Um total assustador de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso a comida nutritiva suficiente, e choques climáticos como seca, ondas de calor e chuvas extremas têm desempenhado um grande papel em seu sofrimento, segundo um novo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU). Ao mesmo tempo, o mundo também tem um número cada vez maior de pessoas que estão se tornando obesas, mostrando que nosso sistema alimentar está se dividindo entre as que têm muito e as que não têm nada.

Muitos dos que passam fome vivem em países subdesenvolvidos. E as tendências só devem piorar à medida que as mudanças climáticas fazem com que os preços dos alimentos subam, de acordo com outro relatório da ONU sobre mudanças climáticas e terras que vazou na segundafeira para o jornal indiano The Wire. Juntas, as descobertas mostram que o mundo precisa se unir e reimaginar o sistema agrícola em que nos baseamos para torná-lo mais equitativo e pronto para um planeta mais quente.

A Organização para Agricultura e Alimentação — um braço da ONU que lida com essas coisas — relatou os dados sobre fome em seu relatório anual do Estado de Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo divulgado na segunda-feira (15).

As conclusões baseiam-se em relatórios anteriores, que mostraram que, após décadas de declínio, a fome se agravou em 2015. Desde então, manteve-se estável, com 11% da população mundial sofrendo de desnutrição. Os piores impactos foram na África, onde 20% da população está subnutrida, um número que está “aumentando em quase todas as sub-regiões africanas”, de acordo com o relatório. Todas as outras partes do mundo em desenvolvimento também estão vendo um aumento na desnutrição.

Isso só conta parte da história lamentável sobre a alimentação, entretanto. O relatório mostra que, ao somar aqueles que estão com fome com aqueles que estão enfrentando “insegurança alimentar moderada” e com as pessoas sem acesso regular a alimentos, o total vai para 2 bilhões de pessoas. As desacelerações econômicas são os maiores fatores de desnutrição nos países de renda média, particularmente naqueles com grandes indústrias agrícolas.

Mas choques climáticos e conflitos — e às vezes a interação dos dois — são a maior fonte de crises alimentares em alguns dos países mais pobres da Terra. A lista de países atingidos pelo clima e pela insegurança alimentar relacionada com conflitos em 2018 inclui o Sudão, a Nigéria e a Síria, enquanto o clima, juntamente com o agravamento da economia, impulsionou a insegurança alimentar em Moçambique (que deverá sofrer insegurança alimentar novamente este ano devido à ocorrência de ciclones) e muitos dos países da América Central que as pessoas deixaram em busca de asilo nos EUA

Enquanto isso, a obesidade também está em ascensão em todo o mundo, com o relatório alertando que essa piora da epidemia está custando cerca de US$ 2 trilhões ao sistema de saúde. Dentro dos países ricos, existe também a realidade perversa de que a epidemia de obesidade atinge com frequência as comunidades mais pobres, devido aos desertos alimentares e aos fast food baratos.

Essas fissuras crescentes mostram que o mundo é em grande parte capaz de produzir alimentos suficientes, apenas faz um trabalho terrível em distribuí-lo equitativamente. Mudanças na dieta, como a descrita em um relatório da EAT Lancet Commission no início deste ano, são uma maneira de ajudar a restabelecer nosso sistema alimentar.

Esse relatório, juntamente com o novo relatório da FAO (Food and Agriculture Organization), também pede a “transformação estrutural que também fomenta a redução da pobreza e sociedades mais igualitárias” para garantir que as pessoas não passem fome.

Entre as recomendações estão: abordar a desigualdade de renda, melhorar o acesso a serviços de saúde de qualidade e transferências de renda para os pobres e programas de nutrição escolar, os quais se alinham com recomendações em outros grandes relatórios da ONU divulgados no ano passado narrando o precipício em que a humanidade se encontra e como podemos regredir.

As mudanças climáticas adicionam mais uma dimensão a essas mudanças estruturais e as tornam mais imperativas do que nunca. A agricultura se tornará mais desafiadora em um mundo em aquecimento, uma vez que o calor estimula o solo e as colheitas, e as secas e inundações cada vez mais intensas afetam ainda mais seu impacto.

A reportagem do The Wire sobre o vazamento de um próximo relatório da ONU sobre mudanças climáticas e terras diz que os preços dos cereais podem subir 29% até 2050, já que as terras aráveis ​​são reduzidas em algumas regiões e as colheitas são afetadas pelos choques climáticos citados anteriormente.

A agricultura também poderia desempenhar um papel no combate à mudança climática através do sequestro de carbono no solo, mostrando ainda outra maneira de como as mudanças na forma como cultivamos podem realmente beneficiar a todos.