Quase três em cada quatro cães apresentam algum tipo de problema comportamental sério relacionado à ansiedade, de acordo com uma pesquisa envolvendo quase 14.000 cachorros de estimação. Muitos desses problemas variaram de acordo com a raça, apontando para a necessidade de maior conscientização dos donos e melhores práticas de reprodução.

Pesquisas publicadas nesta quinta-feira (5) no Scientific Reports mostram que 72,5% dos cachorros apresentam comportamentos de ansiedade, como sensibilidade a ruídos e medo de estranhos. Os cães, sugere esta pesquisa, estão mais estressados ​​do que provavelmente imaginamos.



Dito isto, a gravidade desses comportamentos indesejáveis ​​variava de raça para raça. Portanto, os donos que desejam melhorar a qualidade de vida de seus cachorros devem estar cientes dessas diferenças e cuidar de seus animais de estimação adequadamente, aconselham os autores da nova pesquisa, liderada por Hannes Lohi, da Universidade de Helsinque, na Finlândia. Os criadores também devem estar cientes dessas questões comportamentais específicas da raça e adotar melhores práticas de reprodução, disseram eles.

A nova pesquisa envolveu 13.715 cães de 264 raças, incluindo 200 cães de raças mistas. O principal problema relacionado à ansiedade tinha a ver com a sensibilidade a ruídos, mas outros problemas incluíam agressão e ansiedade de separação. As novas descobertas mostram que os labradores, por exemplo, são significativamente menos agressivos com estranhos do que os schnauzers miniatura, classificados no topo desta categoria. A sensibilidade ao ruído e o medo também variaram de acordo com a raça.

Gráfico mostrando a prevalência de características comportamentais em todos os cães estudados. Imagem: M. Salonen et al., 2020

Os donos de cachorros finlandeses, por meio de um questionário online, foram convidados a avaliar seus animais de estimação de acordo com sete características relacionadas à ansiedade: sensibilidade ao ruído (como fogos de artifício ou trovões), medo (como medo de outros cães, estranhos ou novas situações), medo de certas superfícies e alturas (como caminhar sobre grades de metal ou pisos brilhantes ou descer escadas), desatenção e impulsividade, comportamento compulsivo, agressão e ansiedade de separação. Os pesquisadores então compilaram um grande conjunto de dados, classificando os cães como sendo de “baixo atributo” ou “alto atributo”, dependendo da gravidade e frequência dos comportamentos relatados.

Ao fazer pesquisas científicas, pesquisas autorreferidas (ou, neste caso, pesquisas respondidas pelos donos) são frequentemente vistas com um olhar crítico. Os donos de cães, é justo dizer, nem sempre são as fontes de informações mais objetivas quando se trata de seus animais de estimação. Dito isto, Milla Salonen, a primeira autora do novo estudo e aluna de doutorado da Universidade de Helsinque, disse que os donos de cães são realmente muito bons em avaliar seus animais.

Como raça, schnauzers miniatura tendiam a ser os mais agressivos para com estranhos. Imagem: Living in Monrovia/Flickr

“Os donos são os mais familiarizados com seus cães, e suas respostas nos questionários são baseadas em sua experiência cumulativa do comportamento de seus cães, o que é benéfico para a pesquisa de comportamentos”, disse Salonen ao Gizmodo.

Estudos anteriores, incluindo o próprio estudo de validação de 2014 dessa equipe, sugerem que questionários “medem o comportamento dos cães com precisão e que os questionários de personalidade dos cães são tão confiáveis, ou até mesmo ligeiramente mais confiáveis, do que questionários de personalidade de humanos”, disse Salonen.

Analisando os números, 32% de todos os cães tinham medo de um ruído específico, com um em cada quatro cães tendo sérios problemas com fogos de artifício. Quase 30% dos cães tinham algum tipo de medo, seja de outros cães (17%), de estranhos (15%) ou de novas situações (11%). A agressão foi documentada em 14% de todos os cães e a ansiedade de separação em 5%.

Curiosamente, a sensibilidade ao ruído na verdade piora à medida que os cães envelhecem, principalmente o medo de trovão. O mesmo poderia ser dito para o medo de altura e certas superfícies (um ex-husky siberiano meu tinha um medo terrível de grades de esgoto, por exemplo, que piorou com o tempo). Não é de surpreender que os cães mais jovens tendem a ser mais desatentos, hiperativos e compulsivos em comparação aos cães mais velhos, danificando frequentemente os pertences ou urinando quando deixados sozinhos.

Diferenças de raça para duas categorias selecionadas: medo de trovões e medo de estranhos. Imagem: M. Salonen et al., 2020

As raças mais comuns relatadas na pesquisa, nas quais foram adquiridos dados de 200 ou mais cães, foram usadas para avaliar as diferenças entre as raças. Em alguns casos, essas diferenças eram triviais, mas em outros casos bastante pronunciadas.

Por exemplo, apenas 15,3% dos border collies relataram ter medo de altura, em comparação com os 38,7% dos collies ásperos. Os border collies, por outro lado, estavam mais inclinados a olhar e atacar a luz ou as sombras, o que não é visto com muita frequência em outras raças.

Outras grandes diferenças incluem o medo de estranhos – Staffordshire bull terrier (1,5%, com a taxa mais baixa) e Cães D’água Espanhóis (27,5%, o mais alto) – e agressão a estranhos – Labradores (0,4%, o mais baixo) e Schnauzers miniatura (10,6%, o mais alto). Lagotto romagnolos, wheaten terriers e raças mistas eram os mais sensíveis ao ruído.

Algumas dessas porcentagens são relativamente baixas e as raças não devem ser vistas de maneira generalizada com base nesses resultados. Nossa família tem um schnauzer miniatura, por exemplo, que absolutamente ama estranhos, então ela faz parte dos 89,4% dos schnauzers miniatura que não demonstram agressão a estranhos. Dito isto, ela tem medo de outros cães, o que é consistente com a pesquisa.

Gráfico com diferenças de comportamento entre raças de cachorro
Gráficos de radar mostrando comportamentos de duas raças, o border collie e o schnauzer miniatura. Imagem: M. Salonen et al., 2020

Os pesquisadores também foram capazes de vincular esses comportamentos problemáticos a outros, um exercício que poderia melhorar nossa compreensão de problemas de saúde psicológicos semelhantes em humanos.

“Possivelmente, a descoberta mais surpreendente foi uma forte comorbidade, em outras palavras, correlação entre hiperatividade/impulsividade, desatenção, comportamento compulsivo e ansiedade de separação”, disse Salonen ao Gizmodo. “A comorbidade nas características comportamentais tem sido pouco estudada em cães, e a associação entre essas características não foi examinada antes. Na psiquiatria humana, por outro lado, o TDAH e o transtorno obsessivo-compulsivo são altamente comórbidos”.

Esse resultado, disse ela, sugere que os cães podem ser objetos de pesquisa adequados para o TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção / Hiperatividade) e o TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo).

O forte vínculo entre hiperatividade/desatenção, comportamento relacionado à separação e compulsão é algo que os donos de cães precisam estar cientes. Pesquisas futuras desta equipe explorarão os fatores demográficos e ambientais por trás desses problemas com mais detalhes, mas Salonen disse que é possível que proporcionar aos cães mais exercícios e permitir que participem de atividades, como treinamento em obediência e agilidade, ajude a aliviar esses comportamentos indesejáveis.

Dada a natureza genética desses comportamentos, também é importante que os criadores estejam cientes dessas últimas descobertas. Como possíveis remédios, os criadores poderiam fazer um trabalho melhor selecionando indivíduos para procriação e garantindo que os filhotes socializem com pessoas, inclusive estranhos, de acordo com Salonen.

Os donos de cães em potencial – especialmente aqueles que estão pensando em comprar um cão de raça pura pela primeira vez – também devem estar cientes dessa pesquisa.

“É importante pensar em quanto você exercitará e realizará qualquer atividade com o cachorro. Se você quer um cão apenas como companheiro e não se exercita intensamente ou por longos períodos de tempo, não é aconselhável adquirir um cão de exercício, ou seja, um cachorro com alto nível de energia”, disse Salonen. “Em vez disso, é melhor ter uma raça que se adapte ao seu estilo de vida – embora todos os cães precisem ser exercitados pelo menos um pouco. Além disso, você deve selecionar o filhote e a ninhada cuidadosamente. Se os pais do seu cão tiverem medo, por exemplo, é provável que ele também tenha. Finalmente, se você adquirir um filhote, deve continuar o processo de socialização que o criador já iniciou”.

Um conselho: ter um cachorro dá trabalho, mas certamente vale a pena.