Desde 2013, a Fairphone vende celulares que procuram respeitar tanto o meio ambiente quanto os direitos humanos. Ela acaba de anunciar a segunda geração de seus smartphones, e eles são modulares: é possível atualizá-los com novas peças em vez de comprar um aparelho novo.

>>> Google revela mais detalhes do smartphone modular Ara

O Fairphone original só existiu graças a uma campanha de crowdfunding, na qual mais de dez mil pessoas desembolsaram 325 libras cada uma para fazer o “celular justo” existir. O dispositivo possuía um design de referência, e era composto por materiais que reduziam o uso de minerais de zonas de conflito — ou seja, extraídos de maneiras que abusam dos direitos humanos.

Com 60.000 modelos da primeira versão vendidos após a campanha, a empresa apresenta o Fairphone 2, projetado inteiramente por ela. E ele tem tudo o que você esperaria de um celular moderno: Android 5.1, tela full-HD de 5 polegadas com Gorilla Glass 3, suporte a 4G LTE, processador Snapdragon 801, 2 GB de RAM, 32 GB de armazenamento, uma câmera traseira de 8 megapixels e bateria removível de 2.420 mAh.

O celular também oferece suporte para dois chips e tem portas para sensores a serem disponibilizados no futuro. Além disso, tudo dentro dele é modular e de fácil manuseio para o usuário. Bas van Abel, CEO do Fairphone, diz ao The Next Web que a ideia é melhorar a longevidade do aparelho e estimular os usuários a conhecer melhor o próprio celular.

Desmonte do Fairphone 2 (1)Desmonte do Fairphone 2 (2)

Poucos dos componentes do Fairphone 2 são colados: desta forma, não há a necessidade de trocar o celular a cada dois anos, por assim dizer. Se você quiser trocar o processador ou a câmera, basta pedir uma peça nova para a Fairphone e colocá-la no seu smartphone. Para trocar uma tela quebrada, basta remover dois clipes e colocar a touchscreen nova.

Não é exatamente a mesma ideia do Project Ara, no qual o Google trabalha há algum tempo – afinal, você precisa abrir o Fairphone 2 e desparafusar os componentes. Mas é uma abordagem diferente dos muitos smartphones no mercado.

Além disso, a empresa garante que as peças feitas de estanho e tântalo usadas no aparelho vêm de zonas livre de conflito na República Democrática do Congo.

O Fairphone 2 será lançado na Europa entre setembro e novembro por 525 euros (cerca de R$ 1.800). A empresa garante que a renda gerada pelo celular será investida na melhoria dos ambientes de trabalho na China e em um programa de reciclagem fundado por ela em Gana, na África. [Fairphone via Engadget e The Next Web]

Imagens por Fairphone