Muitas pessoas que tomam café regularmente sabem que ele não é apenas ótimo para acordá-las de manhã, mas também faz com que elas se levantem e façam cocô. Embora os poderes laxativos do café já sejam bem conhecidos, não está claro por que exatamente isso acontece. Para desvendar esse mistério, alguns cientistas decidiram fazer exatamente o que você esperaria que eles fizessem: eles deram café a ratos de laboratório.

Os resultados preliminares, apresentados neste final de semana em uma conferência de pesquisa chamada de Digestive Disease Week, parecem reafirmar a suspeita de que a habilidade do café de nos fazer ir ao banheiro não tem nada a ver com a cafeína. O café também pode matar as bactérias encontradas em nosso intestino.

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Texas, em Galveston, deram uma pequena xícara de café por três dias seguidos aos ratos, com diferentes grupos tomando café descafeinado e cafeinado. Em seguida, eles realizaram exames físicos e mais detalhados, observando os músculos que se contraem e ajudam a guiar os alimentos (e eventualmente eliminá-los) pelo intestino. Por fim, eles também estudaram como os tecidos musculares do intestino reagiam diretamente ao café no laboratório. Os resultados foram claros: os músculos do intestino delgado e grosso tinham maior facilidade de contração após a ingestão do café, o que significa que os alimentos poderiam se mover mais rápido ao longo do intestino.

“O café tem esse efeito estimulante na motilidade intestinal (capacidade que certos órgãos apresentam de realizar movimentos autônomos), e isso não está relacionado à cafeína. Observamos os mesmos com café descafeinado, por isso é independente da cafeína”, afirmou o autor principal do estudo, Xuan-Zheng Shi, professor associado de medicina interna da universidade, ao Gizmodo.

Este estudo não é o primeiro a sugerir que os músculos do intestino são diretamente afetados pelo café. Já em 1990, pesquisadores descobriram que pessoas saudáveis ​​que afirmavam fazer cocô após tomar café tinham mais movimento nos músculos do cólon depois de ingerir a bebida do que aqueles que disseram que nunca sentiram vontade.

Como no estudo atual, os efeitos puderam ser observados mesmo quando as pessoas bebiam café descafeinado. E, considerando o pouco tempo que foi necessário para ver essas contrações – em quatro minutos – os pesquisadores do estudo de 1990 especularam que o café poderia estar atuando indiretamente no cólon por meio do intestino delgado ou do estômago. Foi esse mesmo estudo que estabeleceu que nem todos sentem a necessidade de fazer cocô após o café; apenas cerca de 30% das pessoas.

Shi e sua equipe não se limitaram a estudar apenas o intestino diretamente, no entanto. Eles também examinaram as fezes dos ratos. Eles descobriram que havia menos bactérias totais no cocô dos que haviam bebido café em comparação aos que não ingeriram. E quando colocaram em uma placa de Petri e expuseram as fezes a uma solução feita com 1,5% de café, as bactérias pararam de crescer tanto; o mesmo efeito, mas mais forte, pôde ser visto quando eles expuseram a 3% de café. Assim como antes, o café descafeinado produziu resultados semelhantes.

“Isso é realmente interessante, porque significa que o café poderia ser um agente antibacteriano, e observamos isso novamente com o café descafeinado”, disse Shi. “Mas precisamos estudar mais – por que o café pode ter esse efeito de supressão no microbioma.”

No momento, ainda é cedo para dizer com que precisão o café poderia estar afetando o ecossistema microbiano em nosso intestino, conhecido como o microbioma intestinal. Sabemos que o microbioma intestinal é um ambiente delicado e, se o café estiver se livrando ou retardando o crescimento de bactérias consideradas saudáveis, isso seria ruim. Por outro lado, outra pesquisa sugeriu que o café pode afetar positivamente a saúde geral do cólon e diminuir o risco de câncer de cólon (como em todas as pesquisas sobre dieta, no entanto, é difícil ter certeza de qualquer coisa).

Outros estudos mostraram uma associação entre o microbioma intestinal e um intestino saudável em movimento. Mas não está totalmente claro como o primeiro afeta o segundo, nem Shi e sua equipe estão dizendo que os efeitos do café no intestino estão definitivamente trabalhando no microbioma – apenas que eles encontraram uma relação interessante para continuar pesquisando.

Mesmo que as bactérias do intestino desempenhem um papel na capacidade do café de nos fazer evacuar, provavelmente não é o único mecanismo envolvido. Portanto, é preciso realizar mais pesquisas para desvendar todas essas influências variadas. Independentemente de como, os autores também disseram que vale a pena explorar se o café deve ser usado como uma maneira relativamente fácil de ajudar pessoas com prisão de ventre ou obstrução intestinal, duas complicações que podem acontecer após algumas cirurgias. Shi e sua equipe também planejam ter seu atual estudo publicado em um periódico revisado por especialistas nos próximos meses.

Enquanto isso, para aqueles que estão se perguntando – ainda há poucas evidências de que tomar café pelo outro lado do corpo, também conhecido como enema de café, proporciona quaisquer benefícios à saúde ou “desintoxica” você em qualquer sentido.