Usando pigmentos encontrados no repolho roxo, uma equipe internacional de cientistas criou um corante alimentar azul natural que poderia eventualmente substituir as versões sintéticas.

A aparência dos alimentos e bebidas é muito importante, principalmente a cor, que pode transmitir informações como sabor, valor nutricional e sua condição física. Afinal, ninguém quer morder uma maçã marrom, uma banana escurecida ou um morango branco felpudo.

Frutas e vegetais tendem a ter cores como vermelho, laranja, amarelo e verde, mas, quanto ao azul, nem tanto. Outras coisas na natureza, seja animal, vegetal ou mineral, são também desprovidos de cores azuis, forçando os fabricantes a encontrar soluções alternativas para colorir seus produtos. E, claro, existem muitos doces, sorvetes e bebidas energéticas azuis, mas os corantes também são importantes para as indústrias cosmética, farmacêutica e têxtil.

Corantes azuis sintéticos incluem o FD&C Azul No. 1 para o ciano e indigotina FD&C Azul nº 2 para índigo. As opções naturais, como os corantes produzidos a partir da espirulina, huito e gardênia, não captam bem o azul ciano desejado e, muitas vezes, não se misturam bem com outros corantes, levando a resultados indesejáveis.

Sorvete feito de um sintético popular (canto superior esquerdo), o novo composto P2 (canto superior direito) e espirulina (parte inferior). Imagem: PR Denish et al., 2021/Science Advances

Consequentemente, a busca para encontrar um corante azul natural — ciano em particular — capaz de servir como um substituto para os sintéticos “permanece um desafio de toda a indústria e o assunto de vários programas de pesquisa em todo o mundo”, de acordo com um novo artigo publicado na Science Advances.

A boa notícia é que os autores do artigo, incluindo especialistas da Universidade da Califórnia Davis, no estado de Ohio; da Universidade de Nagoya, no Japão; e da Universidade de Avignon, na França; entre outras instituições, parecem ter desenvolvido exatamente isso: um corante alimentar ciano natural. O novo azul pode ser obtido do repolho roxo em quantidades significativas, sugerindo a possibilidade de o corante ser usado em uma ampla gama de aplicações.

Extratos derivados do repolho roxo tendem a vir em vermelhos e roxos. Este tipo de repolho produz um pigmento, chamado antocianina azul, que gera os resultados desejáveis, mas os cientistas só conseguiram extrair a molécula em pequenas quantidades.

Daí a importância da nova pesquisa, que descreve um método para converter outras moléculas de antocianina do repolho roxo em um composto azul. Os cientistas obtiveram os resultados a partir da análise de milhões (sim, milhões) de enzimas catalogadas na literatura científica e testes feitos com as melhores candidatas em laboratório. Com informações reunidas da biologia sintética e usando uma ferramenta de design de proteína computacional, os pesquisadores construíram uma enzima capaz de realizar a conversão desejada com um alto grau de eficiência. Esta não foi uma tarefa simples, pois envolveu um grande número de potenciais sequências de proteínas, de acordo com um comunicado de imprensa da UC Davis.

Cobertura de donut feita de um corante sintético (parte superior), o novo composto P2 (parte inferior esquerda) e espirulina (direita). Imagem: PR Denish et al., 2021/Science Advances

“Usamos essas ferramentas para pesquisar a enzima em que estamos interessados”, disse Justin Siegel, coautor do artigo e professor do Departamento de Química e Inovação do Instituto para Alimentos e Saúde da UC Davis, no comunicado.

Os testes de laboratório mostraram que funcionou: A enzima personalizada pegou antocianinas vermelhas e as transformou em um extrato azul útil, apelidado de P2-Al complexo, ou P2 para abreviar. Tão útil, na verdade, que os cientistas usaram para criar sorvete azul, glacê azul e lentilhas revestidas de açúcar.

Em testes, o P2 também funcionou bem com diferentes substâncias, misturando-se com outros compostos para produzir corante alimentar verde vivo. É importante ressaltar que a “estabilidade deste novo corante nessas aplicações de produtos também é excelente, sem decadência notável da cor em um período de 30 dias quando armazenado em condições ambientais”, escreveram os autores do estudo.

Assine a newsletter do Gizmodo

Os cientistas ainda não avaliaram se o corante é totalmente seguro para ser ingerido, mas como a coautora Kumi Yoshida, da Universidade de Nagoya, disse à New Scientist, as antocianinas do repolho roxo “têm um longo, longo histórico em nossas dietas”. Bom ponto, mas ainda precisamos ter certeza de que esse material — produzido por uma nova enzima — não resultará em nenhum efeito adverso à saúde.

Se tudo der certo, incluindo o complicado desafio da produção em massa, poderemos ver o P2 na lista de ingredientes de nossos produtos favoritos.