Paleontólogos na China descobriram o fóssil de um oviraptorossauro sentado em um ninho de ovos. Isso, por si só, já é uma descoberta incrível e rara. Mas, também há uma outra surpresa: este fóssil é único porque os ovos não eclodidos ainda preservam evidências dos filhotes em seu interior.

“Aqui, relatamos o primeiro fóssil de dinossauro [não-aviário] conhecido a preservar um esqueleto adulto sobre uma ninhada de ovo que contém restos embrionários”, declaram os autores de um artigo publicado no Science Bulletin. Encontrado na China, o fóssil está expandindo nossa compreensão do comportamento e fisiologia dos oviraptorossauros, ao mesmo tempo que fornece mais provas de que os dinossauros não-aviários empregavam comportamentos de ninhada semelhantes aos dos pássaros.

Também conhecidos como oviraptors, os oviraptorossauros receberam esse nome devido a um antigo mal-entendido paleontológico de fósseis semelhantes. O nome significa “ladrão de ovos”, mas acabou perdendo o sentido quando mais tarde foi mostrado que, na verdade, eles eram os legítimos proprietários dos ovos fossilizados, frequentemente encontrados ao lado de seus restos mortais enterrados.

Fósseis de oviraptorossauros com seus ovos já foram encontrados antes. A novidade aqui é que os ovos ainda contêm evidências dos embriões em seu interior. É importante ressaltar que embriões dentro de ovos de oviraptor já foram encontrados anteriormente, mas apenas de forma isolada. Um exemplo famoso é o fóssil “Baby Louie”, descoberto em Henan, China, na década de 1990.

Os oviraptorossauros eram dinossauros terópodes super bem-sucedidos do período Cretáceo. Eles variavam muito em tamanho, com alguns chegando a pesar mais de 1.100 kg. As características mais comuns incluíam penas, pescoço longo, asas e bicos. Essas espécies não-aviárias tinham uma aparência muito semelhante a de um pássaro, lembrando os avestruzes modernos. Em seus ninho, esses animais organizavam seus ovos em um círculo quase perfeito, colocando-os em camadas extraordinariamente ordenadas.

O fóssil recém-descrito, denominado LDNHMF2008, foi retirado da Formação Nanxiong, perto da ferrovia Ganzhou, na província de Jiangxi, no sul da China. Ele data do final do período Cretáceo, aproximadamente 70 milhões de anos atrás, e preserva os restos mortais de um oviraptorossauro adulto, com seu crânio e outras características do esqueleto ausentes. O animal parece ter morrido enquanto estava em uma posição de aninhamento.

Assine a newsletter do Gizmodo

Esses ossos fossilizados foram encontrados ao lado de uma “ninhada imperturbada” de pelo menos 24 ovos, “alguns dos quais estão quebrados, expondo ossos embrionários”, escreveram os autores do estudo. A equipe, liderada por Shundong Bi, da Universidade de Indiana da Pensilvânia, e Xing Xu, da Academia Chinesa de Ciências, atribuíram os ovos à espécie fóssil Macroolithus yaotunensis. Para eles, ninhos de oviraptorossauro contendo tantos ovos ao mesmo tempo não são incomuns e provavelmente é uma adaptação à caça furtiva extrema por verdadeiros “ladrões de ovos”.

A análise microscópica dos fósseis mostrou que alguns embriões estavam nos estágios finais de desenvolvimento e prestes a eclodir. Os autores consideraram isso como evidência potencial de que os oviraptors estavam incubando ativamente seus ninhos, e não apenas os protegendo, como especularam alguns paleontólogos.

“No novo espécime, os bebês estavam quase prontos para chocar, o que nos diz, sem sombra de dúvida, que este oviraptorídeo cuidou de seu ninho por um longo tempo”, afirmou Matthew Lamanna, paleontólogo do Museu Carnegie de História Natural e coautor do novo estudo, em um comunicado. “Este dinossauro foi um progenitor carinhoso que no final das contas deu sua vida enquanto alimentava seus filhotes.”

Outras evidências confirmaram essa interpretação, como uma análise de isótopos de oxigênio, mostrando que os ovos foram incubados em altas temperaturas (semelhantes a pássaros) em torno de 36 a 38 graus Celsius. Curiosamente, os ovos foram encontrados em vários estágios de desenvolvimento, o que significa que eclodiram em momentos diferentes. Isso é conhecido como assincronia de incubação, um fenômeno reprodutivo visto em pássaros modernos. Os autores não conseguiram atribuir uma causa à incubação assíncrona, mas apresentaram um cenário plausível, conforme escrevem em seu estudo:

Como os avestruzes, os oviraptorossauros só teriam iniciado a incubação do ninho depois que todos os ovos tivessem sido postos, de modo que os ovos inferiores, que haviam sido postos mais cedo, seriam incubados proporcionalmente pelo mesmo tempo que os ovos superiores. No entanto, os ovos superiores teriam eclodido mais cedo do que os ovos inferiores porque, estando mais perto do adulto que estaria chocando, eles teriam recebido mais calor deste indivíduo do que os ovos inferiores e, portanto, os embriões teriam se desenvolvido mais rapidamente.

Por fim, os cientistas também detectaram um punhado de seixos na região abdominal do dinossauro. Essas rochas provavelmente são gastrólitos, que os animais engolem para ajudar na digestão. Esta é a primeira vez que isso foi documentado em um oviraptorossauro e é uma pista potencial sobre a sua dieta.

As novas descobertas trazem uma série de novas percepções para um único, embora notável, fóssil. “É extraordinário pensar quanta informação biológica foi capturada apenas neste único fóssil”, disse Xu. “Ainda vamos aprender muito com este espécime por muitos anos.”