Esse cone de plástico que encaixa no seu olho é, na verdade, um telescópio extremamente fino, e o zoom dele é ativado com um simples piscar de olhos.

Essas lentes de contato foram desenvolvidas por pesquisadores suíços da École Polytechnique Fédérale de Lausanne e custeadas pela DARPA. São lentes esclerais, um tipo de plástico rígido usado em aplicações médicas específicas. Nessas, entretanto, foram incorporadas finos espelhos de alumínio que servem para, basicamente, esconder um telescópio em seus olhos.

Mas é aí que as coisas complicam. As lentes de contato precisam trabalhar junto com um par de lentes de cristal líquido conectado a um sistema eletrônico. As lentes podem alternar entre luzes polarizada de diferente ângulos, de modo que a luz adentrará os olhos de forma diferente. Pisque o olho direito e a luz entra do ângulo que fará a lente magnificar. Pisque o olho esquerdo e a luz entra a região normal do olho. Pisque os dois olhos normalmente e nada acontecerá.

Até o momento, as lentes podem ser usadas por apenas trinta minutos por vez pois o material rígido dela não é permeável o suficiente para oxigenar o olho. Os pesquisadores já experimentaram com passagens de 0.1 mm na lente para permitir fluxo de oxigênio, mas a respiração dos olhos tem se provado um enorme desafio.

Segundo os criadores das lentes de contato, a aplicação mais imediata das lentes-telescópio seria para pessoas que sofrem de degeneração macular relacionada à idade. Mas o resto de nós está só aguardando algo que rivalize os olhos biônicos.

tbcmfned3dmg1n2hvqzt