A FAA (Administração Federal de Aviação) acusou a Boeing de ocultar uma troca de conversas entre dois funcionários mostrando a preocupação deles sobre o mal-funcionamento de um sistema automatizado dois anos antes de ocorrer os acidentes na Etiópia e Indonésia que mataram 346 pessoas.

Na mensagem Mark Fokner, que era responsável técnico pelo 737 Max à época, disse a um outro piloto que em um simulação de voo o sistema automático da 737 Max, conhecido como MCAS, estava dificultando para fazer aeronave voar.



“Está indo de forma desenfreada no simulador”, disse Forkner para seu colega de trabalho em 2016, segundo uma transcrição analisada pela Reuters, pelo New York Times e pela CNBC. “Compreendido, eu sou péssimo para voar, mas isso aqui é grave”.

O outro piloto disse que seria necessário atualizar o MCAS.

“Eu basicamente menti para os reguladores”, respondeu Forkner, segundo a CNBC, presumivelmente se referindo à uma interação prévia com as autoridades. O outro piloto respondeu que “não era mentira, ninguém nos disse que este era o caso”, no caso, que o MCAS causou os problemas.

A FAA disse em um comunicado na sexta-feira que a Boeing compartilhou as mensagens com a agência na quinta-feira, mas a fabricante da aeronave descobriu esta troca de conversas há meses atrás. Após revisar o documento, o administrador da FAA, Steve Dickson, enviou para o CEO da Boeing, Dennis Muilenburg, uma carta se referindo à informação como “preocupante” e pressionou a companhia a explicar sobre por que não compartilhou esta transcrição de conversa anteriormente. “Esperamos uma explicação imediatamente sobre o conteúdo deste documento e sobre a demora da Boeing em divulgar o documento para reguladores”, escreveu Dickson.

O New York Times informa que a Boeing forneceu a transcrição para o Departamento de Justiça nesta semana para preparar o interrogatório no qual Muilenburg deve testemunhar como parte da investigação criminal da agência.

Questionada pelo Gizmodo, a Boeing não explicou por que apenas compartilhou esta transcrição de conversas para a FAA nesta semana, mas um porta-voz disse que a companhia tem cooperado com as investigações da entidade de transporte dos Estados Unidos, o US House Transportation and Infrastructure Committee sobre o 737 Max nos últimos meses.

“Como parte da cooperação, hoje nós chamamos a atenção do comitê para o documento contendo as declarações de um ex-funcionário da Boeing”, disse um porta-voz da Boeing ao Gizmodo. “Nós continuaremos a cooperar com o Comitê conforme o órgão continua sua investigação. E nós continuaremos a seguir as recomendações da FAA e de outros reguladores globais, conforme trabalhamos para voltar o serviço com o 737 Max”.

Semana passada, a American Airlines disse que espera que as aeronaves 737 Max comece a voar em 16 de janeiro de 2020. Quantas pessoas deverão aceitar tranquilamente voar nesses aviões é uma pergunta que ninguém ainda fez.