Cratera de Parelheiros é efeito de impacto extraterrestre, diz novo estudo

Apesar do tamanho da estrutura, o lugar só foi descoberto na década de 1960 com a ajuda de fotos aéreas e depois imagens de satélite.

Imagem: Agência FAPESP/Reprodução

Tem gente que nem imagina que isso existe em plena São Paulo.

Localizada no bairro de Parelheiros, extremo sul da cidade de São Paulo, a cratera do Colônia tem um diâmetro quase perfeito de 3,6 km, cerca de 300 metros de profundidade e uma borda soerguida de 120 metros.

Apesar do tamanho da estrutura, o lugar só foi descoberto na década de 1960 com a ajuda de fotos aéreas e depois por imagens de satélite.

Causa: impacto extraterrestre

Muito se fala sobre o que causou o buraco gigantesco que hoje, é conhecido como bairro Vargem Grande.

Mas agora, um novo estudo conduzido pelo geólogo Victor Velázquez Fernandez, professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP), e apoiado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), diz que a cratera foi formada devido ao impacto de um corpo extraterrestre.

Novas evidências

Essa informação já havia sido confirmada pelo geólogo ainda em 2013. Entretanto, uma nova pesquisa conduzida por Velázquez trouxe novas evidências ainda mais robustas sobre o impacto que produziu a cratera.

Na nova pesquisa, publicada na revista Solid Earth Sciences, o geólogo explicou que o impacto que ocorreu a milhões de anos, foi equivalente a 40 mil vezes a pressão atmosférica padrão.

“Encontramos esférulas no interior da cratera, em profundidade de 180 a 224 metros, cuja forma só pode ser explicada pelo impacto de um corpo extraterrestre, que gerou temperaturas da ordem de 5 mil graus Celsius e pressões da ordem de 40 quilobars – equivalentes a 40 mil vezes a pressão atmosférica padrão.” (Victor Velázquez)

O pesquisador explica ainda que a constatação das esférulas encontradas no interior da cratera representa algo bastante raro, pois geralmente esses impactos fazem com que os sedimentos sejam jogados para fora.

“Nossa explicação é que a energia do impacto transformou as rochas existentes no local em uma nuvem densa e superaquecida. Esse material foi lançado para cima, congelou e voltou a cair na base da recém-formada cratera”, explica.

Cometa é a maior hipótese

Velázquez também falou sobre qual teria sido o corpo extraterrestre que caiu no local entre 5 milhões e 36 milhões de anos atrás.

“Aqui, é oportuno destacar, entre tantos outros elementos, silício, alumínio, crômio e níquel. A falta de evidências de que tenham recebido material do objeto que impactou a área sugere, fortemente, que esse objeto tenha sido um cometa, e não um asteroide metálico ou rochoso”, disse o pesquisador.

Monumento Geológico

Em 2009, a cratera foi declarada “Monumento Geológico” pelo Conselho Estadual de Monumentos Geológicos do Estado de São Paulo (CoMGeo-SP). No Brasil, existem apenas cinco dessas estruturas, e cerca de 70 no mundo todo.

Porém, a cratera do Colônia é a mais próxima de um ambiente urbano (está a 35 km do centro da cidade). Além de ser uma das duas únicas habitadas no planeta.

Sair da versão mobile