Uma das punições adotadas pelo Whatsapp para tornar a plataforma mais segura é banir perfis que enviam mensagens massivas para listas de contato ou contas ilegítimas, que disparam mensagens de forma automatizada, os famosos robôs.

O banimento nessas circunstâncias foi a forma encontrada pelo app de combater a  disseminação de desinformação na plataforma. Há a possibilidade de ser banido acidentalmente pelo Whatsapp, mas o aplicativo garante uma interposição de recurso quando o usuário tenta entrar em sua conta.

Para pedir recurso basta uma tentativa de acessar a conta banida do Whatsapp, a plataforma dará ao usuário a opção de entrar em contato com a equipe de suporte diretamente no app. A equipe irá analisar os dados e informações da conta e poderá ou não suspender o banimento.

Ainda é possível adicionar um relatório com informações mais detalhadas para deixar sua argumentação mais robusta. Caso seja comprovado que o banimento foi realizado de forma equivocada, a conta é restaurada e o usuário poderá acessá-la novamente. Se o Whatsapp não aceitar o recurso, será necessário utilizar outro número de telefone para acessar a plataforma.

A análise e detecção de contas que violam diretrizes é realizado por um sistema automatizado, que, infelizmente, comete erros e acaba banindo alguns perfis inocentes acidentalmente. Após a reclamação de vários usuários, a plataforma começou a trabalhar no recurso, revelado pela primeira vez no meio de 2021.

O endurecimento das sanções contra perfis que podem estar trabalhando para deteriorar o debate público e disseminar desinformação é uma das formas que o app de mensagens encontrou para coibir as fake news. Em países como Brasil e Índia, onde o Whatsapp é muito popular, a plataforma é um dos principais meios de disseminação de fake news.

Veja mais notícias do Whatsapp:

WhatsApp agora permite transferir seu histórico de bate-papo do Android para o iPhone

Como funciona o novo recurso “exportar backup” testado pelo WhatsApp

Grupos de WhatsApp para 512 pessoas começam hoje sem o Brasil

Assine a newsletter do Gizmodo