O livro Epic Win For Anonymous fala sobre a fascinante realidade do 4chan, a terra sem leis da internet, com enfoque especial no surgimento e atuação do grupo de “hacktivistas” conhecido como Anonymous. Mesmo com este título lisongeiro, Anon não gostou da publicidade: a primeira resposta que o autor recebeu quando foi ao fórum informar da publicação do livro foi um singelo “por gentileza, queira se matar imediatamente”.

Quando a massa anônima do /b/ resolve aplicar o seu peso contra algum alvo em potencial, as táticas mais comuns são usar o não-anonimato do resto da internet a seu favor. Eles se juntam e descobrem todos os podres que possam ser descobertos, mesmo que bem escondidos, sobre o seu alvo, e usam isso como arma. O grupo já conseguiu causar estragos consideráveis a muitas de suas vítimas, desde famosos como a governadora americana Sarah Palin até meninas pré-adolescentes como Jessica Leonhardt, que os provocaram.

“Você está assustado?”, todo mundo me pergunta quando descobrem que eu escrevi a respeito do grupo.

Não mesmo. O Anonymous é bem pouco efetivo quando você não fornece as ferramentas que eles precisam para colocar em prática as suas “táticas de ruína de vida”. Não há fotos comprometedoras minhas passeando pelo 4chan porque não há fotos comprometedoras minhas em lugar algum.

Se você não der uma ajuda ao Anon, eles não vão conseguir fazer muita coisa além de enviar SPAM para a sua caixa de correio e entregas de pizza para a sua porta. Até agora eu recebi apenas uma pizza de 90 dólares, com todos os tipos disponíveis de coberturas. Mas isso não me causa nenhum mal; é apenas uma inconveniência para o pobre entregador que precisa levar a pizza de volta.

Sendo o 4chan o epicentro cultural da internet, a origem tanto dos memes dos quais você dá risada quanto da maior parte dos esforços que resultaram na ocupação da Wall Street por milhares de protestantes contra o sistema econômico americano, é natural que cada vez mais eles sejam estudados e comentados na mídia. O escritor Cole Stryker pode ter sido um dos primeiros a quebrar as duas primeiras regras da comunidade de maneira tão aberta, mas certamente não será o último. [Ars Technica, Huffington Post]

Epic Win For Anonymous foi lançado neste dia primeiro de Setembro, e ainda não tem edição em português.