Quem pensa que o vocalista é o integrante mais importante de uma banda, se enganou. Um novo estudo científico descobriu que o membro mais importante de qualquer banda é, na verdade, o baixista. Isso mesmo, você não leu errado! 

Não é nenhum segredo que, em muitas bandas, o baixista é aquele cara que, na maioria das vezes, ninguém presta atenção; e o mesmo vale para o som baixo, muitos vão ouvir, mas não focam sua atenção na importância dele. O que muitos não sabem é que o instrumento e o integrante são considerados o membro mais importante de uma banda. 

Um estudo científico conduzido pela PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America) mostra que os sons apresentados pelo instrumento são os mais importantes para que as bandas tenham boas construções rítmicas e, consequentemente, sejam melhor interpretadas pelo ouvido humano. 

A percepção de tempo superior para timbres musicais graves explica por que instrumentos na faixa de frequência dos baixos criam ritmos musicais”, diz o estudo. 

Segundo a NME, o estudo comprova que o cérebro humano tem mais facilidade com a percepção e compreensão de ritmo quando ele é apresentado em tons mais graves, como os do baixo, e a probabilidade de dançar, bater os pés e responder a músicas com os baixos em evidência é muito maior do que aquelas com instrumentos de tons mais agudos, como guitarras e baterias.

“Os resultados de um modelo biologicamente plausível da periferia auditiva sugerem que a dinâmica coclear não linear contribui para o efeito observado”, diz o relatório. “O efeito de superioridade de voz baixa para codificação de tempo explica a prática musical generalizada de carregar ritmo em instrumentos de baixo alcance e complementa efeitos de superioridade de voz alta previamente estabelecidos para tom e melodia.”

Além disso, segundo a pesquisa, um ouvinte consegue identificar melhor erros cometidos na linha de baixo por causa dos registros graves. A metodologia do estudo foi a seguinte: os participantes ouviam sons agudos e graves ao mesmo tempo e em algum momento um dos dois saia do ritmo. O resultado foi uma melhor percepção dos erros vindos dos sons graves.

Enquanto isso, outro estudo da Northwestern University descobriu que músicas com mais graves fazem o ouvinte se sentir mais poderoso e confiante. Isso ocorre depois que a Polymic descobriu, em 2014, que os bateristas são ‘mais inteligentes’ do que qualquer outra pessoa.

Em resumo, a partir de uma série de estudos biológicos e testes de músicas das mais diversas com a resposta do ouvido humano, a pesquisa chegou à conclusão de que o baixo é fundamental para a construção do ritmo e obtenção de resposta por parte do ouvinte.

Os baixistas são importantes não só na química da banda, mas são parte integrante da criação de um som sólido. Mas mesmo com essa importância, é muito difícil vermos esse integrante recebendo o destaque que merece, ao contrário dos guitarristas. 

Entre os principais baixista que fizeram história na música, estão John Paul Jones (Led Zeppelin), Flea (Red Hot Chil Peppers), Geddy Lee (Rush), John Myung (Dream Theater), entre outros. Bora ouvir um solo e valorizar mais os baixistas?