Aqui vai uma oportunidade para quem tiver muito interesse de contribuir com a comunidade científica: por favor, tire uma foto do seu cocô hoje para ajudar a treinar uma inteligência artificial.

Cocôs de diferentes formatos e tamanhos são bem-vindos, pois a empresa de ciência microbiana Seed usará as imagens para criar uma base de dados de 100 mil imagens prospectivas com base na forma e consistência. Uma equipe de gastroenterologistas classificará cada imagem na escala de Bristol (sete categorias de consistência de cocô) dos duros como nozes (indicando constipação) a líquidos (indicando diarreia). Uma nova plataforma de IA chamada de auggi — que foi treinada para identificar cocô através de 36 mil imagens de modelos de massa Play-Doh — aprenderá a distinguir entre cocô saudável e não saudável.

Uma ferramenta de indicação de saúde baseada no cocô seria de grande importância, pois algumas pesquisas estimam que aproximadamente um em cada cinco americanos sofre de condições gastrointestinais. No Brasil, a análise de doenças gastrointestinais também não é das mais animadoras. A campanha chamada em inglês de #Giveashit espera tirar o estigma do coô, e basedo em resultados no Twitter, já tem uma galera contribuindo com a ciência.

A consistência do cocô em si já pode ser um sinal para as pessoas, mas os padrões são importantes; no momento, médicos têm que confiar no que dizem os pacientes, o que torna o diagnóstico uma adivinhação. David Hachuel, CEO e cofundador da auggi, ccomparou-o ao estudo das condições do coração via batimentos cardíacos: um cocô pequeno em formato de noz pode ser uma anomalia, mas vários repetidamente podem indicar uma constipação crônica. Outras consistências de cocô podem indicar sinais potenciais de síndrome do intestino irritável ou doença de Crohn.

Anka Katz, que é cofundadora e co-CEO da Seed, espera que o projeto de cocô seja apenas uma das muitas contribuições futuras da empresa para a nossa compreensão da saúde. “São projetos como este que permitem que pessoas que não são cientistas participem da ciência cidadã. Com o crowdsourcing de dados, podemos ajudar pesquisadores e tecnologias como a auggi para ajudar as pessoas a identificar diferentes condições”.

Então, não se esqueça de tirar uma fotinha antes de pressionar a descarga, hein? Você pode fotografar seu cocô e submeter via smartphone por meio do endereço seed.com/poop. Você só deve ceder seu e-mail, mas a Seed diz que a empresa garantirá que sua imagem não será associada às suas informações pessoais.