinnon observou que existem algumas outras maneiras de pensar sobre o que constitui uma onda de calor além de as temperaturas serem mais altas do que o normal por dois dias ou mais. Para os pesquisadores, pode ser útil pensar em qual percentual cai um período de calor extremo. Isso torna mais fácil analisar os dados. Muito de como falamos sobre ondas de calor também se concentra nas máximas diurnas, Porém, ela notou que as temperaturas durante à noite também são importantes.

“Especialmente para a saúde humana, é muito importante que nossos corpos sejam capazes de se refrescar à noite”, disse ela. “E para que as pessoas que se concentram mais na saúde, também precisam pensar nas definições de ondas de calor que estão acontecendo com as temperaturas noturnas. Uma maneira de pensar sobre isso é que você pode definir uma onda de calor para o trabalho no qual está interessado. Portanto, uma onda de calor para a saúde humana pode ser diferente de, digamos, uma onda de calor em termos de impacto nas plantações”.

Como as ondas de calor se formam?

A resposta curta é: de várias maneiras.  As áreas de alta pressão são normalmente culpadas pelas ondas de calor, principalmente no verão. Esses locais podem segurar a massa de calor em céus ensolarados e se intensificar conforme o calor irradia do solo, prendendo a mais alta pressão. Existe até um termo para isso: cúpulas térmicas. Esta é a configuração que levou à onda de calor mortal do Noroeste do Pacífico em junho de 2021. Mas a topografia local também pode desempenhar um papel.

“Na América do Norte, as montanhas Cascade ajudaram a aumentar as temperaturas como o ar quente ‘descendo as encostas’ da montanha graças ao vento leste da alta pressão no sentido horário”, disse Kathie Dello, climatologista do estado da Carolina do Norte.

Às vezes, os ziguezagues selvagens desse vento (corrente de jato) podem atingir alta velocidade de até 400 km/h, e também podem ajudar a trazer o calor que flui das latitudes mais baixas para locais mais frios ao norte (ou ao sul, dependendo de qual lado do equador você está). Na verdade, quando a corrente de jato fica ondulada, isso pode ajudar os pesquisadores a prever exatamente onde as ondas de calor se formarão. 

Você pode imaginar o jato como as cordas utilizadas nas academias que as pessoas usam para exercitar os braços. Quando você usa essas cordas, elas podem enviar oscilações de seus braços agitados ao longo da linha, e você pode controlar se elas fazem grandes ou pequenas oscilações.

O mesmo acontece com a corrente de jato. Todos os tipos de perturbações, seja um ciclone tropical no oeste do Pacífico ou uma grande área de alta pressão em outro lugar, podem fazer a corrente de jato oscilar como as cordas de uma academia. E essas oscilações se configuram em altas e baixas. É por isso que, muitas vezes, você terá vários pontos de calor ao redor da Terra. Durante a onda de calor do noroeste do Pacífico, por exemplo, também houve temperaturas escaldantes em partes da Europa.

“Os extremos não são singulares. Eles tendem a ser co-localizados”, disse McKinnon.

Ótimas notícias para os meteorologistas, mas talvez más notícias para os gerentes de desastres (ou seu humilde correspondente meteorológico), pois isso significa ter que lidar com várias crises ao mesmo tempo.

Mudança climática amplifica ondas de calor

Talvez não seja um choque que a mudança climática, também conhecida como aquecimento global, leve a um calor pior. Mas pode ser surpreendente que o cerca de 1 grau de aquecimento tenham tido um impacto descomunal na frequência e gravidade das ondas de calor.

“Nosso estado do solo está mudando”, disse Dello. “Portanto, quando falamos de aquecimento de alguns graus em média, estamos falando de dias muito mais quentes. À medida que continuamos a adicionar gases que prendem o calor à atmosfera, estamos vendo como o clima é sensível e vivendo com um calor sem precedentes”.

Os cientistas costumam adotar a ideia de que a mudança climática é como jogar o dado que torna mais provável a ocorrência de condições climáticas extremas. Eu gostaria de propor uma nova analogia: em vez disso, é como trocar os dados completamente. Em vez de oferecer 1 a 6 em um dado de seis lados, nossos novos dados vão de 2 a 7. A onda de calor do noroeste no final de junho e início de julho de 2021 ilustra bem isso. Uma análise recente mostra que foi um evento de 1 em 150 mil anos sem mudanças climáticas. Foi um episódio de 1 em 1.500 anos em nosso clima atual, tornando o inimaginável um evento ainda mais recorrente.

Se o mundo conseguir manter o aquecimento de alguma forma até o limite do Acordo de Paris, que sugere a máxima de 2 graus Celsius, esse evento terá uma probabilidade de acontecer a cada cinco ou 10 anos. É alucinante pensar nisso. 

“A mudança climática está nos fazendo esquecer dos registros de calor, e estes serão alguns dos verões mais frios do século 21 se não fizermos nada sobre as mudanças climáticas”, disse Dello.

Precisamos fazer algo para nos adaptar às ondas de calor 

Dados os riscos que ocorreram na América do Norte e em outros lugares, desde incêndios sem precedentes na Austrália e na Sibéria no ano passado até a erosão do gelo marinho no Ártico, está claro que temos muito trabalho pela frente. Em primeiro lugar, reduzir as emissões de gases poluentes é vital. Mas também será fundamental nos adaptarmos às ondas de calor. Existem algumas histórias de sucesso para tomarmos como exemplo, embora todas tenham surgido após tragédias. Em 2003, uma onda de calor matou cerca de 70 mil pessoas na Europa. Os governos responderam com sistemas de alerta mais certeiros ​​e outros planos de aquecimento e, nos anos seguintes, ondas de calor ainda piores deixaram menos mortos.

A América do Norte ainda conta os mortos, mas está cada vez mais claro que muitos eram pobres, idosos ou estavam sozinhos quando morreram. Mais centros de resfriamento ou programas que subsidiam o ar-condicionado para os necessitados são uma forma de ajudar. Famílias de baixa renda, especialmente negras, latinas e indígenas, gastam quatro vezes mais em serviços públicos do que as pessoas mais ricas. Claramente, isso precisa ser nivelado.

Os programas sociais também podem desempenhar um papel. Nova York implementou um programa piloto para “promover a união da comunidade”, garantindo que aqueles que ficaram em casa, tenham alguém para acompanhá-los durante o calor extremo. Grupos de ajuda mútua também desempenharam um papel fundamental na resposta ao calor da região.

Assine a newsletter do Gizmodo

Apesar disso, as correções de nível individual não são suficientes. As cidades precisam de uma grande reforma para aquecimento. Isso inclui mais espaço verde para combater a ilha de calor, especialmente em bairros mais pobres e de pessoas negras.