Arda, o mundo de J.R.R. Tolkien onde começa a história de O Senhor dos Anéis, se estende muito antes da aventura de Frodo rumo à destruição de Sauron. Parte dos acontecimentos serão explorados na série da Amazon e histórias anteriores à trilogia principal também serão apresentadas.

Porém, Arda tem uma divisão notável de eras. Aqui está um breve guia de quando e onde cada coisa aconteceu.

Música dos Ainur

Ainulindalë, como é conhecido no idioma élfico Quenya, é o mito da criação sobre a própria fundação não apenas de Arda, mas dos seres míticos que o moldariam nas gerações vindouras. Antes de os próprios conceitos de tempo e matéria existirem, o primeiro ser trazido à existência é a resposta de Senhor dos Anéis a um poder divino: Eru Ilúvatar.

É Ilúvatar quem canta a canção da criação para fazer com que seus agentes mais importantes, os Ainur (os 14 Valar angelicais e seus próprios servos) e os espíritos primordiais chamados Maiar, deixando a maior parte do trabalho para ele se ocupar.

Em O Silmarillion, esse processo é descrito como uma improvisação celestial. Ilúvatar cantaria para seu Ainur os conceitos e ideias que ele teria para a própria criação. Eles, por sua vez, pegariam esses temas e os desenvolveriam em harmonias que acabariam por culminar com a criação da própria Arda.

Os Valar e Maiar então pegaram Arda (concedido com a visão de Ilúvatar de como seria o futuro desta criação) para guiá-lo, junto a seus seres, ao longo dos planos divinos. Mas nem tudo são flores. Durante o Ainulindalë, a divisão inicial entre Eru Ilúvatar e Melkor (um dos Valar que não buscava harmonia com seu criador, mas um poder semelhante a ele) começa quando Melkor tenta trazer discórdia para Ilúvatar e o resto dos Ainur, corrompendo muitos dos o Maiar à sua causa, no processo.

Era das Lâmpadas

Existem duas maneiras reais de medir o tempo da história de Arda, divididas entre a sociedade sagrada dos cálculos dos Ainur e as das próprias raças mortais de Arda.

Os anos das lâmpadas foram os primeiros a serem medidos em anos Valian, mas no que entenderíamos como um ano tradicional – mapeando a passagem do planeta em torno do sol, que, para que conste, ainda não existe em Arda – a Era das Lâmpadas é um período que dura cerca de 15 mil anos.

Seu nome deve-se às duas fontes de luz que os Valar criam quando chegam à superfície de Arda, encontrando uma faixa de terra totalmente plana e simétrica. Coletando a luz encontrada em Arda, os Valar forjaram duas lâmpadas no Norte e no Sul, no topo de torres maciças; llluin, no norte, e Ormal, no sul, enquanto os próprios Valar se estabeleceram no próprio centro de Arda, para existir à luz mais distante de ambas as lâmpadas na ilha de Almaren.

A Era das Lâmpadas termina quando, após construir suas próprias fortalezas e reunir poder, Melkor assalta Almaren e as duas lâmpadas, destruindo suas torres para que despencassem para Arda. O dano foi catastrófico, dividindo o que antes era uma massa de terra singular em quatro continentes: Aman, Terra-média (ou Endor como era conhecida pela primeira vez), a Terra do Sol e a Terra das Trevas.

Era das Árvores

Depois que as “travessuras” de Melkor roubaram a luz de Arda, os Valar desarraigaram sua sociedade e se mudaram para o oeste, fundando a região de Valinor em Aman. Construídas pelos Valar Yavanna e sustentadas pelas lágrimas de seus companheiros Valar Nienna, duas árvores em Valinor (Laurelin e Telperion) forneceram luz para a nova sociedade dos Valar. Uma luz dourada projetada e a outra prata e seu orvalho foram recolhidos pelos Valar Varda para formar a base da luz das estrelas, o que daria ao resto de Arda alguma semelhança com a luz perdida com a destruição de Illuin e Ormal.

A Era das Árvores durou cerca de outros 14 mil anos, chegando ao clímax quando Melkor, libertado de seu cativeiro em Aman, firma um pacto com a aranha primitiva Ungoliant para matar as árvores. Ao contrário do destino de Illuin e Ormal, no entanto, certa luz de Laurelin/Telperion é preservada, dada a dois dos Maiar (Arien e Tilion) que levaram-na para o céu. Isso forma o Sol (da fruta de Laurelin) e a Lua (das folhas da Telperion).

Sabemos que teremos um vislumbre desse período em O Senhor dos Anéis da Amazon, já que a primeira imagem da série mostra Laurelin e Telperion. Também é importante notar que este período também é quando os primeiros elfos e anões despertam em Arda, iniciando sua longa conexão com os Valar e o próprio Melkor.

Primeira Era do Sol

O que realmente conhecemos como a história de Senhor dos Anéis é coletivamente relacionada às Eras do Sol. Este é o período em que os dois corpos celestes aparecem pela primeira vez.

A Primeira Era em si é apenas o primeiro capítulo, pouco menos de 600 anos, em grande parte dos quais Melkor (agora conhecido como Morgoth) mantém o domínio sobre os reinos da Terra-média. Os homens aparecem pela primeira vez no continente durante este período, marcado pelo surgimento dos os exilados noldorianos na Terra-média, elfos que viajaram para Aman durante os Anos das Árvores que perseguiram Morgoth – depois que ele os destruiu e roubou as poderosos joias com vestígios da luz de Laurelin e Telperion, as Silmarils.

Formando uma aliança com os elfos Sindar que permaneceram na região de Beleriand da Terra-média, as três tribos de homens (conhecidas coletivamente como Edain), os Anões, os Noldor e uma hoste de Valar e Maiar foram para a guerra com Morgoth em uma batalha conhecida como a Guerra da Ira. Isso culminou na destruição de Morgoth e em danos cataclísmicos à Terra-média, com grande parte de Beleriand afundada no oceano e mortes incontáveis, incluindo a quase dizimação dos Edain.

Segunda Era do Sol

Este período, que dura quase 3,5 mil anos, prepara o palco para muito do que sabemos em O Hobbit e O Senhor dos Anéis. É também o cenário principal desta série da Amazon.

Embora Morgoth tenha sido destruído na Guerra da Ira, as forças das trevas permaneceram em segredo esperando para continuar sua missão contra os Valar e Eru Ilúvatar. Na maior parte, a Segunda Era começa como um período de relativa paz, como uma reconstrução para os seres de Arda. Elfos começam a emigrar lentamente para o oeste, querendo se estabelecer nas encostas da Terra-média ou emigrando para as terras dos Valar em Aman, enquanto os Maiar Eönwë ergueram os remanescentes dos Edain e se estabeleceram na ilha de Númenor.

Infelizmente, isso não dura muito. Sauron, um dos principais tenentes de Morgoth, começa a tramar seus planos para corromper os elfos e os homens na metade da Segunda Era.

Disfarçado de Maiar Annatar, Sauron enfeitiçou os elfos de Eregion para forjar o anel do poder enquanto ele forja o Um Anel para dominar aqueles que os usam. A descoberta a respeito deste engano de Sauron dá início a uma guerra entre Sauron e os elfos da Terra-média que culmina com o segundo Lorde das Trevas sendo enviado de volta para Mordor.

Séculos depois, o Rei Númenoreano Ar-Pharazôn (chefe de um Reino que agora se estendia além da própria Númenor e que agora desconfiava dos elfos) marchou com um exército para Mordor para capturar Sauron, prendendo-o em Númenor, onde Sauron prontamente começou corrompendo os Númenoreanos, voltando-os contra os Valar e convencendo Ar-Pharazôn a tentar pousar em Aman e atacar os Valar.

O movimento se saiu mal: Eru Ilúvatar aparece e está tão louco que não só esmaga os Númenoreanos e a forma física de Sauron, como afunda Númenor por completo, isolando Aman do resto de Arda. Arda não é mais uma “Terra plana”, virando um planeta esférico.

Os Númenoreanos restantes fogem para a Terra-média e estabelecem os reinos de Gondor e Arnor. Depois de mais algumas centenas de anos, Sauron reforça sua forma física. Você sabe o que acontece a seguir, porque é assim que a Sociedade do Anel surge: a Última Aliança de Elfos e Homens é criada para derrotar Sauron, culminando com seu corpo mais uma vez sendo destruído nas pegadas do Monte da Perdição pelo Príncipe Isildur.

Assine a newsletter do Gizmodo

Terceira Era do Sol

A Terceira Era é a mais conhecida por nós, pois é quando os eventos de O Hobbit e O Senhor dos Anéis ocorrem, embora sejam nas últimas décadas de um período que dura 3 mil anos.

Sauron, mais uma vez tendo perdido a forma física, passa a maior parte do tempo como um grande e velho Olho em Mordor e procurando por seu há muito perdido Um Anel, depois que Isildur o perde em um ataque orc no caminho de volta para Gondor. Os Elvens, continuando sua transição para o lado dos Valar nas Terras Imortais de Valinor, transferem muito poder para o domínio crescente dos Homens. Então as histórias de O Hobbit e O Senhor dos Anéis acontecem e a Terceira Era termina com a destruição de Sauron e do Um Anel graças a um Hobbit muito bom e seu jardineiro.

Temos apenas um pequeno vislumbre da Quarta Era no fim da história, começando com a coroação de Aragorn como Rei Elessar dos reinos recém-reunidos de Gondor e Arnor. A influência dos elfos na Terra-média diminui, pois muitos deles navegam para o oeste para viver com os Valar em Aman neste período. Depois que Frodo, Merry, Pippin e Sam reagrupam os Hobbits do Condado para libertá-lo do controle de Saruman e Grima Wormtounge (e as forças do Rei Elessar empurram para trás os remanescentes dos exércitos de Sauron), Arda entra em um período de paz, assim como foi há milhares de anos.