Pesquisadores estimam que mais de 1 bilhão de criaturas marinhas, incluindo mariscos, mexilhões, cracas e caracóis, “cozinharam” até a morte durante a intensa onda de calor do noroeste do Pacífico que atingiu quase toda a América do Norte há algumas semanas.

Chris Harley, biólogo marinho da Universidade de British Columbia, disse à CBC que ficou “muito surpreso” ao caminhar ao longo da praia de Kitsilano, Vancouver, no final do mês passado, onde viu quantidades absurdas de mexilhões quebrados com carne dentro, o que indica que eles morreram recentemente.

Não foi apenas Harley que notou os terríveis moluscos assados ​​na natureza na semana passada. A Hama Hama Oyster Company, uma loja de moluscos situada em um fiorde do Mar Salish na Península Olímpica de Washington, documentou dezenas de mariscos rachados e aparentemente cozidos.

“Há muito tempo nos preocupamos com a mudança climática”, disse Lissa James Monberg, Diretora de Marketing da Hama Hama Company, ao The Takeout. “Quero que as pessoas saibam que não é algo abstrato acontecendo com pessoas distantes. Não é problema de outra pessoa. É nosso problema. Este é o nosso suprimento de comida”, disse.

As temperaturas incrivelmente altas em Vancouver e as marés em momentos ruins parecem ter se combinado para criar uma situação nada favorável para os crustáceos da região. Durante a onda de calor no final de junho, quando as temperaturas atingiram mais de 40 graus em Vancouver, o laboratório de Harley registrou temperaturas de até 50 graus ao longo da costa usando uma câmera de imagem térmica. Crustáceos como mexilhões e amêijoas ficaram expostos a essas temperaturas por mais de seis horas quando a maré baixou.

“Um mexilhão na praia, de certa forma, é como uma criança que foi deixada no carro em um dia quente. Eles ficam presos lá até que os pais voltem ou, neste caso, a maré volta, e há muito pouco que eles possam fazer. Eles estão à mercê do meio ambiente. E durante a onda de calor, ficou tão quente que não havia nada que os mexilhões, de fato, pudessem fazer”, comentou Harley.

Harly e os alunos em seu laboratório disseram que estão trabalhando na coleta de evidências para calcular quantas criaturas marinhas morreram no Mar Salish, um mar interior que abrange as águas de Vancouver e Seattle, durante a onda de calor da semana passada. Contudo, o biólogo estima que o número está em pelo menos 1 bilhão.

“Se você está perdendo algumas centenas ou alguns milhares de mexilhões pelas costas principais, isso rapidamente aumenta para um número muito, muito grande se olharmos as outras praias”, disse.

O número se equipara ao que foi registrado na Austrália durante os incêndios florestais de 2019 e 2020, quando cerca de 3 bilhões de animais morreram ou sofreram outros impactos. Mas, de forma mais trágica, é também um ponto de dados nos danos generalizados que acontecem ao oceano enquanto o clima continua a aquecer.

Assine a newsletter do Gizmodo

Harley afirma que, embora as populações ao longo da costa devam se recuperar em um ou dois anos, ondas de calor mais intensas e recorrentes podem causar danos às populações de crustáceos. Isso é uma má notícia para as criaturas que servem de alimento para mexilhões e mariscos, como o plâncton, e também para animais maiores que comem crustáceos. A acidificação dos oceanos, outro impacto da mudança climática, também tem sido um grande problema na costa oeste e tem prejudicado mexilhões e outras criaturas formadoras de conchas.

“Eventualmente, não seremos capazes de sustentar essas populações de ‘alimentadores’ na costa, perto da extensão a que estamos acostumados”, declarou Harley à CBC.

Os impactos das mudanças climáticas dificilmente se limitam a crustáceos ou apenas ao noroeste do Pacífico. Nos últimos anos, estrelas do mar morreram em massa devido a uma doença devastadora que se tornou mais comum em anos de extremo calor oceânico. E já no mês passado, a Organização das Nações Unidas alertou que a Grande Barreira de Corais, no nordeste da Austrália, está “em perigo” devido ao rápido aquecimento das águas.