A Boring Company de Elon Musk fez bastante barulho até agora sobre um sistema de transporte através de túneis imensos que agilizaria a circulação de veículos. A ideia era acabar com o trânsito. Mas os planos mudaram e a empresa irá investir no futuro do transporte público.

• SpaceX alcança velocidade de 324 km/h em competição para projeto de Hyperloop
• Proposta de ligar duas cidades via Hyperloop faria viagem de 500 km durar 28 minutos

Em uma série de tuítes na última sexta-feira (9), Musk explicou que o foco dos projetos da companhia em Los Angeles e na Costa Leste dos EUA está sendo adaptado para priorizar pessoas e não veículos.

A ideia era desenvolver uma rede de interligação do Hyperloop e sistemas de transporte que se valeriam de trilhos eletromagnéticos de alta velocidade – isso continua, mas em vez de transportar carros, transportaria apenas as pessoas.

Musk disse que agora considera uma “questão de cortesia e justiça” e que a rede não transportará carros até estar repleta de cápsulas de trem.


Ajustando o plano da Boring Company: todos os túneis e o Hyperloop irão priorizar pedestres e ciclistas em vez de carros. Ainda transportaremos carros, mas mas somente depois que todas as necessidades do transporte de massas sejam atendidas. É uma questão de cortesia e justiça. Se alguém não pode pagar um carro, eles devem estar em primeiro lugar.

É claro, estamos falando do Elon Musk, então o novo conceito está numa escala que parece improvável. Em vez de ter um pequeno número de grandes estações “como o metrô”, o sistema urbano de loop “teria 1.000 pequenas estações do tamanho de uma vaga de estacionamento que te levaria para muito perto do seu destino e iria se misturar perfeitamente no tecido de uma cidade.”


O sistemas urbano de loop da Boring Co teria 1.000 pequenas estações do tamanho de uma vaga de estacionamento que te levaria para muito perto do seu destino e iria se misturar perfeitamente no tecido de uma cidade, em vez de um pequeno número de grandes estações como o metrô. Um vídeo melhor será disponibilizado em breve, mas seria mais ou menos assim.

Questionado se ele estaria falando sobre um ônibus subterrâneo, Musk respondeu: “Acho que você poderia dizer que é um ônibus elétrico, autônomo, subterrâneo que viaja a 240 km/h e que alterna automaticamente entre túneis e elevadores. Então, sim, é um ônibus”.

É fácil perceber a razão da mudança de pensamento de Musk. No ano passado, quando Musk disse que o transporte público era “penoso” e “uma droga”, ele foi ridicularizado por ser um bilionário cuja intenção era construir uma rede de transporte paralelo para pessoas ricas que não querem pagar por uma infraestrutura compartilhada.

Ao mesmo tempo, a Boring Company está começando a cavar túneis em Los Angeles e Washington, DC, mas ainda precisa da cooperação das autoridades do governo. Essas autoridades poderiam lhe conceder as permissões necessárias para continuar a escavação ou impedir o projeto a partir de uma série de regulamentações.

Ao mudar o foco do Hyperloop e dos projetos de túneis associados a ele e colocar a iniciativa como uma prioridade para quem utiliza transporte público, Musk resolve alguns dos problemas com a imagem do projeto e pode ajudar a atenuar mudanças burocráticas.

Embora a nova ideia seja mais igualitária, o sistema do loop urbano tem o mesmo problema conceitual do que o projeto anterior. Primeiro, como o City Lab apontou no ano passado, a ideia do transporte público urbano é mover grandes grupos de pessoas para locais que estejam relativamente próximos a seus destinos finais, em vez de mover pequenos grupos de pessoas para o local exato que querem ir.

A aglomeração de pessoas que Musk odeia é um efeito colateral do sistema funcionar a partir de uma série de trocas; se ele está cheio, é porque as pessoas estão o utilizando para chegar aos lugares que precisam ir. O modelo antigo pode parecer antiquado, mas funciona e e é escalonável quando conta com os recursos que estão disponíveis.

Como nota o US News, todo o conceito do Hyperloop e loop urbano se baseia no fato de que tecnologia de escavação de túneis da Boring Company será algo mais veloz e barato do que as práticas de engenharia empregadas atualmente. Embora essa tecnologia de escavar túneis seja legal e elegante, ela não vai abaixar os custos de terrenos e compliance, nem deve tornar a construção mais barata a ponto de ser vantajoso cavar milhares de túneis extras e levantar diversas estações para que as pessoas cheguem diretamente onde precisam.

O projeto do loop urbano não parece ter uma compreensão precisa de como as cidades são moldadas e de como seus espaços geométricos limitados são divididos. É algo excessivamente otimista sobre o impacto que se poderia ter.

Um trem do metrô quebrado é o suficiente para causar um caos, mas o que aconteceria se uma das cápsulas ficasse presa em um cruzamento de túneis e atrapalhasse todo o sistema? Quanto custa para manter centenas de cápsulas para poucas pessoas a um número menor de unidades de alta capacidade? Como construir um labirinto de plataformas hidráulicas em toda a cidade que seja mais eficiente do que um número menor de corredores frequentes?

Parte do problema é o fato das cidades não terem investido no desenvolvimento de novos sistemas de transporte público ou terem deixado o sistema atual estagnado. Agora temos que ficar de olho de isso dará certo ou não.

[CNN]

Imagem do topo/Captura de tela: Twitter