Uma equipe que busca por sinais de inteligência extraterrestre elaborou o Exotica Catalog, uma lista de todos os tipos de objetos celestiais conhecidos, mesmo que ainda não totalmente compreendidos pela ciência.

O Exotica Catalog foi elaborado por pesquisadores do Breakthrough Listen, um programa com duração prevista de uma década que procura sinais de vida inteligente no universo. O projeto ambiciosamente inclui “um pouco de tudo” na astronomia.

O que faz parte do catálogo

O catálogo tem mais de 700 alvos diferentes, que vão de asteroides, cometas e planetas a pulsares, galáxias, nebulosas e nuvens estelares. O objetivo dele é “expandir a diversidade de alvos pesquisados na Busca de Inteligência Extraterrestre (SETI)”, segundo o artigo da equipe, mas o compêndio poderia ser alavancado para outros fins.

“No futuro, pode também beneficiar estudantes ou o público em geral, pessoas que estejam tentando obter uma visão geral da astronomia ou que estejam tentando decidir o que estudar”, explicou Brian Lacki, pesquisador do Departamento de Astronomia da Universidade da Califórnia em Berkeley e autor principal do trabalho, em um e-mail para o Gizmodo. “Alguns dos objetos das listas eram coisas que eu não sabia o que era até a graduação ou até mesmo até estarmos compilando o catálogo.”

Lacki espera que o catálogo inspire os cientistas a explorar alguns dos aspectos mais esotéricos ou misteriosos da astronomia, mas seu objetivo principal é auxiliar pesquisadores e astrobiólogos do SETI.

Vários esquemas de classificação já foram tentados antes, mas nada nesta escala. No total, Lacki e seus colegas identificaram 737 objetos astronômicos distintos, alguns muito bem compreendidos e outros que ainda precisam de atenção científica. Enquanto o catálogo estava sendo compilado, e à medida que o número de alvos crescia e crescia, Lacki se preocupava com o número cada vez maior, simplesmente para fins de praticidade.

“Felizmente, a equipe tem apoiado muito o projeto, mesmo com o crescimento desse número”, disse ele. “O que acontece é que à medida que você lê mais e mais literatura, e aprende mais sobre todas essas coisas diferentes, você encontra mais e mais objetos que se destacam o suficiente. Então, às vezes havia um sentimento de vamos ‘só mais um’.”

Lacki comparou o processo à biologia, na qual “você tem alguns grandes agrupamentos, mas pode continuar a ser mais detalhado até que você tenha milhões de espécies.” Veja, por exemplo, os planetas, dos quais existem vários tipos conhecidos, incluindo Jupiteres quentes, mini-Netunos, super-Terras e anões sub-anãs-marrons, só para citar alguns.

O novo catálogo também inclui alguns objetos tecnológicos no espaço, todos eles pertencentes a nós. Entre eles estão as sondas Voyager, a nave espacial New Horizons, satélites meteorológicos e até mesmo o Tesla Roadster vermelho de Elon Musk. Isso faz você se perguntar sobre as coisas estranhas que alienígenas podem ter jogado no espaço, algumas das quais podem até entrar neste catálogo algum dia.

Estratégia para buscar vida alienígena

O Exotica Catalog significa ainda a contínua mudança das estratégias do SETI. Tradicionalmente, os cientistas buscam sinais alienígenas “familiares” (como as emissões de rádio). Porém, há essa mudança para o Dysonian SETI, no qual os cientistas buscam assinaturas técnicas extraterrestres, ou seja, sinais de tecnologia alienígena: coisas como conchas Dyson (uma estrela cercada por painéis solares), resíduos industriais, habitats espaciais gigantescos, faróis, e coisas que nem podemos imaginar.

Uma motivação para Lacki ao compilar o catálogo foi a ideia de que algumas inteligências alienígenas poderiam ser excepcionalmente diferentes de nós, e por consequência, estarmos procurando por elas nos lugares errados.

“Há décadas que as pessoas se perguntam: e se elas são máquinas, ou não usam água, ou são baseadas em silício ou plasma ou matéria estelar de nêutrons? Claro, esse é um tema comum na ficção científica, mas essas ideias têm se espalhado um pouco pelo SETI também. É animador que possamos começar a responder a essa pergunta”, disse Lacki. “Pode até ser possível que haja coisas por aí que sejam ambíguas, se forem ‘inteligentes’, mas que, de alguma forma, sejam igualmente interessantes.”

Este catálogo deve ajudar nesse sentido, pois poderia sinalizar potenciais alvos de interesse entre os caçadores alienígenas. Além disso, o compêndio também poderia desempenhar a função oposta, fornecendo uma explicação natural para algo que parece ser artificial.

Lacki e seus colegas encaixaram objetos astronômicos em quatro categorias principais: Protótipos, Superlativos, Anomalias e Controles (basicamente, pontos de referência enfadonhos que não se espera que produzam resultados positivos).

Protótipos são coisas com que estamos bem familiarizados, como planetas, galáxias, aglomerados de estrelas, estrelas de nêutrons, buracos negros, e assim por diante. De forma impressionante, a cada item individual foi atribuído um exemplo arquetípico para referência.

Os superlativos servem como uma espécie de Guinness Book of World Records, fornecendo uma lista de objetos com as características mais extremas, como o maior planeta, a estrela mais quente, ou o pulsar mais rápido.

Anomalias são exatamente o que o nome diz: objetos que não entendemos completamente – coisas como estrelas variáveis (por exemplo, a Estrela de Boyajian), estrelas em extinção, rajadas rápidas de rádio e outros fenômenos ainda sem explicação.

Dentre as várias anomalias listadas, Lacki disse que a NGC 247 está entre as suas favoritas. Este objeto é uma galáxia espiral relativamente próxima que parece ter um buraco em um lado de seu disco, com menos estrelas que o normal. Agora, uma ideia apresentada no SETI é que alguns alienígenas avançados podem saltar de estrela em estrela dentro de sua galáxia hospedeira e construir esferas de Dyson ao redor de cada estrela para colher o máximo de energia possível.

“É uma concha gigante ou enxame que envolve completamente um sol, o que o esconderia da nossa vista. Então se nós pegamos uma galáxia no meio desse processo, ou se eles pararam antes de cobrir a galáxia inteira, o esperado seria encontrar uma galáxia com um buraco nela”, disse Lacki ao Gizmodo. “Provavelmente não é isso que está acontecendo com o NGC 247 – esperamos que a luz do sol aqueça a esfera de Dyson até que ela brilhe em luz infravermelha, e não vemos isso neste ‘buraco’, até onde eu sei.”

Mesmo assim, é definitivamente estranho, e Lacki diz que pouco trabalho foi feito para explicar completamente este estranho buraco.

Com este catálogo, cientistas e astrobiólogos do SETI finalmente têm um útil guia de referência para cruzar suas descobertas e, espera-se, inspirar novos caminhos de pesquisa. Talvez, em breve, possamos finalmente saber se alguém está por aí.