Um dos maiores experimentos do Facebook no Feed de Notícias de sua rede social, feito ano passado, deixou o serviço pior.

Em outubro do ano passado, uma reportagem do jornal inglês The Guardian revelou que o Facebook estava testando grandes mudanças. Para usuários de seis países, a rede social removeu praticamente todos os posts não promovidos de páginas e publicações do Feed de Notícias principal.

• Mãe manda mensagem desesperada para os bombeiros no Facebook e salva a vida de seu filho
• O que sabemos e o que desconhecemos sobre o novo reconhecimento facial do Facebook

Eles foram transferidos para uma seção secundária, chamada de Explorar. Como era de se esperar, ninguém gostou de ficar alternando entre duas linhas do tempo. Em alguns países, a mudança aparentemente levou a consequências inesperadas. O Facebook diz que deu a experiência por encerrada.

“Você nos deu a resposta: as pessoas não querem dois feeds separados”, disse Adam Mosseri, gerente de Feed de Notícias do Facebook, em uma publicação no blog da empresa. “Nas pesquisas, as pessoas disseram estar menos satisfeitas com os posts que estavam vendo. Além disso, elas nos contaram que ter dois feeds separados não ajudou em nada a conectá-las com seus amigos e parentes”.

A rede social testou o Explorar no Sri Lanka, na Bolívia, na Eslováquia, na Sérvia, na Guatemala e no Camboja.

Além, claro, de todo o aborrecimento de ter que ficar pulando de um feed para outro, a mudança teve um efeito colateral bem esquisito. Ela relegou posts de marcas e sites de notícias a um local de acesso mais difícil. Isso parece ter contribuído para aumentar o problema de disseminação de notícias falsas.

De acordo com um artigo do New York Times publicado em janeiro, alguns usuários e editores descobriram que o teste acabou “amplificando o impacto de matérias fabricadas e sensacionalistas” em alguns países. Em áreas onde o novo recurso estava sendo testado, contas oficiais e sites de imprensa não governamentais eram rebaixados ao feed secundário.

A única maneira de resolver isso era pagando para promover seu conteúdo e levá-lo de volta ao feed de notícias principal. Isso significa que a maioria dos usuários passou a depender ainda mais da credibilidade do conteúdo que estava sendo compartilhado por sua família e seus amigos.

“As pessoas normalmente não compartilham notícias chatas sobre assuntos que não empolgam”, diz Filip Struharik, editor de redes sociais do site de notícias Denník N, da Eslováquia, ao NYT. Depois da implementação do novo Feed Explorar, a página teve uma queda em 30% no seu engajamento.

Por ora, o Facebook está voltando ao feed único nesses países. Mesmo assim, a empresa está concentrando esforços em priorizar interações “significativas” em detrimento a outros tipos de posts.

“Nós concluímos que o Explore não é uma maneira eficaz de levar as pessoas a descobrir novos conteúdos no Facebook”, diz Mosseri. “Nós acreditamos que as recentes mudanças no News Feed, que priorizam interações sociais significativas, respondem melhor aos anseios dos usuários que dizem querer ver mais coisas dos amigos e familiares.”

Mas, como vimos com o fracasso do Explorar, ser “significativo” não é a mesma coisa que ter credibilidade.