A invasão ao Capitólio dos EUA há cerca de uma semana continua gerando consequências em todas as plataformas sociais. O Facebook já havia banido o presidente Donald Trump devido a postagens que vão contra as políticas de uso do site. Agora, o serviço afirmou que vai remover conteúdos que contenham a expressão “stop the steal”, algo como “pare o roubo”, em tradução livre. A decisão também se aplica ao Instagram.

A frase vem sendo usada principalmente por apoiadores de Trump, em referência às falsas acusações do republicano de que as eleições de 2020, que deram a vitória a Joe Biden, foram fraudadas. O caso já foi (e vem sendo) negado diversas vezes pela Justiça americana. E o Facebook, especificamente, já havia removido grupos com o nome “Stop the Steal”, em novembro do ano passado — um deles tinha cerca de 360 mil membros.

Contudo, a remoção desse conteúdo desinformativo não é imediata. De acordo com a rede social, “pode levar algo tempo” até que todas as postagens sejam removidas, mas que, apesar disso, o trabalho para encontrar esses posts é contínuo. Em uma busca rápida no Facebook nesta terça-feira (12), eu digitei “#stopthesteal” e o aplicativo não exibiu nenhum resultado.

À esquerda, o Facebook já traz um aviso de que publicações com a hashtag #StoptheSteal vão contra os Padrões de Comunidade da rede social. À direita, a busca no Instagram também não exibe nenhum resultado. (Captura de tela: Caio Carvalho/Gizmodo Brasil)

Ainda segundo o Facebook, a decisão segue a política de Contenção de Danos da plataforma, que afirma o seguinte: “Em um esforço para prevenir e interromper danos offline e comportamento de imitação,é proibido facilitar, organizar, promover ou aceitar certas atividades prejudiciais ou criminosas direcionadas a pessoas, empresas, propriedade ou animais”.

O Facebook afirma que continuará banindo essas publicações fraudulentas pelo menos até o dia 22 de janeiro. Também é uma forma de tentar conter possíveis novos protestos armados em várias cidades do país. Além disso, a companhia diz que está trabalhando de perto com as autoridades para prosseguir na remoção desse tipo de conteúdo, como ainda desativar contas e responder solicitações legais de dados dos usuários.

[Mashable, Yahoo!]