Imagine estar andando e, do nada, cair um saco com maconha. Independente de você curtir a erva ou não, o fato é que isto aconteceu em Tel Aviv, em Israel. De acordo com o Jerusalem Post, um drone sobrevoou a praça Rabin e jogou centenas de sacos de maconha da última quinta-feira (3), desencadeando uma corrida louca para estocar o produto.

De acordo com o jornal, a oferta foi orquestrada por um grupo de Telegram chamado Green Drone, que defende a legalização da maconha em Israel.

A maconha medicinal é legal em Israel, e o país passou a exportar recentemente o produto para estes fins. O ministro de segurança descriminalizou parcialmente o uso recreativo de maconha em 2017, mas esforços para uma legalização total estão sendo negociados.

O grupo disse aos seus seguidores no Telegram que este era apenas o começo de uma contínua “chuva de cannabis”.

“Está na hora, meus queridos irmãos. Isso é um pássaro? Não, é o Green Drone, distribuindo maconha grátis do céu. Divirtam-se, meus amados irmãos”, escreveu o grupo antes da distribuição, segundo relata o Jerusalem Post.

“Estamos lançando o projeto ‘chuva de cannabis’, que incluirá uma entrega semanal em diferentes partes do país de 1 kg de maconha dividido em sacos de 2 gramas”, acrescentaram.

O jornal Times of Israel, no entanto, reportou que o drone lançador de maconha pode ter mais a ver com marketing viral do que com ativismo: o canal Green Drone é também um serviço de entrega de maconha.

Os pacotes distribuídos também continham cartões de visita com um número de contato para clientes em potencial.

Alguns dos sacos também erraram totalmente a praça Rabin e caíram na rua Ibn Gabirol, nas proximidades, segundo descreveu a publicação, depois que operadores aparentemente avaliaram mal o vento. Os indivíduos correram entre os carros da rua para pegar estes sacos.

A polícia prendeu dois indivíduos sob suspeita de terem operado o drone. De acordo com a Reuters, as autoridades disseram suspeitar que os sacos continham uma “droga perigosa” e recuperaram dezenas de embalagens. No fim das contas, não tem jeito: esta droga será queimada de um jeito ou de outro.