O primeiro turno das eleições municipais terminou ontem, e para muitas pessoas houve grande surpresa no resultado do pleito. Na cidade de São Paulo, por exemplo, teve muita gente que ficou com o pé atrás após a vitória do candidato João Doria. Entre meus contatos do Facebook, foi bem comum ver questionamentos como “onde estão os eleitores do Doria?” ou “em que parte do Facebook estão as pessoas que votaram no Doria?”.

Se aconteceu algo parecido com você, há duas possíveis respostas. Os eleitores de Doria eram menos engajados nas redes sociais que dos outros candidatos — algo que não sabemos por ora, pois depende de análise de dados do Facebook — ou você pode estar dentro de uma bolha.

O conceito da bolha

Caso você não esteja habituado com o termo, o “efeito bolha” é uma teoria criada pelo ativista americano Eli Pariser. Ela consiste no fato de que algoritmos ajudam a moldar o que sabemos. Quando isso é aplicado no consumo de notícias, Pariser diz que os códigos acabam sendo enviesados, pois sempre mostrarão resultados baseados em nossas crenças (a partir de cliques em artigos e sites que acessamos) ou da maioria de nossos amigos (na interação com posts de contatos em redes sociais), e nos privando de opiniões contrárias às nossas.

Novo estudo do Facebook revela quanto a rede social filtra o que você vê

Pariser diz que isso é um problema, pois os algoritmos podem nos cercar de notícias compatíveis com o que já acreditamos, e que eles tenderiam a diminuir a prioridade de notícias necessárias em uma democracia.

Em um vídeo (com legendas) no TED, o ativista explica o conceito com mais detalhes:

Facebook diz que mídias sociais são “diversas”

A tese do “efeito bolha” existe há um tempo, e o Facebook nega que faça isso. Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, falou sobre isso durante a divulgação de resultados financeiros em julho deste ano. Ele basicamente cita que com as redes sociais, na verdade, as pessoas têm acesso a muito mais pontos de vista que antes.

“Nós estudamos este efeito, e publicamos o resultado de nossa pesquisa que diz que o Facebook e mídias sociais, de modo geral, são as formas mais diversas de mídia disponíveis. (…) Se você conhecer 100 pessoas, há uma grande chance de que talvez uma pequena porcentagem, talvez 5% ou 10% ou 15% delas, tenham diferentes pontos de vista, o que significa que essas perspectivas agora são mostradas em seu feed de notícias.

Se você comparar com a mídia tradicional, onde as pessoas geralmente escolhem um jornal ou um canal de TV que eles queiram ver, eles terão 100% o posicionamento desses veículos. Com as mídias sociais, as pessoas estão tendo acesso a conteúdos muito mais distintos do que tinham antes.”

Apesar de Zuckerberg dizer isso, fica claro, mesmo pela estimativa dita por ele, que a maioria das pessoas com as quais nos relacionamos na vida real tendem a ter posições parecidas com a nossa e que isso acaba nos colocando dentro de uma…bolha.

É importante ressaltar que a rede toma decisões para os usuários e que isso não é necessariamente ruim. O Facebook afirma que seus 1,3 bilhão de usuários podem receber 1.500 novas histórias por dia, considerando status, links, fotos e vídeos. Porém, há um filtro priorizando 300 delas.

O assunto é polêmico, pois envolve a rede e as escolhas feitas pelos usuários, como nota o Business Insider:

“Todos têm culpa nisso. Se os usuários não estão buscando pontos de vista distintos dos seus, não há surpresa no fato de eles não virem posições contrárias. Ao mesmo tempo, é óbvio que os algoritmos do Facebook — treinados para mostrar aos usuários apenas conteúdos perfeitos e engajadores para eles — cedam ao enviesamento de confirmação [tese que diz as pessoas acreditam mais em uma informação se ela confirmar o que ela acredita, mesmo que seja falsa] dos membros da rede.”

O fato é que pouca gente sabe exatamente como funciona o algoritmo do Facebook, e a rede poderia muito bem informar (ou pelo menos dar pistas) de possíveis consequências que suas escolhas podem causar no feed de notícias dos usuários. Ainda mais com a rede se tornando cada vez maior, abrangente e sendo fonte de notícias para milhares de pessoas ao redor do mundo. Só no Brasil, segundo um estudo de 2015, 70% dos usuários ativos de internet usam o Facebook para se informarem.

Ok, e como sair da bolha? É uma resposta difícil, pois envolve esforço pessoal e se perguntar: “será que quero sair da bolha?”.

No caso específico do Facebook, envolve se relacionar com pessoas que pensam de forma diferente ou talvez voltar a seguir aquele usuário com ideias totalmente opostas. Por padrão, você já deve ver apenas pessoas que pensam como você ou de forma semelhante. Então, não vai fazer mal ver um pouco de opiniões divergentes.

Em um post sobre as eleições presidenciais de 2010, Pedro Burgos, que foi editor do Gizmodo Brasil, tratou um pouco do tema:

“Faça um favor a si mesmo: gaste algum tempo não só lendo mais ideias, mas especialmente ideias que você não concorda. Porque ignorar as discordâncias é o primeiro passo para criar um idiota. E a internet, com todo o seu potencial para o bem, está dando condições para isso, como apontam vários estudos.”

Eu assino embaixo.

[Business Insider e UOL Tab]