O Facebook está ficando gigante e Mark Zuckerberg não vê o menor problema em incorporar ideias de outras empresas: vídeos ao vivo vieram pouco depois do Periscope; usuários podem postar anúncios de produtos como se estivessem num site de classificados; e o Instagram e o WhatsApp se parecem cada vez mais com o Snapchat. Agora é a vez do LinkedIn servir de inspiração para a rede social.

• Facebook Messenger está sugerindo assuntos para você conversar com seus contatos
• Workplace, a rede social corporativa do Facebook, está disponível para todas as empresas

De acordo com a Reuters, o Facebook está testando uma funcionalidade que permite a administradores de páginas incluir vagas de emprego e receber currículos de candidatos. “Com base no comportamento que temos visto no Facebook, onde muitos pequenos negócios postam sobre oportunidades de emprego em suas páginas, estamos fazendo um teste que permite que os administradores criem vagas e recebam inscrições de candidatos”, disse um porta-voz à agência de notícias.

O TechCrunch diz que a opção para publicar uma vaga é exibida na caixa de atualização de status da rede social. Ali será possível incluir os detalhes sobre o emprego, como o cargo, salário, entre outros detalhes. Uma formatação especial pode diferenciar as vagas dos posts comuns no feed de notícias. Além disso, elas também irão aparecer numa aba específica dentro da página.

Como a maioria dos perfis costuma ter informações sobre a formação acadêmica, empregos anteriores e interesses, se inscrever para uma vaga deverá ser bem prático. Ainda não está muito claro quais informações os candidatos poderão adicionar ao demonstrar interesse num anúncio. E, pelo menos por enquanto, os administradores recebem a notificação de aplicações por meio das mensagens do Facebook.

A rede social de Mark Zuckerberg tem uma carta na manga contra o LinkedIn: justamente por reunir os interesses das pessoas num único lugar, será mais fácil direcionar as vagas de emprego para as pessoas que possuem as credenciais buscadas pelas empresas.

O Facebook ainda não deu uma data para a novidade ser liberada para todas as páginas.

[Reuters via TechCrunch]