Se você está pensando em mergulhar no universo de desenvolvimento web, muito provavelmente já teve uma dessas duas dúvidas – quem sabe até ambas. “Por onde eu devo começar?” e/ou “qual o formato ideal para eu aprender melhor: o curso de desenvolvimento web presencial, o online ou ainda tentar aprender sozinho, já que a internet tem tanto conteúdo à disposição?”.

Com certeza, não é fácil tomar essa decisão. Cada modalidade tem seus prós e seus contras, inevitavelmente. No entanto, é importante colocar na balança o nível de aprendizagem, os recursos disponíveis em cada uma delas e o que você deseja e precisa do curso.

O curso online pode ser uma opção viável se você não tem muito tempo disponível ou não consegue se deslocar até uma escola, por exemplo, mas mesmo assim quer adquirir conhecimento. O mesmo vale para o caso de tentar aprender sozinho, só que com algo a mais: você vai economizar o investimento do curso, mas irá precisar montar o plano de aula, buscar material de apoio e exercícios – isso não é uma tarefa nem um pouco fácil, acredite.

Agora, se sua intenção é ter uma metodologia de ensino bem definida, acompanhamento em tempo integral, imersão nos conteúdos e desafios propostos, ampliar sua rede de contatos fazendo networking, além (é claro) da troca de experiências e insights com os colegas, o curso presencial é ideal para você. Essa, inclusive, é a receita de um curso de desenvolvimento presencial de sucesso: o da Ironhack, escola de programação global que chegou a São Paulo neste ano.

E as vantagens não param aí. Com a Ironhack, a chance de você já sair empregado após o término das aulas é bem maior. Afinal, a escola promove a Hiring Week ao final do curso, um evento em parceria com empresas de todos os portes buscando desenvolvedores full stack, que dá a oportunidade dos alunos realizarem diversas entrevistas na área. O melhor? A taxa de contratação média global chega à marca dos 85% em até 3 meses após a conclusão do curso.

Falando em metodologia, além do acompanhamento em tempo integral de um professor principal, cada sala de aula conta com pelo menos um teacher assistant. Basicamente, este profissional acompanha os alunos ainda mais de perto quando necessário. Ou seja, se surgiu uma determinada dificuldade, é possível conversar diretamente com o professor ou com o teacher assistant, que fica disponível inclusive nos intervalos.

Outro diferencial do curso de desenvolvimento presencial é a dinâmica de ensino aplicada. Todos os dias, ao longo das oito horas de aula, existe uma mistura de palestras (professor + material de apoio), atividades e exercícios em dupla (chamados de pair programming, metodologia usada em muitas empresas ao incorporarem um desenvolvedor júnior). A ideia é realmente conhecer o outro e quebrar a cabeça para resolver os problemas juntos.  

Tudo o que é estudado é colocado em prática na mesma aula. No dia seguinte, há uma revisão referente ao conteúdo anterior. Vale ressaltar que a cada aula os trabalhos são diferentes, sempre com um grau de dificuldade maior, mas de forma gradativa para que todos os alunos consigam acompanhar a evolução. Este método garante um ensino muito mais imersivo e completo. E para você, qual o modelo ideal?