Poderia ter sido só mais um dia comum de trabalho. Porém, no meio do expediente, uma equipe de garimpeiros canadenses se deparou com algo para lá de curioso: a escavadeira não estava mais atingindo apenas pedregulhos, mas sim um filhote de mamute lanoso de 30 mil anos

O animal que data da era do gelo foi encontrado sob o permafrost da região de Klondike, em Yukon. Geólogos do Yukon Geological Survey e da Universidade de Calgary, ambas instituições do Canadá, foram chamados para fazer a retirada do fóssil.

A área em que o mamute foi achado pertence à Primeira Nação Tr’ondek Hwech’in. Por conta disso, os pesquisadores deram ao filhote o nome Nun cho ga, que significa “grande bebê animal” na língua Han, falada pelos povos nativos. 

Os cientistas acreditam que o pequeno seja do sexo feminino. No passado, a pequena Nun cho ga ocupou a região canadense ao lado de cavalos selvagens, bisões e leões das cavernas. 

O animal estava praticamente intacto, sendo considerado o mamute lanoso mais completo já encontrado na América do Norte. Em 1948, pesquisadores haviam desenterrado apenas um mamute parcial em uma mina de ouro no interior do Alasca. Era também um filhote, que recebeu o nome de Effie. 

O novo espécime foi comparado a outro encontrado em 2007 na Rússia. Sob o gelo siberiano, cientistas revelaram outro bebê mamute intacto, chamado de Lyuba. Era também um filhote do sexo feminino, comparável em tamanho com Nun cho ga. O animal siberiano, no entanto, era mais velho, datando cerca de 42 mil anos.